Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Basílio da Gama

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.04.2017
08.04.1741 Brasil / Minas Gerais / Tiradentes
31.07.1795 Portugal / Distrito de Lisboa / Lisboa
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Quitubia, 1791
Basílio da Gama
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

José Basílio da Gama (Tiradentes, Minas Gerais, 1741 - Lisboa, Portugal, 1795). Poeta. Órfão de pai na adolescência, segue para o Rio de Janeiro, onde estuda no Colégio dos Jesuítas, congregação religiosa com a qual manterá relação ao longo de sua vida. Em 1759 inicia-se uma campanha oficial por parte de alguns estados europeus e suas respectiva...

Texto

Abrir módulo

Biografia

José Basílio da Gama (Tiradentes, Minas Gerais, 1741 - Lisboa, Portugal, 1795). Poeta. Órfão de pai na adolescência, segue para o Rio de Janeiro, onde estuda no Colégio dos Jesuítas, congregação religiosa com a qual manterá relação ao longo de sua vida. Em 1759 inicia-se uma campanha oficial por parte de alguns estados europeus e suas respectivas colônias contra os jesuítas, e o colégio no qual Basílio estuda é fechado. Fiel à congregação, o jovem segue para Roma, onde, entre 1760 e 1766, é admitido na célebre Arcádia Romana, sob o pseudônimo de Termindo Sipilio. Em 1768 é detido em Portugal, acusado de simpatia pelos jesuítas. Após quase ser exilado para Angola, Basílio recua em seu engajamento pró-jesuíta e escreve, em 1769, o "Epitalâmio às núpcias da Senhora Dona Maria Amália", filha do Marquês de Pombal (1699- 1782), protetor do poeta e um dos principais responsáveis pela política contra os jesuítas em território português e em suas colônias. Ao Marquês de Pombal é dedicada sua obra poética central, O Uraguai, de 1769.

Análise

Em O Uraguai (1769), obra central da poética de Basílio da Gama, é abordada a factual expedição de portugueses e espanhóis contra as missões jesuíticas no sul do Brasil. A intenção central do autor é louvar a política do Marquês de Pombal e criticar os jesuítas. Embora possua traços épicos, predomina em O Uraguai o gênero lírico-narrativo: segundo o crítico Alfredo Bosi (1936), a contemporaneidade dos eventos contados no poema retira a aura de mito que ronda a epopéia tradicional. Além dos espanhóis, portugueses e jesuítas, os indígenas também são personagens do poema, uma vez que estavam envolvidos diretamente no conflito entre colonizadores e jesuítas. O tema do índio e a descrição minuciosa da natureza brasileira dividem espaço, no poema, com a questão da expedição; assim, posteriormente, Basílio e seu Uraguai seriam apontados por muitos escritores românticos como fonte de inspiração.

No entanto, é preciso ressaltar que o interesse demonstrado por Basílio pela cultura indígena neste poema é superficial, configurando a imagem do índio com tintas de exotismo. Ainda assim, segundo o crítico Antonio Candido (1918), por vezes o poeta deixa de cantar os feitos heróicos dos portugueses e espanhóis para tratar do choque entre a cultura indígena e a européia, entre a vida natural e a ordenação racional da Europa.

Entre as especificidades da composição do poema estão as notas de rodapé elaboradas pelo próprio autor: nelas concentram-se o conteúdo mais explicitamente político, como as louvações a Pombal e o combate aos jesuítas; assim, o poema propriamente dito ficaria livre "dum máximo de não poesia"¹. Tal deslocamento de parte do conteúdo político para as notas de rodapé indicam, mais uma vez, a tendência mais lírica que épica d'O Uraguai.

Nota

1 A expressão é de Antonio Candido em ormação da Literatura Brasileira

Obras 2

Abrir módulo
Reprodução Fotográfica Horst Merkel
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Espetáculos 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • BOSI, Alfredo. Basílio da Gama. In: História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, s.d.
  • CANDIDO, Antonio. O disfarce épico de Basílio da Gama. In: ______. Formação da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: