Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Ronald de Carvalho

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
16.05.1893 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
15.02.1935 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Ronald de Carvalho (Rio de Janeiro RJ 1893 - idem 1935). Poeta, ensaísta e memorialista. Filho do engenheiro naval Artur Augusto de Carvalho, integrante da Revolta da Armada, 1893 a 1894, que é fuzilado pelas forças legalistas do governo Floriano Peixoto. Criado e instruído pelo avô até 1899, conclui os estudos primários e secundários aos 14 ano...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Ronald de Carvalho (Rio de Janeiro RJ 1893 - idem 1935). Poeta, ensaísta e memorialista. Filho do engenheiro naval Artur Augusto de Carvalho, integrante da Revolta da Armada, 1893 a 1894, que é fuzilado pelas forças legalistas do governo Floriano Peixoto. Criado e instruído pelo avô até 1899, conclui os estudos primários e secundários aos 14 anos. Nesse período, ingressa na Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais, e inicia a carreira de jornalista, colaborando com a revista A Época e o Diário de Notícias. Em 1914, vai para Lisboa, e entra em contato com o modernismo português, por meio do poeta Fernando Pessoa (1888 - 1935), dos escritores Mário de Sá Carneiro (1890 - 1916) e Luís de Montalvor (1891 - 1947) e da revista portuguesa Orfeu, editada a partir de 1915. Essa relação com os modernistas portugueses marca sua obra e o aproxima dos modernistas brasileiros. Depois de publicar, em 1919, Poemas e Sonetos e História da Literatura Brasileira, participa da Semana de Arte Moderna, em 1922, e assume o verso livre com Epigramas Irônicos e Sentimentais. Em meio aos eventos de 1922, declama o famoso poema Os Sapos, de Manuel Bandeira (1886 - 1968) cujo conteúdo ataca os poetas parnasianos. Nos seis anos seguintes, publica O Espelho de Ariel, Estudos Brasileiros, Jogos Pueris e Toda a América, marcando sua filiação à estética modernista e a preocupação com a produção teórica. Rabelais e o Riso do Renascimento e mais duas partes dos Estudos Brasileiros são seus últimos livros, pois um acidente de automóvel interrompe sua carreira, aos 41 anos. A fase de sua obra em que predominam as formas fixas se aproxima do simbolismo e do parnasianismo. No período modernista, o tom grandiloqüente e a escrita formal o distanciam dos outros integrantes do movimento.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 3

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: