Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Raul de Leoni

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.07.2017
30.10.1895 Brasil / Rio de Janeiro / Petrópolis
21.11.1926 Brasil / Rio de Janeiro / Petrópolis
Raul de Leoni Ramos (Petrópolis RJ, 1895 - Itaipava, Distrito de Petrópolis RJ, 1926). Forma-se Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade Livre de Direito do Rio de Janeiro em 1916. Atua, desde 1914, como colaborador das revistas Fon-Fon! e Para Todos, e do Jornal do Brasil, Jornal do Comércio, O Jornal e O Dia. Amante dos esportes...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Raul de Leoni Ramos (Petrópolis RJ, 1895 - Itaipava, Distrito de Petrópolis RJ, 1926). Forma-se Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade Livre de Direito do Rio de Janeiro em 1916. Atua, desde 1914, como colaborador das revistas Fon-Fon! e Para Todos, e do Jornal do Brasil, Jornal do Comércio, O Jornal e O Dia. Amante dos esportes, vence provas de Natação e Remo pelo Clube Icaraí. É membro do corpo diplomático brasileiro e serve em Montevidéu (Uruguai), em 1918. Seu primeiro livro de poesia, Ode a um Poeta Morto, é publicado em 1919.  Em 1922 é lançado Luz Mediterrânea, que teve nova edição em 1928. Uma antologia de seus poemas, Trechos Escolhidos, é publicada em 1961. Raul de Leoni é considerado por alguns críticos poeta neoparnasiano e, por outros, simbolista. Em sua obra, situada em momento de mudanças no panorama estético brasileiro e mundial, há elementos que podem ser relacionados ao parnasianismo, como o gosto pela descrição nítida, em versos luminosos e plenos de paisagens gregas, florentinas, pagãs. Seus últimos poemas, entretanto, em que se destacam as abstrações filosóficas, apresentam modulação simbolista.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: