Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Orlando Azevedo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.12.2021
12.05.1949 Portugal / Açores / Terceira

Marinhas, 1992
Orlando Azevedo
Matriz - positivo

Orlando Manuel Monteiro de Azevedo (Ilha Terceira dos Açores, Portugal, 1949). Fotógrafo, curador, editor. Dedica-se à fotografia autoral marcadamente em expedições exploratórias que captam flagrantes da paisagem natural e humana com seu olhar atento e lírico e suas imagens se desdobram em exposições e publicações.

Texto

Abrir módulo

Orlando Manuel Monteiro de Azevedo (Ilha Terceira dos Açores, Portugal, 1949). Fotógrafo, curador, editor. Dedica-se à fotografia autoral marcadamente em expedições exploratórias que captam flagrantes da paisagem natural e humana com seu olhar atento e lírico e suas imagens se desdobram em exposições e publicações.

Na infância conhece a fotografia documental ao acessar a coleção da família da revista National Geographic. Aos 9 anos ganha sua primeira câmera fotográfica com a qual inicia experimentos. Passa a residir com a família no Brasil, fixando-se em Curitiba a partir de 1962. Nessa época, realiza por correspondência um curso de fotografia no Instituto Universal Brasileiro. Aos 19 anos inicia suas atividades profissionais quando retorna a Portugal por um breve período como repórter fotográfico para as Revistas Azem Lisboa e Quatro Estações

Entre 1969 e 1979 é o baterista da banda de rock A Chave, cujas letras contavam com a frequente colaboração do poeta paranaense Paulo Leminski (1944-1989). A circulação internacional de Orlando contribui para trazer referências e influências da cena musical de vanguarda da época, e a banda é cultuada como precursora do rock curitibano. Em 1980 forma-se em direito na Faculdade de Direito de Curitiba e, nessa década, com a fotógrafa Vilma Slomp (1952) funda uma agência fotográfica e editora, que organiza suas atividades para publicidade e imprensa, onde continua atuando como repórter fotográfico, publicando matérias especiais e entrevistas. 

Em paralelo a esses trabalhos, conduz sua carreira autoral. Seu projeto de livro sobre a fábrica têxtil Venske, de 1987, é uma investigação visual e poética nas extensas instalações abandonadas da fábrica – que é referência por sua história e pelo fato de que anos depois de sua desativação, viria a se tornar um importante pólo cultural de Curitiba. A mostra Fitas e Bandeiras Venske acontece no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp) em São Paulo no ano seguinte e as fotos apresentam a dicotomia entre o permanente rigor formal do maquinário e mobiliário, em contraste com objetos abandonados que aludem à memória de épocas de vigor produtivo. Em carretéis ou bobinas, linhas coloridas aparecem organizadas ou esticadas em teares, ou ainda se vê o registro de exemplares de bandeiras de estados brasileiros penduradas nas vigas de madeira em um dos galpões, produzindo um jogo de vazios, escala e memória. 

Entre 1993 a 1996 ocupa a direção de artes visuais da Fundação Cultural de Curitiba, onde concebe e assina a curadoria da 1ª, 2ª e 3ª edição da Bienal Internacional de Fotografia. Como curador e gestor, realiza também a mostra A Revolta (1995), com obras do artista plástico polonês Frans Krajcberg (1921-2017), evento de sucesso no jardim botânico que atrai público de 800 mil visitantes em apenas dois meses. Também funda em 1998 o Museu de Fotografia da Cidade de Curitiba, o primeiro do gênero no País, com acervo de 1500 imagens. 

Seu projeto autoral de maior envergadura é a Expedição Coração do Brasil que começa em abril de 1999 e termina em julho de 2002. Percorre 70 mil quilômetros, em estradas alternativas, retratando a paisagem e os moradores de diferentes regiões. O nome faz referência a semelhança que enxerga entre o formato do mapa do Brasil e um coração, além de apontar para o objetivo da missão que é registrar a fundo o território brasileiro. A jornada dá origem a publicação da trilogia Homem, Terra e Mito, e exposições no Instituto Tomie Ohtake em São Paulo, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (MARGS) e no Museu Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro.

Outras três expedições subsequentes são realizadas. Entre 2005 e 2006 percorre mais de 20 mil quilômetros e gera livro e mostra chamados Coração do Paraná no Museu Oscar Niemeyer em Curitiba; em 2011 a expedição Paranaguá, Lagamar, documenta a cultura caiçara na região entre Guaraqueçaba no Paraná e Iguape-Cananéia em São Paulo; e em 2014 retorna à sua terra natal para a expedição Arquipélago dos Açores.

Inspirado pelos fotógrafos da agência Magnum como Henri-Cartier Bresson, a obra de Orlando Azevedo prioriza paisagens e retratos em preto e branco com grande apuro técnico. Identifica um entrelaçamento entre poesia, música e fotografia, e procura, no momento do enquadramento da foto, a captura de emoções que suscitam uma narrativa lírica e poética. 

Atento à questões de memória e conservação, organiza em condições museográficas suas mais de 5 décadas de trabalho que compreendem 160 mil matrizes analógicas em diversos formatos, assim como todos os seus equipamentos fotográficos. Adquire todo o acervo do fotógrafo austríaco Augusto Weiss composto por 3 mil placas de vidro com as imagens da colonização européia no Paraná no final do século 19, entre elas retratos em estúdio, residências e localidades rurais. E Orlando traz à luz esse importante material histórico com a publicação de um livro e  a curadoria de uma exposição em 2017, na Casa Romário Martins em Curitiba.

Mesclando lirismo a um profundo conhecimento de técnicas fotográficas, Orlando Azevedo constrói uma carreira em que projetos de grande envergadura geográfica se destacam tanto quanto seu interesse pelo resgate histórico de eventos, lugares e pessoas. Sua diligente e prolífica atuação – seja como criador, editor, curador e agitador cultural – contribui para ampliar a divulgação, circulação e a história da fotografia no Brasil.

Obras 10

Abrir módulo

Exposições 93

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • A FÁBRICA. História da Fábrica de Fitas e Bandeiras Venske. Disponível em:http://afabrika.com.br/historia-da-fabrika-de-fitas-e-bandeiras-venske/. Acesso: 15 ago. 2021.
  • ARAÚJO, Bento. A história da banda A Chave. Poeira Zine. 2 fev. de 2015. Disponível em: https://www.poeirazine.com.br/a-historia-da-banda-a-chave/. Acesso em: Acesso: 15 ago. 2021.
  • AZEVEDO, Orlando. Expedição Coração do Brasil - Homem. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2002.
  • AZEVEDO, Orlando. Expedição Coração do Brasil - Mito. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2002.
  • AZEVEDO, Orlando. Expedição Coração do Brasil - Terra. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2002.
  • AZEVEDO, Orlando. Jardim de Anões. Curitiba: Edição do autor, 1993.
  • AZEVEDO, Ricardo José Duff. Fitas e bandeiras Venske. Curitiba: SEEC/ SEIC, 1988.
  • BONI, Zé de. Verde lente: fotógrafos brasileiros e a natureza. São Paulo: Empresa das Artes, 1994.
  • CARBONCINI, Anna (coord.). Coleção Pirelli / MASP de Fotografias: v. 3. Versão em inglês Kevin M. Benson Mundy. São Paulo: Masp, 1993.
  • CURITIBA recebe mostra inédita de fotos de Augusto Weiss. Bem Pará. 26 set. 2017. Disponível em: https://www.bemparana.com.br/noticia/curitiba-recebe-mostra-inedita-de-fotos-de-augusto-weiss#.YR1xay2Eri0. Acesso em: 15 jun. 2021.
  • Curitiba recebe mostra inédita. Revista Use, Curitiba. 19 set. 2017. Disponível em: http://www.revistause.com.br/curitiba-recebe-mostra-inedita-de-fotografias-acervo-de-augusto-weiss-com-curadoria-de-orlando-azevedo/. Acesso em: 15 jun. 2021.
  • CÂMERA Velha. Bate Papo com Orlando Azevedo. Parte 2. 7 jun. 2008. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-JKFoirGEjw. Acesso em: 15 jun. 2021.
  • ENXERGANDO o planeta: Orlando Azevedo. IrisFoto, São Paulo, ano 45, p. 451, p. 64, jan. /fev. 1992. Edição de Aniversário.
  • ORLANDO Azevedo. IrisFoto, São Paulo, ano 46, n. 460, n. p. , jan. /fev. 1993.
  • PAIVA, Joaquim (org.). Visões e alumbramentos: fotografia brasileira contemporânea na coleção Joaquim Paiva. Versão em inglês Katica Szabó, Laura Ferrari. São Paulo: BrasilConnects Cultura & Ecologia, 2002.
  • TV Sinal Paraná. Essa Casa tem História - Fábrica de Fitas Venske (Bloco 2). Publicado em 27 de out. 2010. Disponível em: https://youtu.be/ESU8WkZ7lPw. Acesso: 15 ago. 2021.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: