Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Nazareno

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.06.2018
13.12.1967 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Marcelo Feijó

Estes Te Farão Justiça (detalhe), 1998
Nazareno
Instalação - prata fundida, acrílico e fotografia

Nazareno Rodrigues Alves (São Paulo, São Paulo, 1967). Desenhista, escultor e artista multimídia. Nascido em São Paulo, o artista passa a infância e a adolescência em Fortaleza, Ceará. Em 1987, muda-se para Brasília, onde conclui bacharelado em artes visuais pela Universidade de Brasília (UnB), em 1998. Em 1999, participa da edição itinerante Ve...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Nazareno Rodrigues Alves (São Paulo, São Paulo, 1967). Desenhista, escultor e artista multimídia. Nascido em São Paulo, o artista passa a infância e a adolescência em Fortaleza, Ceará. Em 1987, muda-se para Brasília, onde conclui bacharelado em artes visuais pela Universidade de Brasília (UnB), em 1998. Em 1999, participa da edição itinerante Vertentes Contemporâneas - Rumos Visuais Itaú, em Fortaleza e Recife, Pernambuco. Nos dois anos seguintes, expõe no Instituto Itaú Cultural, São Paulo, e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), dentro do mesmo programa.

Participa, em 2002, da residência Faxinal das Artes, em Faxinal do Céu, Paraná. Nesse mesmo ano, é premiado com a obra Para Mim Só Sobrou o Berço de Prata (2001), no Salão de Artes Visuais de Brasília. Fixa residência em São Paulo em 2003. Publica de maneira independente, no ano de 2004, o livro São as Coisas que Você Não Vê que nos Separam.

Análise

Nazareno trabalha com situações lúdicas, que abarcam os receios e os encantamentos das relações humanas. Ao apresentar suas produções em miniatura, o artista relaciona a sua obra com questões ligadas à infância, ao jogo, à memória, à impossibilidade e ao tempo. Como em 4, 3, 2, 1...Você Perdeu (1998) - instalação composta de pequenas cadeiras de prata, constituindo quatro estágios da "dança das cadeiras". Nesta brincadeira popular, há sempre um participante a mais em relação ao número de cadeiras. Sucessivamente, vão sendo eliminados os jogadores que não conseguem sentar, até que reste apenas um, o vencedor. Entretanto, no trabalho proposto pelo artista, não existe vencedor. A cadeira que restou está encostada à parede, e não pode ser ocupada.

O desenho, que ganha maior importância para o artista em 2002, reflete um momento mais afastado da infância. Agora, os jogos propostos envolvem relações de competitividade em outro âmbito - que pode ser compreendido como mais adulto. Essas relações estão inscritas em trabalhos como As Indefiníveis Especulações (2003) - figuração, por meio do desenho, de uma caixa aberta que guarda outra caixa, também aberta. E em Como Fazer para Impressionar os Inimigos (2003), série de cinco desenhos que retratam, em sequência, um esquema de como fazer malabarismo com bolas. Ambos são realizados em nanquim. 

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 62

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • MIGUEL, Ana; NAZARENO; REYNAUD, Ana Teresa Jardim. Alguns conseguem. Catálogo. São Paulo: Galeria Virgílio, 2005.
  • NAZARENO et al. Realidades. Catálogo. São Paulo: Sesc Pinheiros, 2011.
  • NAZARENO et al. São as coisas que você não vê que nos separam. 1. ed. São Paulo: Publicação Independente, 2004.
  • NAZARENO. Entrevista concedida pelo artista visual para Camila Valones, do Centro deDocumentação e Referência do Itaú Cultural. São Paulo, 19 de agosto de 2011.
  • NAZARENO. [Currículo]. Enviado pelo artista em 4 de agosto de 2011.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: