Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural

Irandhir Santos

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.08.2021
22.08.1978 Brasil / Pernambuco / Barreiros
Irandhir Gleriston Santos Pinto (Barreiros, Pernambuco, 1978). Ator. Costuma interpretar personagens questionadores e aguerridos, que ora combatem o autoritarismo e defendem a liberdade artística, ora são movidos por desejo de vingança e questões familiares. Constrói carreira bem-sucedida na televisão e no cinema, mas o foco de seu trabalho está...

Texto

Abrir módulo

Irandhir Gleriston Santos Pinto (Barreiros, Pernambuco, 1978). Ator. Costuma interpretar personagens questionadores e aguerridos, que ora combatem o autoritarismo e defendem a liberdade artística, ora são movidos por desejo de vingança e questões familiares. Constrói carreira bem-sucedida na televisão e no cinema, mas o foco de seu trabalho está na atuação cinematográfica.

No início dos anos 2000, Irandhir forma-se em artes cênicas na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e começa a carreira no teatro. Mas quando assiste ao curta-metragem Texas Hotel (1999), de Cláudio Assis (1959), sente-se estimulado a fazer cinema. Na época, Recife começa a formar um polo da cinematografia nacional.

Seus primeiros trabalhos são papéis secundários em Cinema, Aspirinas e Urubus (2005), de Marcelo Gomes (1963), e Baixio das Bestas (2007), de Cláudio Assis. No mesmo ano vive sua primeira experiência em teledramaturgia, na minissérie de teor teatral e artístico Pedra do Reino, dirigida por Luiz Fernando Carvalho (1960) e baseada em obra do dramaturgo Ariano Suassuna (1927-2014). O ator é elogiado pelo próprio Suassuna por seu talento tragicômico ao interpretar o palhaço Quaderna.

Em Viajo Porque Preciso, Volto Porque te Amo (2008), de Karim Ainouz (1966) e Marcelo Gomes, Irandhir interpreta um geólogo que não aparece uma vez sequer. Mas, segundo críticos, sua locução confere tanta vida e emoção à narrativa que quem assiste tem a impressão de estar vendo o personagem. Com voz introspectiva e considerações poéticas, ele guia o espectador por sua viagem interior.

A primeira experiência cinematográfica no eixo Rio-São Paulo é o filme Olhos Azuis (2009), de José Joffily (1945), com um personagem que fala inglês e espanhol. Irandhir teme a falta de fluência nos idiomas, mas se prepara com um professor e topa o desafio. Ele aprova a forma como adequa a concepção original do personagem às suas próprias características e conta que esse processo o fez acreditar mais em suas falas.

Irandhir se torna conhecido do grande público no papel do professor pacifista Diogo Fraga, no filme Tropa de Elite 2 (2010), de José Padilha (1967). Volta a filmar com Cláudio Assis, desta vez como protagonista de A Febre do Rato (2011). Sua atuação como o poeta Zizo, que perambula com seu alto-falante conclamando as pessoas a abrirem suas mentes para os prazeres da vida livre e desregrada, é qualificada de antológica por críticos como Luiz Carlos Merten.

Em O Som ao Redor (2012), de Kleber Mendonça Filho (1968), Irandhir interpreta Clodoaldo, membro de uma equipe de vigilância que chega a uma rua de Recife propondo segurança 24 horas. A novidade não apenas serve de pretexto para um panorama da convivência problemática com os espaços públicos e privados, como possibilita a Clodoaldo concretizar uma vingança contra o dono da maioria dos imóveis da rua, espécie de senhor feudal urbano.

O corpo do ator toma o primeiro plano e funciona como instrumento de protesto em Tatuagem (2013), de Hilton Lacerda (1965). Seu personagem, Clécio Wanderley, conduz uma trupe teatral que desafia o governo com críticas à religião, à família e às tradições. Numa sequência apontada pela crítica como um momento marcante do cinema, Irandhir interpreta “Esse Cara”, de Caetano Veloso (1942). De colante dourado e flor no cabelo, provoca tensão ao trocar olhares com um espectador da plateia.

Sempre com um livro em mãos, como se estudasse sobre o que faz, Clécio se assemelha ao seu intérprete. Antes de começar uma filmagem, Irandhir gosta de pegar o roteiro e anotar, pesquisar, alterar. Corta, recorta e transforma o script num caderno pessoal do personagem. Ele faz um diário com desenhos, poesias, coisas que se conectam na elaboração do personagem, conta Camilo Cavalcante (1974), que dirige Irandhir em A História da Eternidade (2014).

Nesse longa, Irandhir interpreta Joãozinho, que ama livros e teatro, mas sofre de epilepsia e acaba ficando à mercê de um irmão autoritário. O diretor destaca detalhes do filme que são frutos do impulso criativo e da sensibilidade do ator, como uma camiseta que o próprio Irandhir borda para seu figurino. A peça tem uma carranca amarela que, vista de perto, revela nomes de grandes artistas epiléticos, como Machado de Assis (1839-1908).

Na época, Irandhir atua em duas telenovelas dirigidas por Luiz Fernando Carvalho. Em Meu Pedacinho de Chão (2014), de construção fantástica, seu personagem é o peão Zelão – capanga do coronel que dita as regras num vilarejo humilde –, que começa a questionar as ordens do patrão depois que se apaixona pela professora recém-chegada.

Em Velho Chico (2016), faz o caçula Bento dos Anjos, homem humilde que tem uma vingança pela frente após presenciar o assassinato de seu pai. Sua interpretação enriquece o tom lírico da novela, considerada um marco artístico da teledramaturgia nacional.

Irandhir é considerado um artista talentoso, agregador, curioso, detalhista e intenso. Para compor personagens e se preparar para as cenas, desenvolve um método tão próprio que acaba virando filme: Iran (2017), que o diretor Walter Carvalho (1947) fez a partir de registros de bastidores.

Irandhir Santos dá vida a personagens marcantes, mesmo quando aceita papéis que parecem pouco talhados para ele. Em poucos anos se torna um dos grandes atores do cinema brasileiro e integra os elencos de alguns dos principais filmes nacionais do século XXI.

Mostras audiovisuais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: