Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Berna Reale

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.07.2020
01.12.1965 Brasil / Pará / Belém
Berna Reale. África, 2015. Divulgação/Itaú Cultural

Berna Reale. África, 2015

Berna Reale (Belém, Pará, 1965). Artista e perita criminal. Usando símbolos universais, constrói obras que questionam a condição humana diante da desigualdade e da violência. Com diferentes meios de expressão, como a performance e a fotografia, usa seu próprio corpo como instrumento de criação, tornando-se parte da obra.

Texto

Abrir módulo

Berna Reale (Belém, Pará, 1965). Artista e perita criminal. Usando símbolos universais, constrói obras que questionam a condição humana diante da desigualdade e da violência. Com diferentes meios de expressão, como a performance e a fotografia, usa seu próprio corpo como instrumento de criação, tornando-se parte da obra.

Licencia-se em artes pela Universidade Federal do Pará em 1996. Começa a dar aulas, mas abandona o magistério. Trabalha em diversas instituições culturais, como o Instituto de Arte do Pará e a Fundação Tancredo Neves.

Seus primeiros trabalhos artísticos surgem depois de fazer cursos práticos de cerâmica e fotografia, nos anos 2000. Em 2009, quando recebe o Grande Prêmio do Salão Arte Pará, começa a se destacar no circuito da arte: participa do programa Rumos Artes Visuais, do Itaú Cultural, em 2011, e recebe, em 2012 e 2013, o Prêmio Pipa.

A violência é tema central na obra de Berna Reale. Não a brutal, mas a que se manifesta em agressões cotidianas, desestruturando a sociedade, humilhando e solapando o indivíduo de forma disfarçada e perversa. A artista evidencia mecanismos insidiosos de perpetuação do poder, manutenção da ordem, exploração do trabalho, colonização, relações de dominação econômica, racial, social ou de gênero. Cada trabalho é autônomo e obedece a um roteiro determinado, a fim de enfatizar elementos simbólicos de impacto visual e conceitual.

Para produzir a instalação Cerne (2006), que expõe imagens de vísceras humanas no mercado Ver-o-Peso, Berna visita necrotérios de Belém, onde registra corpos. Estimulada pela experiência, decide participar de um concurso de seleção para a perícia criminal do Estado do Pará, no qual é aprovada. Começa a exercer a função de perita em 2010. A atividade garante-lhe autonomia financeira para desenvolver seus projetos e, ao mesmo tempo, permite observar de perto os efeitos do tema central de sua pesquisa: o impacto da violência no cotidiano das pessoas. É neste momento que a artista passa a usar a performance como meio de expressão, introduzindo em suas obras um elemento que se torna central: seu próprio corpo.

Com ações e performances minuciosamente concebidas, Berna Reale desvenda aspectos ocultos das relações de poder, de caráter individual ou social. A artista, que se define como uma pesquisadora obcecada, trabalha com projetos bem definidos, com fortes referências simbólicas, personificando signos de grande impacto. Em torno de personagens icônicos e símbolos universais, constrói narrativas imagéticas para discutir questões como violência e desigualdade. Exemplos disso são: Soledade (2013), que retrata uma orgulhosa e patética condutora de biga, vestida com roupas formais e um colar de pérolas, levada não por cavalos elegantes, mas por uma vara de porcos no cenário miserável da periferia; e Quando todos calam (2009), premiado no Arte Pará de 2009, em que se destaca uma espécie de Prometeu moderno, à mercê dos urubus do mercado Ver-o-Peso, em Belém.

Lidando com questões incômodas, Berna trata dos cemitérios clandestinos, em Ordinário (2013), e do valor residual da vida humana na nossa sociedade, em Limite Zero (2012). Ao contrário do que ocorre em muitas performances, o trabalho da artista não valoriza a ação em detrimento dos registros. Fotos e vídeos – suportes finais da obra – não são resíduos memorialísticos ou elogios ao efêmero, mas obras autônomas e potentes, associadas à semiologia e pesquisa estética.

Em 2019, Berna inaugura a exposição Festa, no Viaduto das Artes, em Belo Horizonte. Na instalação O Tema da Festa, a artista reconstrói um ambiente de casa noturna usando luzes de sirenes e uma composição melódica dançante, criada com o áudio de chamadas para centrais de denúncia policial. Na exposição, Berna explora e coloca em discussão a naturalização da violência no cotidiano. Segundo a própria artista, é a intimidade da população com a violência que inspira a criação das salas.

A presença é a centralidade na obra de Berna Reale. Em suas narrativas, transformadas em performances, usa seu próprio corpo como principal instrumento de produção artística, questionando a relação humana por meio de temas sociais.

Obras 1

Abrir módulo
Reprodução Fotográfica Acervo do Artista

O Escuro das Coisas

Objeto - serigrafia sobre acrílico e minério

Exposições 43

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Seminários 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • PIPA. A janela para a arte contemporânea brasileira. Berna Reale, Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.pipa.org.br/pag/berna-reale/. Acesso em: 20 maio 2013.
  • REALE, Berna. Entrevista concedida pela artista Berna Reale, realizada em 14 mar. 2014.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: