Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Isay Weinfeld

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.12.2019
1952 Brasil / São Paulo / São Paulo
Isay Weinfeld (São Paulo, São Paulo, 1952). Arquiteto, designer, cenógrafo e cineasta. Avesso à especialização, extrai referências para sua produção do cinema, da música, das artes e da moda.

Texto

Abrir módulo

Isay Weinfeld (São Paulo, São Paulo, 1952). Arquiteto, designer, cenógrafo e cineasta. Avesso à especialização, extrai referências para sua produção do cinema, da música, das artes e da moda.

Em 1975, forma-se na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie (FAU/Mackenzie). Recém-formado, trabalha com os arquitetos Jacob Ruchti (1917-1974), Lélio Machado Reiner e Aurélio Martinez Flores (1929-2015), de quem se torna sócio até abrir o próprio escritório, no final da década de 1970.

Entre 1974 e 1984, realiza quatorze curtas-metragens em parceria com o colega Márcio Kogan (1952). O último deles, Idos com o Vento (1983), é premiado nos festivais de Gramado, no Brasil, e de Huela, na Espanha. Além de curtas, a dupla filma o longa-metragem Fogo e Paixão (1988), que ironiza os problemas arquitetônicos e urbanísticos de São Paulo.

Ao longo dos anos, o interesse de Weinfeld converge para a arquitetura. Em sua produção, é inspirado pelos corredores infinitos do filme Morangos Silvestres (1957), de Ingmar Bergman (1918-2007), pelo tom púrpura sobre branco das camisas do designer de moda Paul Smith e pela música ritmada e melancólica da banda britânica Radiohead. Apesar da importância dessa diversidade de referências, é notável a influência dos arquitetos Jacob Ruchti e Aurélio Martinez Flores sobre o trabalho de Weinfeld. Como ambos, ele concebe seus projetos a partir do interior, interessado em criar espaços acolhedores ou surpreendentes, conforme o desejo de seus clientes, apreendido em longas conversas no início de cada projeto. O arquiteto se envolve em todas as etapas de construção, da arquitetura ao mobiliário e a outros elementos integrados.

Seus projetos são premiados pelo Departamento Paulista do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/SP) em 2000, 2002, 2004 e 2006, pela VI Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo em 2005 e pela revista inglesa Architectural Review em 2009. Em 2008, são lançados dois livros dedicados à produção residencial do arquiteto, um assinado pelo jornalista Daniel Piza (1970-2011), o outro, pelo arquiteto Raul A. Barreneche.

Alguns de seus projetos são publicados em periódicos nacionais e internacionais e participam da exposição Ainda Moderna? Arquitetura Brasileira 1928-1960, realizada em Paris, em 2005. Em 2006, cria o projeto museográfico da XXVI Bienal Internacional de São Paulo.

Entre os projetos comerciais, merecem destaque dois trabalhos realizados na cidade de São Paulo: o clube Disco (2000), menção honrosa na categoria Arquitetura de Interiores da premiação do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), em 2002, e a sede da loja Havaianas (2007-2009), premiada na segunda edição do World Architecture Festival, realizado em Barcelona, Espanha (2009). 

Para a casa noturna, o arquiteto desenha um longo corredor de acesso, revestido com pastilhas de vidro em tons escuros de cinza, azul-marinho e preto e peças incolores iluminadas por fibra ótica. A solução dá movimento ao espaço e cria a atmosfera lúdica que prepara os clientes para os espaços internos pintados de preto, em que se destacam elementos de cores vivas, como o painel do bar, criado pelos irmãos Campana. 

Essa ambientação noturna contrasta com o espaço solar criado para a loja-conceito das Havaianas, onde o arquiteto recompõe o ambiente praiano. Para isso, cria uma praça que prolonga o espaço da rua e dá acesso à loja, utiliza materiais como a pedra mineira, mistura iluminação natural e artificial e projeta jardins internos.

O prestígio alcançado pelos projetos comerciais não ofusca a dedicação de Weinfeld ao programa residencial. A despeito das especificidades de cada casa, todas têm em comum uma sequência de experiências táteis, visuais e espaciais, que se inicia em fachadas cerradas e longos corredores de acesso até alcançar os espaços de convivência. À semelhança das residências projetadas por Rino Levi (1901-1965), as construções de Weinfeld são introvertidas: abrem-se para amplos jardins internos, longe da agitação urbana e preservando a privacidade familiar. A idealização da casa como recanto aparece também na organização do programa, dividido entre áreas de serviços, junto à entrada principal, áreas de estar e áreas íntimas, resguardadas no andar superior. Vale ressaltar também  a preocupação em conceber ambientes com base no arranjo interno e no mobiliário, o gosto pela abstração e a combinação de cores, texturas e materiais diversos, dos rústicos e naturais aos industriais.

Arquiteto de destaque no cenário nacional, com projetos realizados no Brasil e no exterior, Isay Weinfeld concilia em seus projetos inspirações de diversas áreas com que tem e mantém contato ao longo de sua carreira e desenvolvimento intelectual.

 

Espetáculos 3

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • A CABRA ou Quem É Sylvia. São Paulo: [s.n.], 2008. 1 programa do espetáculo.
  • ACAYABA, Marlene Milan. Branco & Preto: uma história de design brasileiro nos anos 50. Sao Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi, 1994.
  • ACAYABA, Marlene Milan. Branco & Preto: uma história de design brasileiro nos anos 50. Sao Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi, 1994.
  • ANELLI, Renato; GUERRA, Abilio; KON, Nelson. Rino Levi: arquitetura e cidade. São Paulo: Romano Guerra Editora, 2001.
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996.
  • Barreneche, Raul A. Isay Weinfeld. São Paulo: Bei Editora, 2008.
  • FLORES, Aurélio Martinez. Aurélio Martinez Flores: arquitetura. São Paulo: Bei Editora, 2002.
  • Isay Weinfeld conversa sobre seu trabalho. Sempre um Papo. Brasília, mai. 2006. Seção Programas de TV. Disponível em: < http://www.sempreumpapo.com.br/audiovideo/resultado.php?letra=i >. Acesso em: 2 jan. 2011.
  • PIZA, Daniel. Isay Weinfeld. Rio de Janeiro: Viana & Mosley, 2008.
  • SERAPIÃO, Fernando. Aurélio Martinez Flores. Arcoweb, São Paulo, jan. 2009. Seção Entrevista. Disponível em: < http://www.arcoweb.com.br/entrevista/aurelio-martinez-flores-trajetoria-profissional-22-10-2009.html jan. 2009 >. Acesso em: 03 jan. 2011.
  • SILIEC, Yann. Body Buildings. Vogue, Paris, jun./jul. 2005. Isay Weinfeld, São Paulo. Disponível em: < http://www.isayweinfeld.com/site/ >. Acesso em: 3 jan. 2011.
  • WEINFELD, Isay. Arquitetura. Isay Weinfeld, São Paulo. Disponível em: < http://www.isayweinfeld.com/site/ >.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: