Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Hermeto Pascoal

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.08.2020
22.06.1936 Brasil / Alagoas / Arapiraca
Hermeto Pascoal (Arapiraca, Alagoas, 1936). Compositor, arranjador e multi-instrumentista. Destaca-se pela singularidade de sua obra, decorrente da experimentação constante, o que se manifesta na dificuldade de enquadrá-la em qualquer tipologia ou classificação do gênero musical. Em seu repertório, as fronteiras entre a música regional, a nacion...

Texto

Abrir módulo

Hermeto Pascoal (Arapiraca, Alagoas, 1936). Compositor, arranjador e multi-instrumentista. Destaca-se pela singularidade de sua obra, decorrente da experimentação constante, o que se manifesta na dificuldade de enquadrá-la em qualquer tipologia ou classificação do gênero musical. Em seu repertório, as fronteiras entre a música regional, a nacional e a internacional, a popular e a erudita dialogam com intensidade.

Hermeto Pascoal começa a fazer música muito cedo e, desde então, tem sua atenção voltada para os sons da natureza. Seu primeiro instrumento é uma sanfona de oito baixos, que aprende a tocar com o pai e o irmão. Aos 11 anos já se apresenta em rádios e festas populares. Em 1950, aos 14 anos, depois de mudar com a família para o Recife, forma um trio de sanfonas com o irmão e o compositor Sivuca (1930-2006).  

Em 1954, começa a aprender piano e, três anos mais tarde, muda-se para João Pessoa para participar da Orquestra Tabajara. Em 1958, vai para o Rio de Janeiro, onde trabalha como instrumentista na Rádio Mauá. Transfere-se para São Paulo em 1961, aprende a tocar flauta e, integrando vários conjuntos, se apresenta em casas noturnas, como Chicote e Stardust. 

A experiência em São Paulo consolida sua carreira como instrumentista. Nesse período, grava os discos Conjunto Som 4 (1964) e Sambrasa Trio em Som Maior (1966). Participa do conjunto Quarteto Novo – com os músicos Heraldo do Monte (1935), Théo de Barros (1943) e Airto Moreira (1941) –, que acompanha o cantor Edu Lobo (1943) em “Ponteio”, canção vitoriosa no 3º Festival de Música Popular Brasileira da TV Record em 1967. O grupo participa da turnê de Geraldo Vandré e no mesmo ano lança o LP Quarteto Novo, considerado um marco na música instrumental e na criação de uma espécie de vertente nordestina da bossa nova.

Convidado por Airto Moreira e pela cantora Flora Purim (1942), em 1969, Hermeto viaja aos Estados Unidos e inicia uma fase em que se consolida internacionalmente. Lá, grava seu primeiro LP, Hermeto (1970), e participa de gravações com músicos de jazz, como o americano Miles Davis (1926-1991). Este lança o LP Miles Davis Live-Evil (1971) com a participação e duas composições de Hermeto, “Igrejinha” e “Nem um Talvez”. A experiência com grandes nomes da música internacional o leva a uma nova fase, em que predominam as composições próprias e um trabalho bastante experimental. 

Retorna ao Brasil e em 1973 lança seu primeiro LP solo no país, A Música Livre de Hermeto Pascoal. Em 1976, grava Slaves Mass, disco em que realiza as primeiras experiências de "tirar música" dos sons da natureza (como o dos animais, do vento e da água) e dos ruídos de objetos do cotidiano (eletrônicos, chaleira, bacias). Na produção desse disco, Hermeto leva porcos ao estúdio para gravar, e também para participar de seus shows. 

Hermeto tem grande sensibilidade para escutar sons e ruídos em qualquer situação e lugar e capacidade de transformá-los em música logo em seguida. Realiza como poucos essa operação entre o universo mais instintivo e a formação da linguagem. Essa característica permite enquadrá-lo na condição musical que o musicólogo italiano Enrico Fubini (1935) identifica como "natural, instintiva, pré-linguística e não convencional", que é anterior à linguagem da música e, por isso, sempre difícil de definir. 

O músico é premiado duas vezes pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA): melhor solista, em 1972, e melhor arranjador, em 1973. Em 1978, participa do Festival de Jazz de Montreux, na Suíça, que resulta no disco Ao Vivo em Montreux Jazz, lançado em 1979.

A prática de escutar sons e música em qualquer manifestação cotidiana ocorre em experiências inusitadas na vida do músico. Em 1981, cria uma espécie de comunidade em sua casa, no Rio de Janeiro, com o objetivo de aprofundar o fazer musical na convivência diária. Estabelece, assim, uma "oficina familiar", que se transforma em uma escola de formação de instrumentistas, por onde passa, entre outros artistas, o pianista Jovino Santos Neto (1954), que acompanha Hermeto por mais de 15 anos. 

Após inúmeras experiências com os sons da natureza, dos ruídos e da fala, Hermeto desenvolve uma concepção musical que denomina de "som da aura". No disco Lagoa da Canoa, Município de Arapiraca (1984), o músico dá sequência a essa prática e realiza a fusão com a fala dos locutores esportivos (“Vai mais Garotinho” e “Tiruliruli”), o latido de cachorro (“Spock na Escada”) e a "fala" de papagaio (“Papagaio Alegre”). Em Festa dos Deuses (1992), Hermeto aprofunda esse exercício e faz música com o canto do uirapuru, sabiá, galo e marreco e com as falas do poeta e ator Mário Lago (1911-2002) e do ex-presidente Fernando Collor de Melo (1949). Entre 1996 e 1997, obriga-se a compor uma música por dia, criando o Calendário do Som, registrado em pentagrama pela Editora Senac São Paulo em 1999. 

Todo esse processo musical que brota dessa origem "natural e instintiva" é concluído por sua ideia de "som universal", que o impede de circunscrever a música em temas e gêneros. Por ocasião da comemoração de seu septuagésimo aniversário, em 2006 elabora um Songbook com 15 canções, compilado e editado por Jovino Santos Neto. Disponibiliza esse disco na web com distribuição livre. Em 2009, radicaliza essa atitude libertária e abre mão dos direitos sobre 614 composições, incluindo as listadas no Calendário do Som

Hermeto Pascoal, ao valorizar a mistura de sons como elemento central de seu trabalho, espelha a diversidade cultural brasileira e da natureza, e projeta a universalidade de sua música.

Obras 7

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Seminários 1

Abrir módulo

Shows musicais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ARRAIS, Marcos Augusto Galvão. A música de Hermeto Pascoal: uma abordagem semiótica. 2006. 184 f. Dissertação (Mestrado em Semiótica e Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-01082007-144148/publico/TESE_MARCOS_AUGUSTO_GALVAO_ARRAIS.pdf. Acesso em: 5 ago. 2020.
  • BORÉM, Fausto; ARAÚJO, Fabiano. Hermeto Pascoal: experiência de vida e a formação de sua linguagem harmônica. Per Musi, Belo Horizonte, n. 22, jul./dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-75992010000200003. Acesso em: 4 nov. 2019.
  • CAMPOS, Lúcia Pompeu de Freitas, Tudo isso junto de uma vez só: o choro, o forró e as bandas de pífanos na música de Hermeto Pascoal. 2006. 143 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.
  • COSTA-LIMA NETO, Luiz. A música experimental de Hermeto Pascoal e Grupo (1981-1993): Concepção e linguagem. [S.d.]. Dissertação (Mestrado, Programa de música brasileira) – Centro de Letras e Artes, Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.
  • PASCOAL, Hermeto, A música brasileira deste século por seus autores e intérpretes. Programa Ensaio, Fundação Padre Anchieta, CD. São Paulo: SESC-SP, 2001.
  • SILVA, Camila Perez da. A sonoridade híbrida de Hermeto Pascoal e a indústria cultural. 2009. 157 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp114054.pdf. Acesso em: 16 mar. 2011.
  • VILLAÇA, Edmiriam Módolo. O menino Sinhô. Vida e música de Hermeto Pascoal para crianças, São Paulo: Ática, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: