Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Cora Coralina

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.10.2019
20.08.1889 Brasil / Goiás / Goiás
10.04.1985 Brasil / Goiás / Goiânia
Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas (Cidade de Goiás GO 1889 - Goiânia GO 1985). Poeta e contista. Passa a infância e adolescência na Cidade de Góias. Pertencente a uma família de origens aristocráticas, é educada em casa por uma mestre-escola, cursando apenas os quatro primeiros anos primários. Apesar da pouca escolaridade, aos 14 anos começa...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas (Cidade de Goiás GO 1889 - Goiânia GO 1985). Poeta e contista. Passa a infância e adolescência na Cidade de Góias. Pertencente a uma família de origens aristocráticas, é educada em casa por uma mestre-escola, cursando apenas os quatro primeiros anos primários. Apesar da pouca escolaridade, aos 14 anos começa a publicar contos e poemas em periódicos da cidade, valendo-se do pseudônimo Cora Coralina, que adota devido à repressão familiar. Na mesma época frequenta o "Clube Literário Goiano". Durante uma das reuniões conhece o advogado Cantídio Tolentido de Figueiredo Bretas, com quem, em 1911, foge para o interior paulista (os dois só se casariam oficialmente em 1926). Durante os anos que vive com o companheiro, continua escrevendo, porém não publica sua produção. No entanto, contribui com artigos para jornais das regiões de Avaré e Jaboticabal.

Com a morte do marido, em 1934, passa a morar na capital paulista e, para sustentar a si e aos filhos, torna-se vendedora de livros na editora de José Olympio (1902 - 1990). Em 1956, volta para a cidade de origem, tornando-se doceira, profissão que a sustentou até o fim da vida. Em 1965, aos 76 anos, decide publicar pela primeira vez seus escritos (Poemas dos Becos de Goiás e estórias mais) pela mesma editora José Olympio. Em 1983 recebe o título de Doutora Honoris Causa da Universidade Federal de Goiás (UFG), e no mesmo ano torna-se a primeira mulher a vencer o prêmio Juca Pato com o livro Vintém de Cobre - Meias Confissões de Aninha.

Comentário Crítico
O cerne da prosa e da poesia de Cora Coralina reside na memória autobiográfica. Em seus textos, a escritora aborda cenas da infância em sua cidade natal, sobretudo aquelas que se passam no espaço doméstico - como no poema "Antiguidades": "Quando eu era menina/ bem pequena,/ em nossa casa,/se fazia um bolo,/ assado na panela/ com um texto de borralho em cima". O título do poema, aliás, já antecipa que sua matéria será o passado, assim como o título de outros poemas da autora ("Velho sobrado";"O passado...";"Velho"). Pode-se afirmar então que, no caso de Cora Coralina, obra e biografia são elementos indissociáveis, e a figura pública da escritora amalgama-se à da senhora doceira que rememora o passado de menina. Mesmo em suas obras infanto-juvenis, como o Tesouro da Casa Velha, em que são narradas histórias de tom imemorial, envolvendo fantasmas e tesouros escondidos, os contornos biográficos estão presentes: os fantasmas são parentes de Cora, e os tesouros estão escondidos na casa de sua família.

Nesse sentido, a cidade de Goiás - e seu glorioso passado colonial - possui lugar relevante em sua obra, uma vez que Cora associa de forma tenaz a cidade natal e biografia. Por vezes, ao meditar em versos sobre o sobrado familiar (ligado intrinsecamente à história da cidade), o eu lírico parece configurar certa nostalgia das formas de vida do Brasil colônia ("Homens sem pressa,/talvez cansados,/descem com leva/madeirões pesados,/lavrados por escravos/(...)Passantes cautelosos/desviam-se com prudência./Que importa a eles o sobrado?").

Embora não tenha participado ativamente do movimento modernista, a linguagem simples e coloquial e o registro do dado local de Cora Coralina possuem afinidades com a estética surgida com o movimento, evidenciando assim a sincronismo da autora com seu tempo.

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: