Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Jaime Lerner

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.05.2021
17.12.1937 Brasil / Paraná / Curitiba
27.05.2021 Brasil / Paraná / Curitiba
Jaime Lerner (Curitiba, Paraná, 1937 - Idem, 2021). Arquiteto, urbanista e político. Forma-se no curso de engenharia civil da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em 1960. Recém-formado, recebe uma bolsa de estudos na França e estagia no escritório de Georges Candilis (1913-1995), Alexis Josic (1921) e Shadrach Woods (1923-1973), integrantes d...

Texto

Abrir módulo

Jaime Lerner (Curitiba, Paraná, 1937 - Idem, 2021). Arquiteto, urbanista e político. Forma-se no curso de engenharia civil da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em 1960. Recém-formado, recebe uma bolsa de estudos na França e estagia no escritório de Georges Candilis (1913-1995), Alexis Josic (1921) e Shadrach Woods (1923-1973), integrantes do Team X1. Ao retornar ao Brasil, ingressa no Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFPR, formando-se em 1964 e assumindo, em 1975, a sua direção.

Participa da criação do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), em 1965. É responsável pelo desenvolvimento do Plano Preliminar de Urbanismo - mais conhecido como Plano Serete, por ser o nome da empresa que ganhou a concorrência pública com o projeto do arquiteto Jorge Wilheim (1928) - e por seu planejamento desde então. É eleito presidente do departamento paranaense do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/PR), em 1970, que lhe concede anos depois o Colar de Ouro pelo conjunto de sua obra. Em 1971, vence as eleições para a prefeitura de Curitiba, reassumindo o cargo em 1979 e 1989. Em 1994, é eleito governador do Paraná, sendo reeleito em 1998. Durante o segundo mandato, torna-se presidente da União Internacional dos Arquitetos (UIA), cargo que ocupa de 2002 a 2005, e promove, em 2003, o concurso Celebração das Cidades. No mesmo ano, cria o escritório Jaime Lerner Arquitetos Associados e lança o livro Acupuntura Urbana, no qual conceitua seu trabalho. É membro honorário do Instituto Americano de Arquitetos (AIA) e do Instituto Real de Arquitetos Britânicos (RIBA).

 

Análise

Jaime Lerner é um dos principais responsáveis pela mais bem-sucedida experiência de planejamento urbano do país, a cidade de Curitiba. Concebido por Jorge Wilheim (1928), o seu Plano Diretor é desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), entre 1965 e 1966, com a participação de Lerner, entre outros profissionais. O fato de ter sido prefeito da cidade por três mandatos (1971-1975, 1979-1983, 1989-1992) e governador do Paraná por duas gestões consecutivas (1994-2002) dá ao arquiteto maior visibilidade, além de oportunidade de implementar o plano e desenvolver projetos simbólicos, como a Estação-tubo: uma estrutura cilíndrica de aço, revestida por vidros laminados curvos, que tem a mesma dimensão dos coletivos e possui elevadores de acesso para deficientes e idosos, além de pontos de compra de passagem que agilizam o embarque e o desembarque.

Impulsionado pela urbanização que afeta a maioria das capitais brasileiras nos anos 1960, o plano procura resolver os problemas advindos desse processo, dirigindo o crescimento urbano, controlando a poluição e readequando a infraestrutura de transportes, energia, saneamento, abastecimento e drenagem. Para tanto, o plano propõe a criação de dois eixos estruturais, um Nordeste-Sudoeste e outro Leste-Oeste. Desenhados com base no rearranjo e na ampliação da malha viária existente, esses eixos ordenam a circulação e definem as áreas de adensamento e expansão da cidade. Neles circulam ônibus expressos em pistas exclusivas, cujas paradas se dão nas Estações-tubo. Especialmente desenhados para atender uma demanda elevada de passageiros, esses ônibus são o elemento central do Sistema Integrado de Transporte Coletivo de Curitiba, composto ainda de ônibus intrabairros, que levam a população de suas residências aos eixos estruturais, e interbairros, que circulam em anéis paralelos ao centro.

Ainda do ponto de vista da infraestrutura, Lerner investe na preservação e ampliação das áreas verdes, criando parques ao longo dos rios e várzeas da cidade, muitos deles com lagos artificiais, que ajudam no controle de vazão e drenagem das águas, evitando as enchentes. Dentre os programas de controle de poluição, merece destaque a implantação de coleta seletiva em 95% dos municípios paranaenses, com a participação ativa da população.

Afastado da política, Lerner dirige, desde 2003, a Jaime Lerner Arquitetos Associados, empresa dedicada à elaboração de projetos urbanos que possam ser detalhados e implementados pelos gestores locais. Crítico de planos urbanos globais, o arquiteto defende o poder das intervenções pontuais na transformação da cidade, tema que desenvolve em seu livro Acupuntura Urbana (2003). Apesar da mudança de foco, muitos das propostas elaboradas por Lerner recuperam as soluções testadas em Curitiba e, antes dela, a experiência no escritório de Georges Candilis, Alexis Josic e Shadrach Woods, notadamente no projeto para Toulouse le Mirail. Ali, como em Curitiba, e também nas cidades de Oaxaca (2006) e Durango (2007-2008), México; Luanda (2007-2008), Angola; Niterói; Recife; e Santiago do Chile, estão presentes a ênfase no transporte coletivo, na integração dos meios de transporte e, sobretudo, na noção de que a cidade deve ser múltipla e heterogênea, de modo que o trabalho, a moradia e o lazer estejam interligados.

 

Nota

1. Team 10 é o nome dado ao grupo de arquitetos que organizam o décimo Congresso Internacional de Arquitetura Moderna (Ciam), em 1956, propondo a sua extinção. Para saber mais ver: BARONE, Ana Cláudia Castilho. Team 10: arquitetura como crítica. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2002.

Exposições 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 14

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: