Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Sebastião Salgado

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 16.02.2022
08.02.1944 Brasil / Minas Gerais / Aimorés

Sebastião Salgado
Pedro Karp Vasquez, Sebastião Salgado

Sebastião Ribeiro Salgado (Aimorés, Minas Gerais, 1944). Fotógrafo. Considerado uma referência para a chamada Fotografia humanista, Sebastião Salgado além de registros fotográficos sobre diversos hábitos e culturas, denuncia através de seus trabalhos situações de desigualdade social e exploração de diferentes povos ao redor do mundo.

Texto

Abrir módulo

Sebastião Ribeiro Salgado (Aimorés, Minas Gerais, 1944). Fotógrafo. Considerado uma referência para a chamada Fotografia humanista, Sebastião Salgado além de registros fotográficos sobre diversos hábitos e culturas, denuncia através de seus trabalhos situações de desigualdade social e exploração de diferentes povos ao redor do mundo.

Formado em Economia, torna-se mestre na área, em 1967 e doutor, 1971, pela Université de Paris. Antes de iniciar sua carreira na fotografia, trabalha para a Organização Internacional do Café, em Londres. Durante viagem à África, na qual coordena um projeto sobre a cultura do café em Angola, decide tornar-se fotógrafo. 

Suas primeiras experiências se dão no fotojornalismo, momento no qual trabalha para diferentes agências como Sygma, em 1974, e Gamma, entre os anos de 1975 e 1979, enquanto reside em Paris. Nestes trabalhos documenta conturbados acontecimentos sociais e políticos na Europa e na África. Tem passagem pela agência Magnum, onde destaca-se por retratar o atentado sofrido pelo então presidente dos

Estados Unidos da América, Ronald Reagan (1911-2004), em 1981. Permanece na agência entre 1979 e 1994, quando cria sua própria empresa, a Amazonas Imagens. Neste momento suas imagens passam a ganhar aspectos ainda mais humanistas e, desta forma, passa a registrar as condições humanas em diferentes partes do mundo de maneira documental. Realiza viagens pela América Latina entre 1977 e 1984, documentando as condições de vida dos camponeses e indígenas em diferentes países, publicadas no livro Autres Ameriques, de 1986. 

Muitas vezes a fotografia de Sebastião Salgado mescla a beleza dramática da composição em preto em branco com a situação da cena retratada, tendo como pano de fundo a denúncia da situação humana, como é o caso da imagem Refugiados do povoado de Lula chegando ao povoado de Kisesa Zaire (1977), na qual uma criança em situação de desnutrição, envolta em tecidos está no centro da imagem, sendo carregada por um adulto

Ainda em 1986, após seis anos aguardando autorização do exército brasileiro o fotógrafo passa uma temporada em Serra Pelada, famoso garimpo de extração de ouro, localizado no Pará. Durante sua permanência, Sebastião retrata o cotidiano do garimpo de trabalho exploratório, os conflitos e os diferentes sentimentos que envolvem o sucesso e o fracasso na busca pelo metal precioso, através de vistas gerais impactantes do garimpo completamente lotados de pequenos corpos em movimento camuflados pela lama, bem como no rosto de pessoas retratadas.

Tecnicamente, suas fotografias são realizadas sempre em preto e branco e com intenso uso da luz natural, sem a interferência de iluminação ou efeitos artificiais. Além disso, suas obras estão influenciadas pela técnica conhecida como “instante decisivo”, que captura o instante em que todos os elementos constitutivos de uma cena se harmonizam num instante. Esta técnica amplia a dramaticidade da imagem através das expressões e organizações corporais dos retratados.

O universo do trabalho manual e sua exploração humana também são retratados pelo fotógrafo, como em sua série Trabalhadores, realizada entre 1986 e 1992, na qual retrata diferentes tipos de trabalhos manuais em suas viagens. Retoma a temática em 1996, com a publicação de Trabalhadores: uma Arqueologia da Era Industrial, registrando trabalhos penosos em diferentes experiências pelo mundo, como a pesca do atum na Itália e trabalhadores rurais no interior do Brasil.

A relação dos povos com suas terras, seja em permanência ou em diáspora, bem como a forma que o trabalho e as condições de desigualdade social transformam as pessoas, sejam seus corpos, expressões e necessidades, são matéria para os trabalhos de Sebastião Salgado e estão reunidas em outros livros do fotógrafo, como Terra (1997), Migrações (2002) e Êxodo (2013). A relação com a terra também está presente em outras atuações do fotógrafo, com em seu esforço para reflorestar parte da mata atlântica na região do Vale do Rio Doce entre os estado de Minas Gerais e Espírito Santo, desde 1990 junto com sua esposa, a autora Lélia Wanick Salgado (1947) e que dá origem em 1998, ao Instituto Terra, importante reserva natural particular e que para além do trabalho de restauração, também dedica-se a educação sócio-ambiental e pesquisas científicas aplicadas voltadas para a criação de sementes e seus plantios.

Parte intrínseca dessa relação diz respeito à paisagem, já que é através dela que esses povos se organizam e se movimentam. Desta forma, entre 2013 e 2019, o fotógrafo dedica-se a registrar a grandiosidade da natureza amazônica, dando origem à série Amazônia, que traz retratos de comunidades indígenas, da fauna e da flora da floresta.

A figura humana está no centro da produção de Sebastião Salgado e é a partir dela que constrói sua narrativa com a terra, com as práticas culturais e com o universo do trabalho, bem como com suas modificações e necessidades, frente às desigualdades sociais que dividem e maltratam pessoas ao redor do mundo.

Obras 2

Abrir módulo

Exposições 264

Abrir módulo

Feiras de arte 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 22

Abrir módulo
  • 2º Leilão de fotografia. São Paulo: Fundação Abrinq.
  • ALBORNOZ, Carla Victoria. Sebastião Salgado: o problema da ética e da estética na fotografia humanista. Contemporânea, nº4, jan. 2005.
  • CARBONCINI, Anna (coord.). Coleção Pirelli / MASP de Fotografias: v. 1. Versão em inglês Kevin M. Benson Mundy. São Paulo: Masp, 1991.
  • CARNEIRO, Raquel. Sebastião Salgado une aldeias e metrópoles em exposição sobre a Amazônia. VEJA, 11 fev. 2022. Disponível em: https://veja.abril.com.br/coluna/veja-recomenda/sebastiao-salgado-une-aldeias-e-metropoles-em-exposicao-sobre-a-amazonia/. Acesso em: 12 fev. 2022.
  • CONTEMPORARY brazilian photography: a selection of photographs from the collection of Joaquim Paiva. Apresentação João Almino. São Francisco: Center For the Arts Yerba Buena Gardens, 1994.
  • FOTOGRAFIA brasileira contemporânea: uma seleção de fotografias da coleção Joaquim Paiva. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1995.
  • GALEANO, Eduardo. In: Nossa América = Nuestra América: Revista do Memorial da América Latina, São Paulo, n.2, p.92, 199.
  • GORTÁZAR, Naiara Galarraga. Um novo olhar de Sebastião Salgado sobre Serra Pelada. El País. 29 jul. 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/07/26/cultura/1564157673_876694.html. Acesso em: 11 fev. 2022.
  • MORALES, Manuel. Sebastião Salgado: "Foi dito que eu fazia estética da miséria. Ridículo! Fotografo meu mundo. El País. 20 maio 2019. Entrevista. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/20/eps/1558350781_612997.html. Acesso em: 11 fev. 2022.
  • MURITIBS, Maiara. Sebastião Salgado. Mini-currículo. Centro Mario Schenberg de Documentação da Pesquisa em Artes - ECA/USP. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/cms/index.php%3Foption=com_content&view=article&id=67:sebastiao-salgado&catid=14:folios&Itemid=10. Acesso em: 11 fev. 2022. Acesso em: 11 fev. 2022.
  • NEPOMUCENO, Eric. Sebastião Salgado [entrevista]. Nossa América = Nuestra América: Revista do Memorial da América Latina, São Paulo, n.2, p.78-81, 1993.
  • PERSICHETTI, Simonetta. Imagens da fotografia brasileira. São Paulo: Estação Liberdade, 1997.
  • SALGADO, Sebastião. As melhores fotos = The best photos. São Paulo: Boccato Ed., 1992. (As Melhores fotos, 5).
  • SALGADO, Sebastião. Outras Américas. Projeto gráfico Lélia Wanick Salgado; Prefácio Alan Riding. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
  • SALGADO, Sebastião. Sebastião Salgado. Introdução Christian Caujolle. Paris: Centre Nacional de La Photographie, 1993.
  • SALGADO, Sebastião. Terra. Introd. José Saramago. Versos de Chico Buarque. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
  • SALGADO, Sebastião. Trabalhadores: uma arqueologia da era industrial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
  • SALGADO, Sebastião. Workers: an archaeology of the industrial age. Tradução Alan Riding; introdução Eric Nepomuceno. New York: Aperture, 1993.
  • SEBASTIÃO Salgado. Famous Photographers. Disponível em: https://www.famousphotographers.net/sebastiao-salgado. Acesso em: 14 fev. 2022.
  • SEMANA DA FOTOGRAFIA DE CURITIBA, 4., 1994, Paraná, MARIANI, Anna, MASCARO, Cristiano. 4ª Semana da fotografia de Curitiba. Apresentação Orlando Azevedo. Curitiba: FCC, 1994.
  • VASQUEZ, Pedro Karp. Fotografia: reflexos e reflexões. Porto Alegre: L&PM, 1986. (Universidade livre).
  • VASQUEZ, Pedro. Biografia de Sebastião Salgado. Brasil Memória das Artes. Disponível em: https://portais.funarte.gov.br/brasilmemoriadasartes/acervo/infoto/biografia-de-sebastiao-salgado. Acesso em 11 fev. 2022.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: