Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

José Valladares

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.10.2020
1917 Brasil / Bahia / Salvador
1959 Brasil / Bahia / Salvador
José Antônio do Prado Valladares (Salvador, Bahia, 1917 – Idem, 1959). Professor, crítico de arte, escritor e diretor de museu. Forma-se em direito, pela Faculdade de Direito de Recife. Durante a graduação, inicia carreira jornalística no Diário de Pernambuco e torna-se amigo do sociólogo Gilberto Freyre (1900-1987). Em 1939, é nomeado diretor d...

Texto

Abrir módulo

José Antônio do Prado Valladares (Salvador, Bahia, 1917 – Idem, 1959). Professor, crítico de arte, escritor e diretor de museu. Forma-se em direito, pela Faculdade de Direito de Recife. Durante a graduação, inicia carreira jornalística no Diário de Pernambuco e torna-se amigo do sociólogo Gilberto Freyre (1900-1987). Em 1939, é nomeado diretor do antigo Museu do Estado da Bahia – hoje Museu de Arte da Bahia (MAB) –, cargo que ocupa até a morte em 1959. Nesta instituição, José Valladares dedica-se à pesquisa museológica, com destaque para o patrimônio baiano, e realiza mudanças estruturais. Entre elas, a criação da pinacoteca, iniciada com a catalogação da Coleção Abbott[1]. Durante sua gestão, colabora com o diretor do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), Rodrigo Melo Franco de Andrade (1898-1969). Isso viabiliza a inclusão do estado da Bahia nos projetos e debates nacionais  sobre o patrimônio cultural brasileiro[2]. Nesse sentido, Valladares reorganiza o MAB, tornando-o relevante nacionalmente. Na década de 1940, cria o Salão Regional de Belas Artes, evento importante para a consolidação da arte moderna no estado. Em 1943, recebe uma bolsa da Fundação Rockfeller e muda-se para os Estados Unidos. Cursa História da Arte na Universidade de Nova York, faz estágio no Brooklyn Museum e visita diversas instituições. De volta ao Brasil, em 1944, é nomeado professor de estética na Faculdade de Filosofia da Universidade da Bahia e, em 1946, com base nessa experiência, publica Museus para o Povo: um Estudo sobre Museus Americanos[3]. Como crítico de arte, Valladares colabora com importantes jornais da Bahia, como o Diário de Notícias, e escreve crônicas e estudos sobre arte e museologia.

 

Análise

José Valladares é reconhecido por sua produção intelectual nas áreas de artes plásticas, educação e patrimônio. Dedica-se a estudos sobre museologia, à elaboração de obras de referência e à redação de textos sobre arte nacional. No estudo Museus para o Povo, é pioneiro ao ressaltar a necessidade de colocar o museu a serviço do público, como centro de aprendizagem e divulgação cultural[4].Organiza bibliografias sobre arte brasileira, como em Arte brasileira – Publicações de 1943-1953, editada em 1955[5], em que analisa os campos de pesquisa mais desenvolvidos no Brasil, como a arquitetura[6], destaca a fundação de novos museus e coleções e a falta de recursos da diretoria do Sphan para preservação de monumentos. Ainda neste livro, chama a atenção sobre o interesse internacional pela arte brasileira. 

Entre 1948 e 1950, escreve crônicas[7], com o intuito de tornar acessível ao grande público o debate sobre arte. Ao longo de sua carreira como teórico e diretor de museu, Valladares defende um modelo de museu aberto, democrático e interativo. Encontra dificuldade implementar medidas que hoje soam simples, como instituir a catalogação das obras ou abrir o Museu de Arte da Bahia nos fins de semana. Apesar disso, décadas mais tarde, o projeto de Valladares é considerado um exemplo a ser seguido pela museologia moderna brasileira.

 

Notas

1. A Coleção Abott é a primeira coleção particular da Bahia, constituída por quadros de pintores nacionais e estrangeiros reunidos pelo médico inglês Jonathas Abbott (1796-1868) . É adquirida pelo vice-presidente da província da Bahia, Francisco José da Rocha em 1871 e incorporada ao acervo do MAB. José Valladares escreve uma monografia sobre essa coleção: A Galeria Abbott: primeira pinacoteca da Bahia; apresentada no I Congresso de História da Bahia, em 1949.

2. Um dos projetos do Sphan é a elaboração e divulgação de inventários de bens das instituições públicas. Inicia-se no Estado Novo e tem o objetivo de evitar evasão desses bens para o exterior. Para saber mais cf. ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Rodrigo e o Sphan: coletânea de textos sobre o patrimônio cultural. Rio de janeiro: MinC: Fundação Pró-Memória, 1987.

3. VALLADARES, José. Museus para o povo: um estudo sobre museus americanos. Bahia: Secretaria de Educação e Saúde, 1946.

4. De acordo com a curadora Silvia Athayde, em texto da exposição Reencontrar José Valladares – O Mestre, realizada no Museu de Arte da Bahia, em 2010.

5. VALLADARES, José. Arte brasileira: publicações de 1943-1953. Salvador: Centro de Estudos Bahianos, 1955.

6. “Foi possível verificar então, comparando com a representação de diferentes países, que a situação da arte de vanguarda no Brasil é mais ou menos esta: excelente em arquitetura, boa em gravura, razoável em desenho, fraca em pintura, mais fraca ainda em escultura.” Ibidem, p. V.

7. VALLADARES, José. Dominicais: seleção de crônicas de arte 1948-1950. Salvador: Artes gráficas, 1951.

Exposições 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Rodrigo e o Sphan: coletânea de textos sobre o patrimônio cultural. Rio de janeiro: MinC: Fundação Pró-Memória, 1987.
  • ATHAYDE, Sylvia. Texto para a exposição Reencontrar José Valladares – O Mestre. Salvador: Museu de Arte da Bahia (MAB), 2010. Disponível em: http://www.irdeb.ba.gov.br/soteropolis/?p=1744. Acesso em: 04 dez. 2011.
  • CERAVOLO, Suely Moraes. O Museu do Estado da Bahia, entre ideais e realidades (1918 a 1959). Anais do Museu Paulista: história e cultura material, São Paulo, v.19, n.1, p. 189-243, jan./ jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-47142011000100007&script=sci_arttext. Acesso em: 06 dez. 2011.
  • INSTITUTO de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb). MAB Homenageia seu primeiro diretor, José Valladares. Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb), s.d. Disponível em: http://www.irdeb.ba.gov.br/soteropolis/?p=1744. Acesso em: 04 dez. 2011.
  • VALLADARES, José. Arte brasileira: publicações de 1943-1953. Salvador: Centro de Estudos Bahianos, 1955.
  • VALLADARES, José. Dominicais: seleção de crônicas de arte 1948-1950. Salvador: Artes gráficas, 1951.
  • VALLADARES, José. Museus para o povo: um estudo sobre museus americanos. Bahia: Secretaria de Educação e Saúde, 1946.
  • VALLADARES, José. Os azulejos da reitoria. Salvador: Ufba, 1982.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: