Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Pedro Hees

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.09.2014
1841 Alemanha
1880 Brasil / Rio de Janeiro / Petrópolis

Vista geral da cidade, 1867
Pedro Hees

Phillip Peter Hees (Hunsrück, Alemanha, 1841 - Petrópolis, RJ, 1880). Fotógrafo. Filho do colono Christian Hees, chega ao Brasil em 1845, com quatro anos de idade, fixando residência em Petrópolis, Rio de Janeiro. No início da década de 1860, trabalha como artesão e comerciante, exercendo atividades de sapateiro, ferreiro e marceneiro antes de s...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Phillip Peter Hees (Hunsrück, Alemanha, 1841 - Petrópolis, RJ, 1880). Fotógrafo. Filho do colono Christian Hees, chega ao Brasil em 1845, com quatro anos de idade, fixando residência em Petrópolis, Rio de Janeiro. No início da década de 1860, trabalha como artesão e comerciante, exercendo atividades de sapateiro, ferreiro e marceneiro antes de se tornar fotógrafo.

Em meados da década de 1860, começa a trabalhar no álbum Vistas de Petrópolis (ca. 1860-1870) no qual registra as principais vias e construções da cidade. No Almanak Laemmert, de 1868, anuncia seus serviços de fotógrafo e instala um estúdio na Praça de Dom Afonso, atual Praça da Liberdade. Funda com outros colonos a associação cultural Deutscher Sängerbund Eintracht, voltada para a preservação das tradições alemãs em Petrópolis e, em 1870, torna-se secretário da Sociedade Beneficente Alemã Bruderbund. Aproximadamente em 1876, recebe o título de fotógrafo da Casa Imperial.

Trabalha durante toda a carreira em Petrópolis, agitada pela presença frequente da família imperial entre 1874 e 1879. Sua oficina de fotografia figura no Almanak Laemmert como uma das poucas da cidade. Após sua morte, aos 39 anos, seu estúdio é arrendado ao fotógrafo Antonio Henrique da Silva Heitor. Seus filhos - Numa Augusto (1877-1961) e Otto Hees (1870-1941) -, ao atingirem a maioridade, o sucedem à frente do estabelecimento, então sob o nome de Hees & Irmãos.

 

Comentário crítico
Atuando como retratista, Pedro Hees manteve proximidade com a família imperial, comprovada pelos muitos trabalhos de sua autoria presentes nas coleções Thereza Christina e Princesa Isabel. Entre eles figura o retrato Imperador Dom Pedro II (ca. 1875), representado sem a formalidade dos signos da monarquia. Os retratos do filho primogênito da princesa Isabel – Mulher de Costas com D. Pedro de Alcântara (1876) e Mulher com D. Pedro de Alcântara (1876) – demonstram apuro técnico na escolha dos enquadramentos e no tratamento da luz, com grande variedade de tons.

Os trabalhos mais conhecidos de Hees são os dedicados à paisagem. Entre as décadas de 1860 e 1870, produz o álbum Vistas de Petrópolis, (Coleção Thereza Christina, Biblioteca Nacional), composto de 15 fotografias em papel albuminado. Os motivos são quase sempre tomados de um ponto de vista elevado, a grande distância, enfatizando a amplitude do horizonte. As fotografias revelam aspectos da vida social da cidade, como a ocupação e a transformação da paisagem, na qual as construções e a natureza dividem espaço. O álbum inicia com o edifício mais significativo, o Palácio Imperial, pousado sobre um vale, numa composição equilibrada pelo conjunto das montanhas que dirigem o olhar para o centro da imagem. Sucedem-se as fotografias da Igreja Matriz, tomada do jardim do Palácio Imperial, e das principais ruas da cidade. Rua de Dom Affonso exibe uma casa em construção e  Cascata do Itamaraty é a única fotografia que exclui vestígios da presença humana.

Obras 2

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • FABRIS, Annateresa (org.). Fotografia: usos e funções no século XIX. São Paulo: Edusp, 1991. (Coleção texto & arte, 3).
  • FERREZ, Gilberto. A fotografia no Brasil: 1840- 1900. Prefácio Pedro Karp Vasquez. 2. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 1985. 248 p. (História da fotografia no Brasil, 1).
  • KOSSOY, Boris. Origens e expansão da fotografia no Brasil: século XIX. Prefácio Boris Kossoy. Rio de Janeiro: Funarte, 1980. 128 p.
  • MOURA, Carlos Eugênio Marcondes de; LEMOS, Carlos A. C. ; AMARAL, Aracy A; BERNARDET, Jean-Claude (orgs.). Retratos quase inocentes. São Paulo: Nobel, 1983.
  • VASQUEZ, Pedro Karp. Dom Pedro II e a fotografia no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho: Companhia Internacional de Seguros: Ed. Index, 1985.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: