Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Marilena Ansaldi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.07.2021
04.11.1934 Brasil / São Paulo / São Paulo
09.02.2021 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Marilena Ansaldi, s.d

Maria Helena Ansaldi (São Paulo, São Paulo, 1934 – idem, 2021). Atriz e coreógrafa. Pioneira na criação de espetáculos que unem dança, teatro e recursos multimídia, a intérprete-criadora é precursora da dança-teatro no Brasil.

Texto

Abrir módulo

Maria Helena Ansaldi (São Paulo, São Paulo, 1934 – idem, 2021). Atriz e coreógrafa. Pioneira na criação de espetáculos que unem dança, teatro e recursos multimídia, a intérprete-criadora é precursora da dança-teatro no Brasil.

Filha do barítono italiano Paulo Ansaldi e da corista Maria Nazareth da Silva, desde pequena ambiciona ser bailarina, mas a resistência paterna a obriga a postergar a iniciação e, apenas em 1951, entra para a Escola Municipal de Bailado como aluna regular. Em 1952, já chama a atenção com uma dança oriental na ópera Thais e, no ano seguinte, passa à primeira bailarina, quando interpreta solos especialmente criados para ela. Em 1958, afastada da Escola por divergências internas, vê-se obrigada a trabalhar em boates, mas é readmitida e passa a dançar todo o repertório do Corpo de Baile do Teatro Municipal de SãoPaulo. 

Em 1962 participa do Festival da Juventude em Helsinki, na Finlândia, e segue viagem à Rússia, onde obtém bolsa de estudos no Balé Bolshoi. Em 1964 interpreta Zarema, um dos papéis principais da ópera A Fonte, de Baychisaray, e é cumprimentada pelo dirigente soviético Nikita Kruschev (1894-1971), que assiste ao espetáculo.

Volta para o Brasil em 1965, inicia atividades no campo da coreografia e participa de espetáculos de balé moderno dirigidos pela coreógrafa francesa René Gumiel (1913-2006). Em 1966 cria o Balé de Câmara, com Victor Austin, Peter Hayden e Márika Gidali. Como primeiro trabalho do grupo, elabora a coreografia baseada na obra Vestido de Noiva (1943), do escritor Nelson Rodrigues (1912-1980). A partir de 1968, é uma das diretoras da Sociedade Ballet de São Paulo, e cria coreografias sobre as obras A Casa de Bernarda Alba (1945), do dramaturgo espanhol Federico García Lorca (1898-1936), em 1968, e Maria Stuart (1800), do alemão Friedrich Schiller (1759-1805), em 1969.

Lança-se à criação de um espetáculo solo, inspirada em texto que escreve em um momento de crise, Isso ou Aquilo (1975). O diretor israelense Iacov Hillel (1949-2020) ensaia com base na improvisação, tentando encontrar formas para as imagens do roteiro, que trata da libertação das amarras do balé clássico e da procura de uma nova forma de expressão. Isso ou Aquilo estreia no Espaço Galpão, obtém êxito de público e crítica e conquista os prêmios Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA); Molière e Governador do Estado de São Paulo em 1975. Dois anos depois, é apresentado na Itália, na Alemanha e no Festival de Nancy, na França.

Em sua autobiografia, Atos (1994), Marilena descreve: "Escrevi alguma coisa, um texto que falava do que eu havia deixado de ser, do que eu não sabia se poderia ser e das coisas que me amarravam e das quais precisaria me libertar. Vi que aquilo já nascia em forma de roteiro, o esboço de um espetáculo. No dia seguinte, comecei a retrabalhar o texto, com a plena consciência de que estava tentando projetar um espetáculo teatral. Basicamente, era um roteiro visual, com descrição de imagens1.

Seguem-se espetáculos nos quais Ansaldi produz, cria e interpreta com base em roteiro inspirado em outros autores. Um dos maiores sucessos da década de 1970, Escuta, Zé! (1977), parte do livro do psicanalista austríaco Wilhelm Reich (1897-1957), modificado nos ensaios, com a inclusão de depoimentos pessoais dos atores/bailarinos, sob a direção de Celso Nunes (1941). Em 1979 cria Um Sopro de Vida, direção de José Possi Neto (1947), baseado na obra de Clarice Lispector (1920-1977), escritora que volta a inspirá-la em 1989, com A Paixão Segundo G.H., dirigido por Cibele Forjaz (1966)

No autobiográfico Jogo de Cintura (1982), a atriz-criadora conta sua vida entremeada por trechos de seus espetáculos. Em Se (1983), com direção de Roberto Galizia (1952-1985), integrante do Teatro do Ornitorrinco, aborda a condição da mulher, questionando ideias feministas. Em 1987 interpreta um texto teatral, Hamletmachine, do dramaturgo alemão Heiner Müller (1929-1995), com direção de Marcio Aurelio (1948), e, em 1991, com Clitemnestra, da escritora belga Marguerite Yourcenar (1903-1987), aposta no talento do então iniciante diretor Antônio Araújo (1966), consagrado por seu trabalho à frente do Teatro da Vertigem.

Marilena também coreografa espetáculos teatrais, como A Viagem (1972), com direção de Celso Nunes. Participa como atriz das produções da TV Globo Rabo de Saia (1995), com direção de Walter Avancini (1935-2001), e da regravação da novela Selva de Pedra (1986).

Em sua autobiografia, Marilena declara: "Tudo o que construo no teatro me chega através da música. A cor, o espaço e o próprio texto são ditados por uma inspiração musical. E cada música gera sua própria imagem"2.

Marilena Ansaldi é uma artista inconfundível por sua presença cênica, corpo em que dança e teatralidade fundem-se numa expressão dramática própria, que dota suas interpretações de forte impacto emocional, apesar do desenho milimétrico e coreografado de seus movimentos.

Notas:

1. ANSALDI, Marilena. Atos. São Paulo: Maltese, 1994. p. 153.

2. Ibid. p. 15.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 30

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ANSALDI, Marilena. Atos. São Paulo: Maltese, 1994.
  • ANSALDI, Marilena; CHAMIE, Emilie; HILLEL, Iacov. Entrevista concedida a Linneu Dias. São Paulo: Centro Cultural São Paulo / IDART, 1976.
  • Jorge Amado, Angelina Muniz, Dona Flor e Seus Dois Maridos juntos no Brigadeiro. Palco e Platéia, São Paulo, ano 0, julho de 1985. Não catalogado
  • PICASSO E Eu. Direção José Possi Neto. São Paulo, 1982. 1 folder. Programa do espetáculo, apresentado em 1982.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço. Não Catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: