Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Carolina Maria de Jesus

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.03.2021
14.03.1914 Brasil / Minas Gerais / Sacramento
13.02.1977 Brasil / São Paulo / São Paulo
Carolina Maria de Jesus (Sacramento, Minas Gerais, ca.1914 - São Paulo, São Paulo, 1977). Autora de diários, romancista e poeta. Moradora da favela do Canindé, em São Paulo, retrata a região marginalizada com depoimentos que mesclam o cotidiano dos moradores aos próprios sentimentos em relação à desigualdade a que é exposta.

Texto

Abrir módulo

Carolina Maria de Jesus (Sacramento, Minas Gerais, ca.1914 - São Paulo, São Paulo, 1977). Autora de diários, romancista e poeta. Moradora da favela do Canindé, em São Paulo, retrata a região marginalizada com depoimentos que mesclam o cotidiano dos moradores aos próprios sentimentos em relação à desigualdade a que é exposta.

Sua escolaridade se resume aos dois anos em que frequenta o Colégio Allan Kardec, provavelmente em 1923 e 1924. Neste ano, muda-se com os familiares para uma fazenda em Lageado, Minas Gerais, onde trabalham como lavradores. Retorna a Sacramento em 1927, e as dificuldades econômicas a levam a migrar para Franca, São Paulo, em 1930, onde trabalha na fazenda Santa Cruz e, depois, como ajudante na Santa Casa de Franca, auxiliar de cozinha e doméstica.

Em 1937, muda-se para São Paulo em busca de melhores condições de vida. Em 1948, passa a residir na favela Canindé, sobrevivendo como catadora de papel e ferro velho. Em 1958, o jornalista Audálio Dantas (1929-2018) conhece Carolina e interessa-se por seus 35 cadernos de anotações em forma de diário. Publica um artigo sobre ela com trechos dos diários no jornal Folha da Noite1. No ano seguinte, volta a divulgar os trechos na revista O Cruzeiro, e empenha-se na publicação de Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada (1960). O livro, com passagens dos diários de 1955 até 1960, é sucesso editorial2

Na obra, a mulher negra e favelada, com pouca escolaridade, registra seu cotidiano de pobreza e a humilhação a que estão sujeitos os habitantes da favela. As anotações de Quarto de Despejo, embora com descontinuidades cronológicas, apresentam narrativa coesa: cada dia é igual a todos os outros, e a vida é conduzida pela fome e pela luta contra ela. Constata-se que o trabalho precário pereniza a pobreza.

Nos apontamentos diários, oscila entre desânimo e alegria, norteados pela carência de condições materiais para manter a dignidade dela e dos filhos. Carolina Maria de Jesus busca se diferenciar dos outros moradores da favela e deixa documentada a perda da honra daqueles que, excluídos, estão no "quarto de despejo" da cidade. Escrever sobre a favela é uma forma de tentar dar sentido à própria vida e de revelar a miserabilidade originada na modernização dos anos 1950.

O relato é direto e cru, sem temer os temas-tabus, como incestos e relações promíscuas, e o horror que a fome produz. Os recursos da repetição e das frases feitas indicam, no plano do sentido, a imobilidade do mundo social representado. A cada entrada no diário, a autora anota o horário em que acorda, os gastos para se alimentar e vestir os filhos, e o que pode, ou não, acumular em dinheiro. Este, com valor concreto e imediato, quase como um objeto. O lirismo aparece em anotações sobre a natureza, em contraponto à miserabilidade que a atinge.

Fugindo dos cânones do que se considera "literatura" em meios acadêmicos, Quarto de Despejo ultrapassa o simples depoimento. Trata-se de uma obra em que, apesar das condições materiais e culturais da autora, constrói-se como representação da dinâmica social urbana, vista pelo ângulo dos que estão à margem da sociedade. Carolina Maria de Jesus escreve para denunciar a favela e sair dela, e também para, diferenciando-se dos outros moradores, lutar contra o rebaixamento a que estão sujeitos os miseráveis, num momento em que se anuncia um salto modernizador de São Paulo e do Brasil.

Após o sucesso de Quarto de Despejo, em 1961 Carolina muda-se para uma casa que consegue comprar no bairro de Santana e mantém o diário com registros do que lhe acontece ali, editados em Casa de Alvenaria: Diário de uma Ex-favelada (1961). 

Nesta obra, notam-se as contradições da autora quanto ao que deseja para si e a família. Ficam patentes as hesitações sobre os anseios pelo reconhecimento público ou sobre o repúdio pelos mecanismos que dificultam a trajetória como escritora. Essa conjunção ajuda a entender as razões pelas quais a obra é considerada pouco significativa e voltada para o trajeto instável de um indivíduo. Confinada à forma do diário, a autora repete uma fórmula cujo efeito não tem a força reveladora de Quarto de Despejo. A figura da ex-favelada e sua obra são consideradas apenas quando revelam a face negativa do desenvolvimentismo. As oscilações ideológicas da mulher que, famosa, busca a atenção da imprensa e do público não trazem elementos significativos à época.

Em 1963, publica Pedaços da Fome, seu único romance, de pouca repercussão. Em 1969, muda-se para um sítio no bairro de Parelheiros, São Paulo, onde é praticamente esquecida pelo mercado editorial, apesar de tentativas de voltar à cena literária. 

Após sua morte, são editadas obras escritas entre 1963 a 1977, das quais a mais significativa é Diário de Bitita. A obra resgata a força literária da produção de Carolina Maria de Jesus. Traz memórias da infância e adolescência em Sacramento e nas fazendas onde trabalha, e de seus tempos em Franca. A injustiça social, a opressão, o preconceito contra os negros, os abusos dos poderosos são apresentados sob a perspectiva de quem os vive.

Em 2021, a autora é homenageada com o título de Doutora Honoris Causa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), como forma de reconhecer sua importância e inspiração para outras escritoras, como Conceição Evaristo (1946).

Apesar de suas condições materiais, Carolina Maria de Jesus luta para conquistar dignidade e para se constituir como resistência contra a exploração e a desumanização. Sua obra testemunha a luta e opressão a que estão confinados os pobres no Brasil da primeira metade do século XX.

 

Notas:

1. Audálio Dantas desiste da reportagem inicial e passa a escrever sobre Carolina Maria de Jesus e seus diários. No artigo, o repórter anuncia que pretende, junto com um grupo de editores, custear a publicação do livro. Artigo publicado na Folha da Noite, São Paulo, em 9 de maio de 1958, p. 09.

2. A escritora já havia levado seus diários a editoras, que os recusaram, segundo relato presente em: JESUS, Maria Carolina de. Quarto de despejo: Diário de uma favelada.10 ed. São Paulo: Ática, 2014. 

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • ARANHA, Simone da Silva. Sobre Carolina Maria de Jesus, o Quarto de Despejo e a Casa de Alvenaria. Cadernos do IFCH, n. 31. IFCH, Unicamp, 2004.
  • CASTRO, Eliana de Moura; MACHADO, Marília Novais da Mata. Muito bem, Carolina! Biografia de Carolina Maria de Jesus. Belo Horizonte: C/ Arte, 2007.
  • DANTAS, Audálio. Nossa Irmã Carolina. Apresentação à primeira edição. In: JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo. Diário de uma Favelada.
  • FRASSON. Ivana Bocate. Na cozinha, o duro pão; no quarto, a dura cama: um percurso pelos espaços na obra de Carolina Maria de Jesus. Dissertação (Mestrado em Letras). 2016. Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 2016.
  • JESUS, Maria Carolina de. Quarto de despejo: Diário de uma favelada.10ed. São Paulo: Ática, 2014.
  • LAJOLO, Marisa. Poesia no quarto de despejo ou um ramo de rosas para Carolina. In: MEIHY, José Carlos Sebe Bom (Org.). Antologia pessoal. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1996. p. 1-14.
  • LEVINE, Robert; MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Cinderela Negra: A saga de Carolina Maria de Jesus. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1994.
  • MACHADO, Marília Novaes da Mata. Os escritos de Carolina Maria de Jesus: determinações e imaginário. Revista Psicologia Social, Vol. 18, n. 2, Porto Alegre, mai-ago/2006.
  • MAGNABOSCO, Maria M. As vozes marginais de Rigoberta Menchù e Carolina Maria de Jesus. Revista Destaque, 1999.
  • MANFRINI, Bianca Ribeiro. A mulher e a cidade: imagens da modernidade brasileira em quatro escritoras paulistas. 2008. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.
  • MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Carolina Maria de Jesus: emblema do silêncio. Revista USP, São Paulo, n. 37, maio 1998.
  • MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Os Fios dos Desafios: O Retrato de Carolina Maria de Jesus no tempo presente. In: SILVIA, Vagner Gonçalves da (Org.). Artes do corpo - Memória afro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2004.
  • PERPÉTUA, E. D. Traços de Carolina Maria de Jesus: gênese, tradução e recepção de Quarto de Despejo. 2000. Tese (Doutorado em Literatura Comparada). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2000.
  • SOUSA, Germana Henriques Pereira de. De Bitita a Carolina: O destino e a surpresa. Quadrant (Montpellier), v. 24. 2007. p. 299-313.
  • VIANA, Maria José Motta. Do sótão à vitrine: memórias de mulheres. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1995.
  • VOGT, Carlos. Trabalho, pobreza e trabalho intelectual. Carolina Maria de Jesus. In: SCHWARZ, Roberto (Org.). Os Pobres na Literatura Brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1983.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: