Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Erika Fraenkel

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.09.2017
1969 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Erika Fraenkel Cabral (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1969). Cineasta, videoartista, curadora. Participa de salões, mostras e festivais de arte em diferentes cidades. Em 2002, recebe prêmio na 8a Bienal Nacional de Santos pelo vídeo Similóides 2. Por dois anos consecutivos (2003 e 2004), é selecionada para o Prêmio Sergio Motta. 

Texto

Abrir módulo

Biografia

Erika Fraenkel Cabral (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1969). Cineasta, videoartista, curadora. Participa de salões, mostras e festivais de arte em diferentes cidades. Em 2002, recebe prêmio na 8a Bienal Nacional de Santos pelo vídeo Similóides 2. Por dois anos consecutivos (2003 e 2004), é selecionada para o Prêmio Sergio Motta. 

Produz filmes em diversos formatos, entre os quais os curta-metragens 7 Lindos Pratos (2004), Kluh Hulk (2004), Vamos Queimar um Ônibus (2006) e A Alienação Pode Ser Controlada em Doses (2006). Com Indira Dominici (1981) produz Apart – Cisne (2004) e, em colaboração com Beatriz Pontes e Natércia Pontes, realiza Attention Attention (2004).

Como curadora, organiza mostras audiovisuais e exposições de videoarte, com destaque para as feitas em parceria com Carlo Sansolo (1969) – como a Prog:ME (2005), no Centro Cultural Telemar, no Rio de Janeiro (atual Oi Futuro), e a mostra Laisle Entertainment! (2006), para o Paço das Artes, em São Paulo. Essa última desdobra-se em outras mostras, como a Laisle Travelling (2008), para o Waseda University Center for International Education, em Tóquio (Japão), e a Laisle/Nofuture (2009), no Centro Cultural Correios, no Rio de Janeiro.

Análise

Como artista, Erika Fraenkel utiliza a linguagem do vídeo para a construção de obras em diferentes vertentes audiovisuais. Na videoperformance, desenvolve 7 Lindos Pratos, registro experimental em que se vê uma mulher sentada no chão de uma sala vazia quebrando pratos com um martelo. A existência humana e a relação com objetos também é retomada nos curta-metragens Sejamos Todos Bonzinhos (2006), que discute a erotização das sociedades contemporâneas, e Queria Meus Quadris Realmente Presentes (2006), que articula questões sobre a existência em quatro metrópoles sul-americanas. A artista também produz projetos de ficção seriada voltados para linguagem televisiva, como a série Suspyria, selecionada pelo Horror Screenplay and TV Series Contest de 2014, evento realizado pelo Sindicato da Indústria do Audiovisual do Paraná (Siapar) e pela Moro Filmes.

Em seu trabalho como curadora, desenvolvido em parceria com Carlos Sansolo, seleciona trabalhos em videoarte que lidam com linguagens dos meios digitais, como net arte, gamearte e instalações interativas. Nas mostras, debate-se o papel do suporte e da mídia, discussão reforçada por escolhas sobre a forma de exibir os trabalhos. É o caso da seleção feita para o Prog:ME – Programa de Mídia Eletrônica, em que fios e cabos de tomadas ficam expostos para valorizar, como opção estética, os dispositivos que dão suporte às obras, assinalando, também, uma diferença entre arte eletrônica e arte contemporânea.

Exposições 18

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: