Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Peter de Brito

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.08.2021
21.05.1967 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica arquivo do artista

Ex-Jacentes III, 2001
Peter de Brito
Fotomontagem - papel metálico

Peter Paulo Vítor de Brito (Gastão Vidigal, São Paulo, 1967). Artista plástico, fotógrafo, curador e performer. Seu trabalho é caracterizado por temáticas que tencionam as questões de gênero e de identidade étnico-racial na sociedade brasileira.

Texto

Abrir módulo

Peter Paulo Vítor de Brito (Gastão Vidigal, São Paulo, 1967). Artista plástico, fotógrafo, curador e performer. Seu trabalho é caracterizado por temáticas que tencionam as questões de gênero e de identidade étnico-racial na sociedade brasileira.

Muda-se para São Paulo em 1994 e forma-se em artes plásticas em 1997 pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Sua produção é dedicada ao desenho, pintura, performance e fotografia. Como experimentador-fotógrafo – termo que utiliza para definir sua procura ao experimentar procedimentos históricos e tentar criar novas formas para obter imagens no universo da fotografia –, desenvolve trabalhos em séries e em trípticos, como Mimese (2005), no qual a imagem da lavagem das mãos de uma pessoa com vitiligo ilustra a remoção da cor de sua pele numa crítica ao branqueamento da população negra no Brasil.

A obra Autorretratos (2005) consiste em 25 autorretratos transformados em capas de revistas imaginárias e surge do desdobramento de outros trabalhos, nos quais Peter de Brito utiliza imagens e palavras retratando uma autorreflexão a respeito da sua ida para São Paulo, em 1994, quando alguém lhe pergunta o que vai fazer na capital e o artista responde que pretende enriquecer. 

O mundo das aparências é o mote dessa obra. O artista utiliza do travestismo para a construção desse trabalho com a criação do personagem Darcy Dia, uma espécie de mito, que não tem gênero e pode ser tudo o que quiser, e dessa forma transita mais facilmente por todos os contextos sociais. Assim, constrói um personagem que goza do mundo da fama, das aparências, da superficialidade e, consequentemente, do acesso ao universo da arte. Compõe, desse modo, uma sátira à frivolidade das relações humanas. 

O artista participa de exposições coletivas e realiza individuais no Centro Cultural São Paulo SP e na Galeria Emma Thomas, em São Paulo. Em seu trabalho de curadoria, em 2006 e 2007, coordena e organiza as três edições da Feira de Fotografia Captura da Luz, em São Paulo, que promove visibilidade para novos fotógrafos.

Em 2014, idealiza a performance coletiva A Presença Negra, um de seus trabalhos mais importantes. Trata-se de uma performance-ação, que surge de suas indagações ao visitar aberturas de exposições e notar a ausência de afrodescendentes nesses espaços. Sendo ele um artista negro, incomodado com essa ausência, convida o artista visual Moisés Patrício (1984) para elaborarem juntos uma estratégia. Os dois criam uma página em uma rede social e convidam artistas, pesquisadores, jornalistas e demais profissionais ligados ao sistema da arte e seu fomento. 

A ação consiste em ocupar galerias, museus e instituições culturais por um grande número de afrodescendentes, em dia de abertura de exposições. A primeira performance acontece no dia 8 de outubro de 2014, na Galeria Luisa Strina, em São Paulo, durante a exposição da artista Anna Maria Maiolino (1942). Não há manifestações durante a exposição, o ato é uma forma de combate às desigualdades no ambiente das artes numa ação coletiva, além de incentivar a visitação a esses espaços. 

Em 2017, participa da exposição Metrópole: Experiência Paulistana, que reúne em diferentes suportes obras que manifestam as particularidades de viver em São Paulo. 

Peter de Brito também se dedica ao desenho e realiza experimentos de pintura com água sanitária sobre tecido, numa analogia aos processos de branqueamento da cultura e do povo negro. Sua pesquisa reflete sobre os processos de apagamento da identidade afrodescendente na história do Brasil.  

Com uma produção que transita por variadas áreas, Peter de Brito revela em seus trabalhos seu esforço em visibilizar o legado afro na cultura do país, evidenciando a importância de se abordar questões étnico-raciais.

Obras 1

Abrir módulo
Reprodução fotográfica arquivo do artista

Ex-Jacentes III

Fotomontagem - papel metálico

Exposições 13

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • BRITO, Peter de. Peter de Brito. Crato, CE: [s.n.], 2018. Entrevista cedida a Francisca Edivania Barros Gonçalves, pesquisadora do verbete para a Enciclopédia de Artes Visuais do Itaú Cultural.
  • KHOURI, Omar. E Pluribus Unum: as poéticas viso-conceituais de Peter de Brito, um artista da contemporaneidade. Revista :Estúdio, Lisboa, v. 6, n. 11, jun. 2015. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-61582015000100012. Acesso em: 29 nov. 2018.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: