Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Thiago Honório

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.08.2022
20.06.1979 Brasil / Minas Gerais / Carmo do Paranaíba
Reprodução Fotográfica Autoria Desconhecida

[Sem Título], 2000
Thiago Honório

Thiago Henrique de Souza Honório (Carmo do Paranaíba, Minas Gerais, 1979). Artista visual, professor. Trabalhos interdisciplinares e o atravessamento de distintas temporalidades é o que marca a produção do artista. Seu interesse pelo acúmulo, pela falta, pela religiosidade e pelas questões sensíveis provoca a criação de suas obras, as quais reag...

Texto

Abrir módulo

Thiago Henrique de Souza Honório (Carmo do Paranaíba, Minas Gerais, 1979). Artista visual, professor. Trabalhos interdisciplinares e o atravessamento de distintas temporalidades é o que marca a produção do artista. Seu interesse pelo acúmulo, pela falta, pela religiosidade e pelas questões sensíveis provoca a criação de suas obras, as quais reagem ao contexto político e cultural a que estão inseridas.

É graduado em Artes Visuais pela Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), em 2000, mestre (2006) e doutor (2011) em Artes Visuais pela Universidade de São Paulo (USP), atua como professor da Faculdade Armando Álvares Penteado (FAAP) no curso de Artes Plásticas. Sua prática como artista e como educador estão entrelaçadas no fazer de suas obras e nas trocas estabelecidas com o outro.

Diante dessa rotina educacional, surge a obra Títulos (2015), a qual reúne sua prática como educador ao longo dos anos. A obra abriga 190 volumes de trabalhos de conclusão de curso, monografias, dissertações, teses e outros materiais acadêmicos que Honório foi convidado a avaliar durante dez anos. Inseridos como um trabalho escultórico na exposição homônima realizada no Paço das Artes, em São Paulo, a obra confere a visualidade e o volume do exercício de leitura do artista-professor, o qual é silencioso e solitário.

Documents (2012) é fruto de sua residência artística da FAAP na Cité des Arts, em Paris, na França. Durante sua estadia na cidade, Thiago Honório frequenta feiras, vendas de garagem e mercados das pulgas em busca de objetos cortantes de diferentes usos, procedências e temporalidades. Facas, facões, serrotes, machados, foices constituem o trabalho que encontra-se no acervo no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP). O universo laboral se faz presente na memória que esses objetos carregam, servindo como documentos de um passado.

Questões políticas e sociais também atravessam o conjunto dos trabalhos de Honório ao longo de suas duas décadas de produção como artista. Penca (2013/2016) sinaliza novamente o universo do trabalho, reunindo luvas de látex gastas usadas por diferentes profissionais, como pedreiros, pintores, médicos, empregadas domésticas, artistas, entre outros. Unidas umas às outras pelas extremidades, a obra assemelha-se a um cacho e demonstra a união entre esses fazeres tão díspares.

Realiza site-specific que integra o Projeto Parede do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP) com a instalação roçabarroca (2018/2020). A obra reveste o corredor do museu com a técnica de construção antiga pau-a-pique1 muito utilizada no período colonial brasileiro, estando presente na edificação de senzalas, residências e igrejas mineiras, como a Nossa Senhora das Mercês e Perdões, em Ouro Preto e Nossa Senhora do Ó, em Sabará. A obra de Honório presta uma homenagem a mulheres de sua família que viveram em construções dessa natureza e expõe o que, possivelmente, é escondido por trás do reboco e de construções bem acabadas. O título é emprestado do livro homônimo da poeta e tradutora Josely Vianna Baptista (1957), o qual traduz o mito poético de criação do mundo da tribo indígena mbyá-guarani do Guairá2.

O fazer artístico de Thiago Honório também é atravessado pela produção de livros-obras, como {[()]} (2016), Dulcinéia (2017) e Augusta (2017). O primeiro, entre chaves, colchetes e parênteses, é publicado pela editora independente Ikrek e reúne caixas de diferentes épocas e origens, formando um trânsito entre o que está dentro e o que se expande, está fora, entre temporalidades diferentes. O segundo, realizado em colaboração com o coletivo Dulcinéia Catadora, de São Paulo, é uma edição limitada de um livro feito em papelão perfurado e barbante fruto de encontros do artista e as integrantes do coletivo na Cooperativa da Baixada do Glicério (Cooperglicério), no bairro do Glicério, em São Paulo. Augusta propõe-se a mapear a gentrificação da rua Augusta da cidade de São Paulo, conhecida por sua movimentação e intensidade da vida noturna. Uma reunião de anotações, desenhos, mapas e esboços realizados a partir do mesmo ponto de vista: a janela da cozinha de seu apartamento e o parapeito da varanda. Os primeiros desenhos são realizados em 2003, quando o artista mora no local, e um novo mapeamento é realizado em 2017, quando Honório retorna ao local e percebe mudanças, apagamento de históri, especulação imobiliária e gentrificação.

Obras com objetos gastos, usados, apontando para diferentes temporalidades constituem muitos dos trabalhos de Thiago Honório. Sua pesquisa relacionada ao barroco, à imagem de roca3, ao fazer artístico e ao acúmulo provoca o entrecruzamento entre o presente, o passado e o futuro presentes em suas produções, as quais constituem-se como uma obra aberta, capaz de receber diferentes leituras e reações por parte do público.

Notas

1. Pau-a-pique é uma técnica de construção de paredes que utiliza materiais como bambu, cipó e barro.

2. Os mbyá-guarani são um subgrupo do povo guarani que concentra-se em um amplo território entre os países da América do Sul, como Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

3. Imagem de roca são imagens sacras levadas em procissões muito importantes para o culto católico do período barroco.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 57

Abrir módulo

Seminários 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: