Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Weingartner

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
26.07.1853 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
26.12.1929 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Desterro, 1893
Weingartner
Óleo sobre tela, c.i.d.
24,00 cm x 33,00 cm
Coleção Paula e Jones Bergamin

Pedro Weingartner (Porto Alegre RS 1853 - idem 1929). Pintor, gravador, litógrafo, desenhista e professor. Filho de imigrantes alemães, trabalha inicialmente como caixeiro-viajante e depois como litógrafo. Em 1879, viaja por conta própria para Hamburgo, na Alemanha, e estuda no Liceu de Artes e Ofícios. Posteriormente, segue para Karlsruhe, curs...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Pedro Weingartner (Porto Alegre RS 1853 - idem 1929). Pintor, gravador, litógrafo, desenhista e professor. Filho de imigrantes alemães, trabalha inicialmente como caixeiro-viajante e depois como litógrafo. Em 1879, viaja por conta própria para Hamburgo, na Alemanha, e estuda no Liceu de Artes e Ofícios. Posteriormente, segue para Karlsruhe, cursa a Escola de Belas Artes de Baden, onde é aluno de Ferdinand Keller (1842 - 1922), Theodor Poeckh (1839 - 1921) e Ernst Hildebrandt. No início dos anos 1880, viaja para Paris, estuda com Tony Robert-Fleury (1837 - 1911) e William-Adolphe Bouguereau (1825 - 1905), com quem permanece por três anos. Bouguereau solicita ao imperador dom Pedro II (1825 - 1891) uma bolsa para que o jovem possa continuar seus estudos na Europa. Em 1886, Weingartner passa a residir em Roma, onde permanece por longo período. Viaja constantemente ao Brasil e participa de diversas exposições. Realiza mostra individual no Rio de Janeiro, em 1888, com paisagens e cenas de gênero, que são muito elogiadas pelos críticos brasileiros. De volta ao Brasil, em 1891, torna-se professor da cadeira de desenho figurado na Escola Nacional de Belas Artes - Enba, no Rio e Janeiro. Realiza diversas viagens ao sul do país, e explora temas regionais, que se tornam freqüentes em sua produção. Viaja novamente para a Itália, entre 1896 e 1902, e posteriormente, entre 1911 e 1920, realizando constantes viagens ao Brasil. Passa a dedicar-se também à técnica da água-forte, da qual é um dos precursores no país.

Comentário crítico
Filho de imigrantes alemães, Weingartner inicia a formação artística na oficina de litografia de sua família. Em 1879, a fim de se aprimorar, viaja por conta própria para Hamburgo, onde estuda no Liceu de Artes e Ofícios. Em seguida vai para Karlsruhe e estuda na Escola de Belas Artes de Baden, onde tem como professores Ferdinand Keller (1842 - 1922), Theodor Poeckh (1839 - 1921) e Ernst Hildebrandt. Com a transferência desse último para Berlim, acompanha o mestre e ingressa na Academia de Belas Artes. Para o historiador da arte Quirino Campofiorito (1902 - 1993), o contato com esses artistas marca a produção de Weingartner, principalmente em relação à preocupação com detalhes, e confere às suas composições um tratamento minucioso que as aproxima da imagem fotográfica.

No começo da década de 1880, estuda em Paris com Tony Robert-Fleury (1837 - 1911) e William-Adolphe Bouguereau (1825 - 1905). Posteriormente passa a residir em Roma, com subsídio do imperador dom Pedro II (1825 - 1891). O artista viaja constantemente ao Brasil, e expõe no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Porto Alegre. Em 1888, em mostra individual no país, apresenta diversas cenas de gênero e paisagens pintadas na Itália, obtendo muito sucesso.

Entre 1891 e 1896, Weingartner atua como professor de desenho figurado na Escola Nacional de Belas Artes - Enba. Nesse período, realiza diversas viagens ao sul do país, onde começa a explorar motivos regionais, temática que se torna constante em sua produção, como em Chegou Tarde, s.d., Desterro, s.d., Paisagem do Rio Grande do Sul, 1900 ou Ceifa, s.d. Para o historiador da arte Luciano Migliaccio, o artista funda um novo regionalismo na pintura brasileira, apresentando a vida dos imigrantes do Sul do país com sensibilidade. O artista realiza também gravuras em água-forte e litografias com apurada habilidade técnica.

Obras 20

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Derrubada

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Desolada

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

A Pousada

Óleo sobre tela

Exposições 89

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • 30 Mestres da pintura no Brasil: 30 anos Credicard. Curadoria Luiz Marques. São Paulo: Masp, 2001.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ASPECTOS da paisagem brasileira: 1816-1916. Rio de Janeiro: Funarte, 1977. 30 p.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CAMPOS, Cláudia Renata Pereira de. Traçando um ideal: Associação de Artes Plásticas Francisco Lisboa (1938-1945). 2005. 173 f. Dissertação (Mestrado em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC/RS, Porto Alegre, 2005. Não catalogado
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • Fontes biográficas: AYALA, W. Dicionário de pintores brasileiros, 1997; 759.943 P527a; PONTUAL, R. Dicionário das artes plásticas no Brasil (traz 1956 como data de nascimento); LEITE, J.R.T. Dicionário crítico da pintura no Brasil; Sppe1970/p; 759.981034 C198h v.4; 30 Mestres da Pintura no Brasil, São Paulo, 2001; Louzada, vol.13. Não catalogado
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • PFEIFFER, Wolfgang. Artistas alemães e o Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1996.
  • PRECURSORES das artes plásticas no Rio Grande do Sul. Apresentação Carlos Scarinci. Porto Alegre: Riocell, 1981.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: