Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Paulo Lima Buenoz

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 25.10.2019
06.12.1955 Brasil / São Paulo / Marília

Dis-Ease, 1997
Paulo Lima Buenoz
Veludo, pedra britada, pigmento, madeira, espelho, travesseiros, bacia de cerâmica, essência de rosas, líquido anti-séptico

Paulo Roberto de Lima Bueno (Marília, São Paulo, 1955). Artista plástico e professor. Em 1985, forma-se em artes pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). No início da década de 1990, participa de salões e exposições coletivas em São Paulo e Curitiba, exibindo desenhos. Realiza sua primeira mostra...

Texto

Abrir módulo

Paulo Roberto de Lima Bueno (Marília, São Paulo, 1955). Artista plástico e professor. Em 1985, forma-se em artes pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). No início da década de 1990, participa de salões e exposições coletivas em São Paulo e Curitiba, exibindo desenhos. Realiza sua primeira mostra individual em 1991, apresentando a instalação Dejeuner sur l’Herbe ou Da Natureza Afetiva de um Espaço Insólito, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo. Em 1992, expõe, na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), a instalação Branco ou O Visível e o Invisível e, no ano seguinte, apresenta AMAR-ELO, instalação exibida na Itaugaleria, ambas em São Paulo.  Entre 1994 e 1996, vive em Bufallo, Estados Unidos, onde se forma mestre em belas artes (1995), pela State University of New York at Buffalo, além de participar de programa de residência artística no Hallwalls Contemporary Arts Center. Em 1997, realiza mostras individuais no Brasil e no exterior, apresentando instalações e objetos. No mesmo ano, recebe Prêmio Estímulo Embratel pela obra Dis-placement, instalação exibida no Panorama de Arte Brasileira 97, organizado pelo Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em 1998, expõe a instalação O Aprendizado do Desejo diante da Morte Anunciada no Centro Cultural São Paulo (CCSP). Nesse período, apresenta-se com o nome artístico “Paulo Buennos”. É doutor em psicologia (2004) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Desde 2006, leciona na Universidade Federal de Uberlândia (UFU/MG), onde é também Coordenador do Museu Universitário de Arte (MUnA). Entre outubro de 2009 e maio de 2013, ocupa o cargo de diretor do MuNA.

 

Análise

Desde suas primeiras exposições individuais, Buenoz trabalha com diferentes tipos de materiais (tecidos, madeira, pedra) e objetos do cotidiano, como mesas, armários ou malas de viagem. É o caso de Manual de Sobrevivência nº 4 (1999), exibido na  mostra Paulo Buenoz, que condensa aspectos importantes da obra do artista. O mesmo acontece em Instalação e Objetos, exibido no Museu de Arte Contemporânea do Paraná, Curitiba. O trabalho é composto por uma valise aberta, dentro da qual se encontra um travesseiro atado por um cordão de seda, uma maçã sobre o travesseiro e a fotografia de um céu com nuvens na parte superior da mala. São objetos que aludem à intimidade do artista e à experiência da itinerância. A começar pela mala, onde são guardados pertences pessoais indispensáveis, para serem transportados de um lugar a outro. Questões recorrentes são o contraste entre intimidade (com objetos, pessoas e lugares) e itinerância e a dificuldade de criar vínculos que resistam à passagem do tempo.

A configuração dada por Buenoz a seus trabalhos, compondo-os com objetos banais mesclados, por exemplo a frutas, aproxima-se do gênero pictórico da natureza-morta, embora expandida para o espaço da instalação1. Isso amplia o contraste, pois, ainda que indiretamente, remete-no às vanitas, tipo de natureza morta recorrente na história da arte, principalmente entre os séculos XVI e XVII 2. Nas vanitas, é comum a representação de pertences e instrumentos de trabalho do artista ao lado de frutas (às vezes apodrecidas) e de uma caveira. Como nas instalações de Paulo Lima Buenoz, têm-se aí uma maneira alegórica de sugerir o caráter perecível e passageiro do homem e daquilo que o cerca.

 

 

Notas

1. Na mostra Natureza-Morta: Still Life (2004), da qual fez parte Manual de Sobrevivência nº 4, a curadora Katia Canton chama atenção para essa proximidade.

2. Ver, por exemplo, as diversas vanitas realizadas pelo pintor holandês Pieter Claesz (1596/97-1660).

 

Obras 2

Abrir módulo

Dis-Ease

Veludo, pedra britada, pigmento, madeira, espelho, travesseiros, bacia de cerâmica, essência de rosas, líquido anti-séptico

Exposições 42

Abrir módulo

Instalações 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • BUENNOS, Paulo. Absent-presense ou o Aprendizado do desejo diante da morte anunciada: programa de exposições 98. Apresentação Rejane Cintrão. São Paulo : Centro Cultural São Paulo, 1998. 1 folha dobrada il. p.b.
  • BUENNOS, Paulo. Instalação e objetos. Curitiba, PR: MAC/Paraná, 1999.
  • BUENO, Paulo Roberto de Lima. Currículo do artista. Plataforma Lattes, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Disponível em: http://lattes.cnpq.br/1001082305933555. Acesso em: 25 set. 2019
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1997, São Paulo, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1997. São Paulo: MAM, 1997.
  • SALA de Memorias. texto Katia Canton. Buenos Aires: Centro Cultural Recoleta, 2001.
  • SALÃO PARANAENSE, 48., 1991, Paraná, PR. 48º Salão Paranaense. Curitiba: Sala de Exposições-Teatro Guaíra, 1991.
  • SALÃO Pernambucano de Artes Plásticas. Texto Raul Córdula. Recife, 2000. [46] p., il. color. CAT-G PEspap 2000

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: