Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Badi Assad

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.02.2018
23.12.1966 Brasil / São Paulo / São João da Boa Vista

Badi Assad, 1997
Chico Caruso, Badi Assad
Litografia, c.i.d.
22,50 cm x 31,50 cm

Mariângela Assad Simão (São João da Boa Vista, SP, 1966). Violonista, cantora, compositora. Aos dois anos, muda-se com a família para o Rio de Janeiro, onde vive até os 12. Filha do bandolinista Seu Jorge e da cantora Dona Ica, músicos amadores, e irmã caçula dos violonistas Sérgio e Odair, do Duo Assad, cresce num ambiente fortemente musical. C...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Mariângela Assad Simão (São João da Boa Vista, SP, 1966). Violonista, cantora, compositora. Aos dois anos, muda-se com a família para o Rio de Janeiro, onde vive até os 12. Filha do bandolinista Seu Jorge e da cantora Dona Ica, músicos amadores, e irmã caçula dos violonistas Sérgio e Odair, do Duo Assad, cresce num ambiente fortemente musical. Canta acompanhada dos irmãos e tem aulas de piano, mas é ao violão que dedica seus estudos, a partir dos 14 anos. Aos 17, divide com o violonista Fábio Zanon (1966) o primeiro lugar do Concurso Jovens Instrumentistas, e aos 20 é a única finalista brasileira do Concurso Internacional Villa-Lobos. Ingressa no bacharelado em violão na Unirio, mas não chega a se formar.

Em 1989, grava o LP promocional Dança dos tons, em que atua basicamente como violonista, acompanhada por Toninho Carrasqueira (1952), Paulo Bellinati (1950), Sérgio Assad e outros músicos. É o vazio provocado pela ausência desses instrumentistas no show de lançamento do disco que a leva explorar a percussão vocal e corporal, além do canto.

Introduzida pelos irmãos no circuito internacional, tem três gravados em Nova York pelo selo audiófilo Chesky Records: Solo (1994), Rythyms (1995) e Echoes of Brazil (1997). Em 1995, divide com o violinista Juarez Moreira (1954) o disco Instrumental no CCBB, produzido por André Geraissati. Muda-se em 1997 para os EUA, onde lança Chameleon (PolyGram, 1998). Após dois anos sem tocar devido a uma rara doença motora, retorna ao Brasil em 2001. Em 2003, grava nos EUA os discos Nowhere, independente, e Three Guitars (Chesky Records), com Larry Coryell e John Abercrombie, lançado em DVD em 2005, pelo selo alemão Inakustik. Seguem-se Dança das Ondas (GHA Records, Bélgica, 2004), Verde (2004), primeiro álbum lançado no Brasil, Wonderland (2006) e Família Assad: um songbook brasileiro (2007), em que interpreta canções próprias e clássicos da MPB ao lado dos pais, irmãos e sobrinhos. Em 2007, compõe a música do espetáculo infantil Convocadores de estrelas.

Para celebrar 20 anos de carreira, lança pela Biscoito Fino o CD/DVD Badi Assad (2009). Vencedora do Prêmio APCA 2012 de melhor compositora, lança no mesmo ano o álbum Amor e outras manias crônicas, pela YB Music.

Análise

Incluída pela revista britânica Classic Guitar entre os dez violonistas que revolucionariam o instrumento nos anos 1990, ao lado de nomes como Ben Harper e Tom Morello, Badi Assad conquista sólido reconhecimento internacional, mas não chega a desenvolver uma carreira análoga no Brasil. Mesmo atuando ao lado de grandes nomes da música brasileira, como Egberto Gismonti (1944), Naná Vasconcelos (1944-2016), Paulo Bellinati, Rodolfo Stroeter, Simone Soul, Lenine (1959), Marcos Suzano (1963), entre outros, é menos conhecida no país do que no exterior, onde também encontra grandes parceiros, como o cantor Bob McFerrin, o violoncelista Yo-Yo Ma e os guitarristas Jeff Young, Larry Coryell e John Abercrombie.

O fato de ser irmã de dois dos maiores violonistas do mundo não é obstáculo para Badi, que desde muito jovem desenvolve um estilo musical próprio e explora um repertório diferente daquele dos irmãos. Eclética, mescla em seus discos e shows clássicos do repertório violonístico (Villa-Lobos, Egberto Gismonti, Leo Brouwer, Ralph Towner) a novos compositores da música brasileira instrumental (Ulisses Rocha, Marco Antonio Guimarães, Carlinhos Antunes) e cancional (Lenine, Chico Cesar, José Miguel Wisnik). Também propõe a releitura de clássicos da MPB (como Joanna, a francesa, de Chico Buarque, ou O mundo é um moinho, de Cartola) e do pop internacional (a exemplo de One, do U2, ou Bachelorette, de Björk).

Uma fusão de gêneros e estilos pode ser notada em interpretações personalíssimas como a de Vacilão, samba de Zé Roberto originalmente gravado por Zeca Pagodinho (1959). Na versão de Badi, em ritmo de blues, o arranjo de Sérgio Assad revela a impensável proximidade entre o pagode brasileiro e gênero de Chicago, ambos fortemente narrativos. Do mesmo modo, sua versão para Sweet Dreams, de Annie Lennox, transforma a dance music da gravação original numa canção fluida e sensual, com arranjo de Jacques Morelembaum e Carlinhos Antunes (1954).

Começa compor aos poucos, inicialmente com o irmão Sérgio (Toada, Minha aldeia, Rhythms), depois com o ex-marido Jeff Young (Rhythms of the world, Naked, Waterfall) e com músicos brasileiros como Chico César (1954) (Zoar, À primeira vista, Feixe) e Pedro Luís (Saudade verdade sorte). Chega a escrever sozinha algumas canções (como Você não entendeu nada, O que seria e Waves, que fica entre as 10 mais tocadas na Alemanha durante semanas), mas é no trabalho mais recente, Amor e outras manias crônicas, totalmente autoral, que sua verve de compositora desabrocha, revelando um lado mais pop. Suas letras falam de amor, conquistas e desilusões, às vezes por meio de metáforas densas, como em O que seria ("Então, o que seria de mim sem você?/ Labaredas sem o fogo/ Toda a fortuna, sem as regras do teu jogo/ Talvez eu fosse somente lágrima/ Sem te ter para pescador/ Um peixinho perdido num vaso de flor"), outras vezes com leveza e bom-humor, como em Quarto da rainha ("Para chegar ao quarto da rainha/ Tem que percorrer o palácio/ E dependendo do cansaço/ Vai fazer papel de palhaço").

Instrumentista virtuosa, Badi Assad mescla a técnica do violão erudito às sonoridades mais "sujas" e agressivas da música popular, tudo isso somado aos experimentalismos percussivos feitos com a boca e o corpo - o que lhe rende, nos Estados Unidos, o apelido de one woman band. A integração entre voz, percussão corporal e violão pode ser notada em interpretações como a de Asa Branca, gravada no CD Verde.

Obras 39

Abrir módulo

Shows musicais 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • ASSAD, Badi. Site oficial da artista. Disponível em: <www.badiassad.com.br>. Acesso em: 09 maio 2013.
  • CASO, Fabiana. "Made in Brasil". O Estado de S. Paulo, 25/26 de janeiro de 2003. Suplemento Feminino, p. F4.
  • _______. Entrevista a Cristina Coghi. Programa Cesta da Música. Rádio CBN, 19/11/2010. Disponível em: <cbn.globoradio.globo.com>. Acesso em: 15 maio 2013.
  • ________. Verde (Relaese). São Paulo: Universal Music Brasil, 2005.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: