Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Pinto Bandeira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.01.2021
09.03.1863 Brasil / Rio de Janeiro / Niterói
28.08.1896 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Januário Garcia

Lenhador, 1890
Pinto Bandeira
Óleo sobre tela
68,00 cm x 89,00 cm

Antônio Rafael Pinto Bandeira (Niterói, RJ, 1863 - Rio de Janeiro, RJ, 1896). Pintor e professor. Descendente de escravos, ingressa em 1879 na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), no Rio de Janeiro, sendo discípulo do pintor João Zeferino da Costa (1840-1915). Participa regularmente da Exposição Geral de Belas Artes (Egba), sendo contemplado...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Antônio Rafael Pinto Bandeira (Niterói, RJ, 1863 - Rio de Janeiro, RJ, 1896). Pintor e professor. Descendente de escravos, ingressa em 1879 na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), no Rio de Janeiro, sendo discípulo do pintor João Zeferino da Costa (1840-1915). Participa regularmente da Exposição Geral de Belas Artes (Egba), sendo contemplado com os prêmios de menção honrosa em modelo vivo, em 1883; grande medalha de ouro, em pintura histórica, em 1884; e, no ano seguinte, o prêmio Imperatriz do Brasil, criado em 1880 pelo comendador Caetano de Araújo.

Em 1886, realiza exposição pública no edifício da Aiba, exibindo estudos de paisagem. Frequenta a academia até 1887, quando se muda para Salvador por indicação de seu amigo, o pintor Firmino Monteiro (1855-1888). Na capital baiana, produz diversas pinturas da paisagem local e  leciona no Liceu de Artes e Ofícios, onde, em 1889, realiza mostra exibindo 15 quadros de paisagens, marinhas, figuras e temas religiosos. Retorna a Niterói em 1890. Tenta, sem sucesso, fundar uma escola de belas artes na cidade.

Possui obras nos acervos do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), Rio de Janeiro; no Museu Antônio Parreiras, Niterói; e no Museu Afro Brasil (MAB), São Paulo. Postumamente, suas obras integram a mostra antológica A Paisagem Brasileira até 1900, organizada por Rodrigo Melo Franco de Andrade (1898-1969), na 2ª Bienal do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), em 1953.

Análise

Na opinião do crítico e historiador Quirino Campofiorito (1902-1993), embora não tenha sido aluno do pintor alemão radicado no Rio de Janeiro Georg Grimm (1846-1887), um dos mais destacados paisagistas do século XIX no Brasil, Pinto Bandeira pode ser considerado um continuador de seu estilo. Suas paisagens e marinhas exibem uma preocupação descritiva na observação e representação da natureza, resultando em pinturas bastante detalhadas, de luminosidade e cromatismo pouco contrastados, características dos trabalhos de Grimm. Essas qualidades podem ser observadas em obras como Paisagem do Rio de Janeiro ou Marinha (ambas de 1884), pertencentes ao MNBA.

Dedicando-se principalmente à paisagem, exerce também outros gêneros pictóricos como a natureza-morta, o retrato e a pintura de costumes. Nesse último, alcança realizações interessantes como Moça Sentada (1890) e Jovem Adormecida (1891), pertencentes ao Museu Antônio Parreiras. Em ambas as telas o artista se permite uma fatura mais livre e um colorido mais intenso, como no contraste entre o vermelho da blusa e o amarelo da saia, na primeira obra, ou no vestido azul da jovem, na segunda. Nessa, o desenho também ganha em liberdade, especialmente nos ornamentos do papel de parede ao fundo. No entanto, são obras de dimensão intimista, revelando personagens introspectivas, com em Cabeça de Homem (1891). É de interesse notar ainda que, nesses trabalhos, as figuras têm a pele morena, sugerindo a opção do artista por modelos também afrodescendentes, como se nota ainda em Feiticeira (1890), do acervo do MAB.

Obras 7

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Januário Garcia

Lenhador

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica Januário Garcia

Natureza-Morta

Óleo sobre tela

Exposições 18

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1982. 709.81 A163a
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942. R703.0981 B813a
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 759.981034 C198hi
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.1
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. 703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Pintores negros do oitocentos. São Paulo: MWM-IFK, 1988. (Coleção MWM-IFK).
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: