Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Zina Aita

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.04.2022
1900 Brasil / Minas Gerais / Belo Horizonte
1968 Itália / Campânia / Nápoles
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Homens Trabalhando, 1922
Zina Aita
Óleo sobre tela
22,00 cm x 29,00 cm

Tereza Aita (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1900 – Nápoles, Itália 1967). Pintora, ceramista e desenhista. Apesar da curta trajetória no Brasil, Zina Aita, como é conhecida, tem um peso importante na constituição da arte moderna brasileira, sendo considerada a precursora do modernismo em Minas Gerais.

Texto

Abrir módulo

Tereza Aita (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1900 – Nápoles, Itália 1967). Pintora, ceramista e desenhista. Apesar da curta trajetória no Brasil, Zina Aita, como é conhecida, tem um peso importante na constituição da arte moderna brasileira, sendo considerada a precursora do modernismo em Minas Gerais.

Na adolescência, entre 1914 e 1918, estuda na Academia de Belas Artes de Florença com o artista italiano Galileo Chini (1873-1956). Ao retornar ao Brasil, faz contato com os modernistas Manuel Bandeira (1886-1968) e Ronald de Carvalho (1893-1935), além de se tornar amiga da pintora Anita Malfatti (1889-1964) e do escritor Mário de Andrade (1893-1945). Em 1920, realiza a primeira mostra individual em Belo Horizonte e causa polêmica. 

O principal quadro da mostra é O Retrato (1920), que representa o rosto de um garoto no canto direito da tela. A obra se destaca por suas cores fortes, utilizadas de modo inovador, como apontado pela pesquisadora Ivone Luiza Vieira. Segundo ela, a inovação de Zina Aita nesse quadro está em recusar as harmonias cromáticas tradicionais empregadas pelas artes plásticas da época. Além disso, ao articular modernidade e tradição, a pintura explora a dialética fundante do modernismo. O tom de vermelho que se destaca no quadro, por exemplo, aproxima-se daquele utilizado por Manoel da Costa Athaide (1762-1830), considerado um gênio do século XVIII, presente em diversas igrejas de Ouro Preto. De fato, uma das críticas ao quadro são o uso “bizarro” das cores para “ferir” a visão do público, ainda que se reconheça a originalidade da obra1.

Dois anos depois, a artista participa de um dos marcos da arte brasileira: a Semana de Arte Moderna. De suas oito obras que integram a exposição, Homens trabalhando [A sombra] (1922), seu trabalho mais conhecido, tem excelente recepção na exposição. Nele, a pintora apresenta, de um lado, seis homens trabalhando, cujos corpos encurvados se desdobram em suas sombras, e, de outro, apenas uma sombra maior, imponente, que pode remeter a uma figura de poder. 

Empregando a técnica divisionista, cujo principal expoente é o pintor francês Georges Seurat (1859-1891), a tela se destaca por um azul vibrante, em contraste com diferentes tons de marrom presentes nos corpos e nas roupas dos trabalhadores. A crítica de arte Aracy Amaral (1930) considera o quadro como “uma das [obras] mais avançadas da semana” e reproduz alguns depoimentos sobre a semana, entre os quais o de Yan de Almeida Prado (1898-1987), que classifica as obras de Zina Aita como “o melhor da mostra em pintura”2.

Nessa época, a partir de sua aproximação com os modernistas paulistas, realiza ilustrações para a revista Klaxon. Sua produção permanece pouco conhecida, e grande parte de suas obras não é datada. Para alguns estudiosos, sua pintura desse período se aproxima do movimento art nouveau e do pós-impressionismo. Realiza mostra individual na livraria O Livro, em São Paulo, em março de 1922, e participa, no ano seguinte, do 1º Salão da Primavera, no Rio de Janeiro. 

Em 1924, muda-se para a Itália e reside em Nápoles, onde dirige uma fábrica de cerâmica. Nos seis anos seguintes, realiza estudos em Roma, Florença, Milão e Veneza. Na Itália, torna-se conhecida como ceramista, participando de diversas exposições coletivas. Em 1990, o Museu de Arte da Pampulha (MAP) apresenta a mostra Jeanne Milde, Zina Aita: 90 Anos.

Apesar de sua importância para a fundação do modernismo brasileiro, a obra de Zina Aita permanece desconhecida pelo grande público e pouco estudada pela crítica, o que dificulta a compreensão do papel da artista na nossa história. No entanto, percebe-se a originalidade indiscutível da pintora e seu desejo de retratar o Brasil, o que a torna, ao lado de Anita Malfatti e Tarsila do Amaral (1886-1973), uma das grandes pintoras brasileiras.

Notas

1. VIEIRA, Ivone Luzia. Exposições de arte moderna no Brasil do século XX: a dialética dos ciclos. In: Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte, Salvador, 2007. Anais… Disponível em: http://www.cbha.art.br/coloquios/2006/pdf/40_XXVICBHA_Ivone%20Luzia%20Vieira.pdf. Acesso em: 18 set. 2021.

2. Apud VIEIRA, Ivone Luzia. Exposições de arte moderna no Brasil do século XX: a dialética dos ciclos. In: Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte, Salvador, 2007. Anais… Disponível em: http://www.cbha.art.br/coloquios/2006/pdf/40_XXVICBHA_Ivone%20Luzia%20Vieira.pdf. Acesso em: 18 set. 2021.

Obras 4

Abrir módulo
Reprodução Fotográfica Claudio Pulhesi

Friso

Guache sobre papel
Reprodução Fotográfica Romulo Fialdini

Jardineiro

Óleo sobre tela
Reprodução Fotográfica Romulo Fialdini

Sem Título

Aquarela

Exposições 30

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • 100 obras-primas da Coleção Mário de Andrade: pintura e escultura. Curadoria Marta Rossetti Batista. São Paulo: IEB, 1993.
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • AMARAL, Aracy. Artes plásticas na Semana de 22. 5. ed. São Paulo, SP: Editora 34, 1998.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • COLEÇÃO Mário de Andrade: o modernismo em 50 obras sobre papel. Poços de Caldas: Instituto Moreira Salles, 1993.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • FARIA, Ângela. Brasil comemora os 90 anos da Semana de 22, que contou com a presença da pintora mineira Zina Aita. Portal Uai, 12 fev. 2012. Disponível em: https://www.uai.com.br/app/noticia/e-mais/2012/02/13/noticia-e-mais,98767/brasil-comemora-os-90-anos-da-semana-de-22-que-contou-com-a-presenca-da-pintora-mineira-zina-aita.shtml. Acesso em: 18 set. 2021.
  • JEANNE Milde, Zina Aita: 90 anos. Belo Horizonte: Museu de Arte de Belo Horizonte, 1990. 36 p., il. p&b color.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MUSEU DE ARTE MODERNA (SÃO PAULO, SP) (org.). Do modernismo à Bienal. São Paulo: MAM, 1982.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • RIBEIRO, Marília Andrés (org.); SILVA, Fernando Pedro da (org.). Um século de história das artes plásticas em Belo Horizonte. Belo Horizonte: C/Arte, 1997. (Centenário).
  • SCHENBERG, Mario. Pensando a arte. São Paulo: Nova Stella, 1988.
  • SOFFIATI, Arthur. Zina Aita, uma pintora esquecida. Folha 1, Campos dos Goytacazes, 28 jun. 2021. Disponível em: https://www.folha1.com.br/_conteudo/2021/06/artigos/1273508-arthur-soffiati--zina-aita-uma-pintora-esquecida.html. Acesso em: 18 set. 2021.
  • VENTURA, Alexandre. História da arte e Modernismo no Brasil – caso do “desaparecimento” de Zina Aita. Palácio das Artes 50, Belo Horizonte, [s.d.]. Disponível em: https://fcs.mg.gov.br/historia-da-arte-e-modernismo-no-brasil-caso-do-desaparecimento-de-zina-aita/. Acesso em: 18 set. 2021.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: