Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Virgílio Lopes Rodrigues

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.10.2019
09.02.1863 Brasil / Pernambuco / Recife
10.09.1944 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Jangadas à Beiramar
Virgílio Lopes Rodrigues
Óleo sobre madeira, c.i.d.
54,50 cm x 36,20 cm

Virgílio Lopes Rodrigues (Recife, Pernambuco, 1863 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1944). Pintor. Estuda na colônia agrícola Frei Caneca, em Pernambuco, dirigida por religiosos . Antes de completar 20 anos de idade, transfere-se para o Rio de Janeiro com a intenção de matricular-se no Colégio Militar, intuito frustrado devido a uma enfermidade...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Virgílio Lopes Rodrigues (Recife, Pernambuco, 1863 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1944). Pintor. Estuda na colônia agrícola Frei Caneca, em Pernambuco, dirigida por religiosos . Antes de completar 20 anos de idade, transfere-se para o Rio de Janeiro com a intenção de matricular-se no Colégio Militar, intuito frustrado devido a uma enfermidade. Nessa cidade, dedica-se ao comércio de arte, trabalhando no escritório do leiloeiro Joaquim Dias dos Santos, por ocasião da dispersão dos bens da Família Imperial em 1890. Organiza em 1893, ao lado de Eduardo de Sá (1866-1940) e Décio Villares (1851-1931), uma exposição no antigo Paço da cidade do Rio de Janeiro, em benefício do projeto de criação de uma Academia Livre de Belas Artes. No dia de abertura, a exposição é malograda pela eclosão da Revolta da Armada e a Academia não chega a funcionar. Organizando a exposição, Rodrigues toma conhecimento do trabalho de Santa-Olalla (1870-1895), pintor espanhol residente no Rio de Janeiro, com o qual passa a tomar lições de pintura e estabelece estreita amizade. Por incentivo do pintor, frequenta, em meados de 1894, o Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Torna-se um leiloeiro conhecido, dedicando-se paralelamente à pintura. Mantém uma barraca na praia de Copacabana, com materiais para a produção de pinturas, onde recebia artistas como Manuel Faria, Gastão Formenti, Vicente Leite e Artur Lucas, pintores com os quais realiza, em 1926, a Exposição dos Cinco. Apoia a carreira de artistas como Santa-Olalla e Oswaldo Teixeira. Em 1897 participa de sua primeira Exposição Geral de Belas Artes, seguida de muitas outras, chegando a obter a grande medalha de prata na Exposição Geral de 1930.

Análise

Virgílio Lopes Rodrigues, em entrevista ao jornalista Angyone Costa (1888-1954), afirmou ser um artista amador, que conciliava a produção pictórica com o trabalho no comércio 1. Não obstante, dedicou-se avidamente à paisagem marinha, retratando-a do natural. Explorou pequenos formatos, onde seus temas singelos adquirem maior concisão, utilizando mesmo suportes incomuns como ;tampas de caixas de charuto, tal como fizera Castagneto (1851-1900) em suas populares marinhas nas décadas de 1880 e 90.

As marinhas de Rodrigues, em geral, apresentam áreas de grande luminosidade, combinando poucos elementos estruturais e contrastes entre cores complementares. A linha é posta em segundo plano por uma pincelada que sugere discreta inquietação. Esta economia formal e a tendência ao tratamento gestual revelam o impacto das pinturas de Castagneto sobre sua produção, como em Jangadas a beira mar na qual a alta luz domina toda a composição e chega a suprimir as extremidades das figuras desenhadas, sendo a forma muito mais o resultado da sombra que da linha. Percebe-se por outro lado, em menor grau, os ensinamentos de Santa-Olalla (1870-1895) quanto à fatura e à definição dos planos espaciais. Em Igrejinha de Copacabana (1901) é a composição que estrutura a imagem e possibilita a distinção entre os planos. A pincelada é aparente, porém controlada, e o desenho comedido nos detalhes transforma-se em volume apenas nas porções de terra do primeiro plano.

Nota

1. COSTA, Angyone. A inquietação das abelhas. Rio de Janeiro: Pimenta de Mello & Cia., 1927, pp. 201-204

Obras 2

Abrir módulo

Exposições 19

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • COSTA, Angyone. A inquietação das abelhas. Rio de Janeiro: Pimenta de Mello & Cia., 1927, pp. 201-204.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • EXPOSIÇÃO Geral de Belas Artes. Santos Ollala. Gazeta de Noticias, Rio de Janeiro, 23 out. 1894. p.1.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. p. 216-217.
  • IRAJÁ, Hernani. Um artista. A Noite. Rio de Janeiro: 12 abr 1926, p. 5.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • PINTURAS e pintores do Rio Antigo. Rio de Janeiro, 1990, p. 194, 241.
  • RIOS FILHO, Adolfo Morales de los. O Ensino Artístico. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, vol 265, out dez 1964, pp. 100-101.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198). p. 163-164
  • TEIXEIRA, Oswaldo. Virgílio leiloeiro e pintor. Gazeta de Notícias. Rio de Janeiro, 10 nov 1973.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: