Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Nicolas Antoine Taunay

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.05.2022
10.02.1755 França / Ile de France / Paris
20.03.1830 França / Ile de France / Paris
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Retrato de Félix-Emile Taunay
Nicolas Antoine Taunay
Óleo sobre tela
44,50 cm x 36,50 cm

Nicolas Antoine Taunay (Paris, França, 1755 – Idem, 1830). Pintor, ilustrador, professor. Destaca-se pela produção de pinturas com temas brasileiros1, obras bastante importantes para a história da arte no Brasil do século XIX e, sobretudo, para o desenvolvimento da pintura de paisagem no país.

Texto

Abrir módulo

Nicolas Antoine Taunay (Paris, França, 1755 – Idem, 1830). Pintor, ilustrador, professor. Destaca-se pela produção de pinturas com temas brasileiros1, obras bastante importantes para a história da arte no Brasil do século XIX e, sobretudo, para o desenvolvimento da pintura de paisagem no país.

Filho de um pintor da Manufatura Real de Sèvres, ingressa aos 13 anos no ateliê do artista francês François Bernard Lépicié (1698-1755). Posteriormente estuda pintura histórica e de batalha. Dedica-se também ao estudo direto da natureza, pintando os arredores de Paris ou empreendendo viagens de estudo da natureza para países vizinhos. Em 1777, inicia carreira de artista e participa de exposições não oficiais, como as denominadas Jeunesse ou o Salon de la Correspondance. 

Seu trabalho começa a ser notado e, em 1784, recebe o título de agregado da Academia Real de Pintura e Escultura, o que lhe possibilita a participação em salões oficiais. Nesse ano, parte para Roma, onde permanece até 1787 como pensionista no Palácio Mancini, sede da Academia francesa na Itália. Pinta quadros inspirados na paisagem italiana e seu glorioso passado. Retorna à França em 1787 e expõe nos salões parisienses. Mesmo durante a queda da monarquia e a revolução continua praticando a pintura de gênero, histórica e de paisagem e participando dos salões. 

Em 1795 é nomeado membro do Instituto de França. Reintegrado ao Novo Regime, torna-se um dos pintores favoritos do futuro imperador. Durante o império napoleônico executa decorações para a residência real e sobretudo quadros históricos e de guerra com os feitos de Napoleão I e seu exército, sendo convidado a acompanhar a Campanha da Alemanha como pintor. Os reveses históricos, com a queda de Napoleão, colocam Taunay novamente em perigo. Nesse momento é convidado a participar do grupo do intelectual e administrador francês Joachim Lebreton (1760-1819)2.

Com o fim do império napoleônico, vem para o Brasil como integrante da Missão Artística Francesa. Chega ao Rio de Janeiro em 1816, contratado como pintor pensionista do reino português e professor da cadeira de pintura de paisagem na Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, futura Academia Imperial de Belas Artes (Aiba). O objetivo é criar a primeira academia de artes no país. Enquanto essa não é efetivamente instituída, realiza retratos dos herdeiros do trono a pedido da rainha e paisagens do Rio de Janeiro. Largo da Carioca e Morro de Santo Antônio são, ao que tudo indica, as primeiras pinturas com tema brasileiro realizadas pelo artista, em 1816. Percebemos que a novidade da paisagem carioca encanta o artista, contudo sua sólida formação não permite que abandone os cânones clássicos de representação. Surgem paisagens ordenadas, na qual o homem se encontra em harmonia contemplativa com a natureza.

Por outro lado, a luz atmosférica dota de aura misteriosa as paisagens características do Rio de Janeiro (Pão de Açúcar, Outeiro da Glória, Floresta da Tijuca etc.). Taunay não se rende à claridade lancinante dos trópicos. No quadro emblemático Cascatinha da Tijuca, o artista se autorrepresenta ao nascer do sol no exercício do ofício. Pequeno diante de uma natureza monumental, mas domesticada, tem diante de seu cavalete uma bananeira, o símbolo da nova natureza que precisa enfrentar. Mas não há conflitos, a visão contemplativa permanece. Como notou o artista e historiador Carlos Zilio (1944), seus trabalhos minuciosos e de construção ordenada revelam as dificuldades de conciliar a cultura europeia à natureza desconhecida. 

Diante dos rumos tomados pela Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, Nicolas Taunay decide retornar para a França em 1821 após desentendimentos pela nomeação do novo diretor da escola. O artista indica seu filho Félix Émile-Taunay (1795-1881) para substituí-lo nas classes de pintura de paisagem. Outro de seus filhos, o desenhista Adrien Taunay (1803-1828), permanece no Brasil, mas morre em acidente como desenhista da Expedição Langsdorff. De volta à França, Nicolas Taunay retoma os temas históricos e a carreira de sucesso. A fama de Nicolas Taunay na época pode ser estimada pelo quadro Charles X Distribuant des Récompenses aux Artistes, à la Fin du Salon de 1824 (Carlos X distribuindo prêmios aos artistas no final do Salão de 1824), do artista francês François-Joseph Heim (1787-1865), realizado entre 1825 e 1827. Nele, Taunay aparece ao lado de, entre outros, do pintor Jean-Auguste-Dominique Ingres (1780-1867).

Nicolas Taunay deixa um legado de peso e seu trabalho constitui uma das mais importantes representações do solo brasileiro feita por um artista estrangeiro.

Notas

1. Presume-se que o artista francês tenha produzido entre 25 a 40 telas com temas brasileiros. Contudo, somente dezesseis foram identificadas até o momento.

2. Uma primeira versão é a de que o próprio Taunay oferece, em carta de 1816, seus serviços de pintor da corte e preceptor a Dom João VI, já instalado no Rio de Janeiro. Como o convite vinha ao encontro dos desejos do rei de estabelecer uma Academia na nova capital do reino, o artista foi integrado naturalmente à missão de Lebreton. A segunda versão afirma que o próprio Lebreton, perseguido pelo Novo Regime, convida diretamente Taunay para participar da Missão Artística Francesa.

Obras 9

Abrir módulo

Exposições 54

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 21

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos viajantes: A construção da paisagem. São Paulo: Metalivros; Salvador: Fundação Emílio Odebrecht, 1994. v.3.
  • BERGER, Paulo (org.). Pinturas e pintores do Rio antigo. Apresentação de Sérgio Sahione Fadel. Textos de Paulo Berger, Herculano Gomes Mathias e Donato Mello Júnior. Rio de Janeiro: Kosmos, 1990.
  • BOGHICI, Jean (org.). Missão Artística Francesa e pintores viajantes: França-Brasil no século XIX. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Brasil-França, 1990.
  • BÉNÉZIT, Emmanuel-Charles. Dictionnaire critique et documentaire des peintres, sculpteurs dessinateurs et qraveurs: de tous les temps et de tous les pays par un groupe d´écrivains spécialistes français et étrangers. Nova edição revista e corrigida. Paris: Grund, 1976. 10 v.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CARELLI, Mário (org.). Brasil-França: cinco séculos de sedução. Tradução Cláudio Mesquita. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1989.
  • DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira: pintura e esculptura. Introdução Tadeu Chiarelli. Campinas: Mercado de Letras, 1995. (Arte: ensaios e documentos).
  • EULÁLIO, Alexandre. O século XIX. In: TRADIÇÃO e ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1984.
  • HUG, Alfons (org.); JUNGE, Peter (org.); KÖNIG, Viola (org.). Os trópicos: visões a partir do centro do globo. Texto Alfons Hug, Viola König, Peter Junge, Roberto Cabot, Ticio Escobar, Fernando Cocchiarale. Rio de Janeiro: CCBB, 2007.
  • JOUVE, Claudine Lebrun. Nicolas-Antoine Taunay: 1755-1830. Prefácio Pedro Corrêa do Lago. Paris: Arthena, 2003. 448 p., il.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MELLO JUNIOR, Donato. Nicolau Antônio Taunay, percurso da Missão Artística Francesa de 1816. In: Revista do Instituto Geográfico e Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 327, p. 5-18, abr. /jun. 1980.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, São Paulo, SP. O olhar distante. Curadoria Jean Galard, Pedro Corrêa do Lago; assistência de curadoria Mariana Cordiviola; tradução Alain François, Contador Borges, Tina Delia, John Norman, Eduardo Hardman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • SALGUEIRO, Heliana Angotti (coord.). Paisagem e arte: a invenção da natureza, a evolução do olhar. São Paulo: CBHA : CNPq : Fapesp, 2000. 452 p., il. p&b.
  • TAUNAY, Affonso de E. A Missão Artística de 1816. Brasília: Universidade de Brasília, 1983. 332 p. , il. p&b. (Temas brasileiros, 34).
  • ZÍLIO, Carlos. O centro na margem: algumas anotações sobre a cor na arte brasileira In: Gávea, n.10. Rio de Janeiro: PUC, Departamento de História, março 1993.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: