Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Paulo Pedro Leal

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.01.2021
1894 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
28.10.1968 Brasil / Rio de Janeiro / São João de Meriti
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Naufrágio, 1956
Paulo Pedro Leal
Óleo sobre tela, c.i.d.
96,00 cm x 76,00 cm

Paulo Pedro Leal (Rio de Janeiro RJ 1894 - São João do Meriti RJ ca.1968). Pintor. É autodidata. Interessa-se pelos relatos da Primeira Guerra Mundial, pela arte popular e pelo sincretismo religioso da umbanda. Dedica-se ao artesanato, criando brinquedos (navios e casas) e imagens sacras a partir da utilização de madeira e papelão - e, mais tard...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Paulo Pedro Leal (Rio de Janeiro RJ 1894 - São João do Meriti RJ ca.1968). Pintor. É autodidata. Interessa-se pelos relatos da Primeira Guerra Mundial, pela arte popular e pelo sincretismo religioso da umbanda. Dedica-se ao artesanato, criando brinquedos (navios e casas) e imagens sacras a partir da utilização de madeira e papelão - e, mais tarde, modela santos de barro e executa pinturas murais nas paredes centro de umbanda que comanda como pai-de-santo, e em outros terreiros. Em paralelo, faz letreiros para padarias, decoração para carnaval - desde pintura corporal e fantasias, à decoração de carros alegóricos. Entre 1950 e 1956, pinta sobre suportes de papelão utilizando materiais impróprios, como esmalte sintético e alvaiade. É descoberto pelo marchand Jean Boghici durante suas exposições no passeio público do Rio de Janeiro. A partir de então, passa a pintar sobre tela, utilizando tinta a óleo de linhaça.

Obras 2

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Naufrágio

Óleo sobre tela

Exposições 13

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • AQUINO, Flávio de. Aspectos da pintura primitiva brasileira. Rio de Janeiro: Spala, 1978.
  • AQUINO, Flávio de. Aspectos da pintura primitiva brasileira. Rio de Janeiro: Spala, 1978. 759.98106 A6573a
  • ARAÚJO, Emanoel (org.). A Mão afro-brasileira: significado da contribuição artística e histórica. São Paulo, SP: Tenenge, 1988.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DRÄNGER, Carlos (coord.). Pop Brasil: arte popular e o popular na arte. Curadoria Paulo Klein; tradução João Moris, Beatriz Karan Guimarães, Maurício Nogueira Silva. São Paulo: CCBB, 2002. SPccbb 2002/pb
  • FROTA, Lélia Coelho. Mitopoética de 9 artistas brasileiros: vida, verdade e obra. Rio de Janeiro: Funarte, 1978.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral. Artes plásticas Brasil 1999. São Paulo: Júlio Louzada, 1999. v. 11. R702.9 L895a v. 11
  • O MUNDO fascinante dos pintores naifs. Apresentação de Lucien Finkelstein. Textos de Raphael de Almeida Magalhães, Jacques Médecin, Jorge Amado e José Aparecido de Oliveira. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1988.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: