Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Ricardo Barreto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.04.2017
1950 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Ricardo Barreto (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1950). Artista multimídia e filósofo. Forma-se em artes na Faculdade de Belas Artes de São Paulo, em 1980, e, em filosofia, na Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) em 1981. Experimenta diferentes mídias desde os anos 1980: pintura, desenho, perf...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Ricardo Barreto (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1950). Artista multimídia e filósofo. Forma-se em artes na Faculdade de Belas Artes de São Paulo, em 1980, e, em filosofia, na Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) em 1981. Experimenta diferentes mídias desde os anos 1980: pintura, desenho, performances, instalações e vídeos.

Faz sua primeira exposição de pintura Alterações e Resinagem (1983) no Sesc Pompeia e a primeira individual, em 1984, no Centro Cultural São Paulo (CCSP). Participa da 19ª Bienal Internacional de São Paulo com a videoarte Alterus. Faz foto-performance com o fotógrafo Andrés Otero (1961) e o arquiteto Sérgio Martins (1947) no Museu da Imagem e do Som de São Paulo  (MIS/SP) em 1990. No mesmo ano, forma, com Ricardo Woo (1964) e Marina Godoy (1959) o grupo DWG. Realiza  intervenções urbanas, performances e instalações com o grupo até 1996. Desacam-se trabalhos como: 437 Fragmentos (1990) no MIS, Fax Arte Interativa a Paisagem Americana (1991) no Museu de Arte de Bogotá, Colômbia; Virulência no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), Sétima: BWG (1993) no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP); mostra coletiva (1994) na Konzeptual Art Gallery de Munique, Alemanha; Frisbee (1995) em galerias de Nova York e a instalação A Caixa Preta (1996) em vários lugares do mundo.

Em 1997, começa uma parceria com Paula Perissinotto (1963), produzindo trabalhos voltados para a internet, entre os quais: o site Satmundi (1998) e a webarte Cyberdance na mostra Invenção (1999) no Centro Cultural Itaú, São Paulo; o CD-ROM Cyberdance (2000) na 10th International Symposium on Electronic Art (Isea), em Paris, França, e Artemundo, Body e Pathos (2002) no módulo webarte da 25ª Bienal Internacional de São Paulo. Criam o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File), no qual também expõem seus trabalhos. Em 2007, começa parceria com a médica e artista multimídia Maria Hsu (1947) e, em 2008, participa do aMuDi  um grupo de arte e tecnologia nascido na Escola Politécnica da USP. Utiliza a robótica em trabalhos como TransEstruturas (2012)  e Martela (2013).

Análise

A trajetória de Ricardo Barreto começa em 1983, quando, recém-formado, lança a Estética da Alteridade na exposição individual Alterações e Resinagem no Sesc Pompeia. O local, inaugurado em 1982, acolhe a produção e veicula a vanguarda artística focada na performance e no questionamento de linguagens tradicionais. Na mostra, propõe uma arte efêmera, produzida no momento e descartada em seguida, como a pintura performática. Não se preocupa em registrar a ação nem guardar a pintura final. Com isso, reage à mídia massificadora e ao mercado de arte que transforma qualquer proposta em mercadoria.

A segunda fase do trabalho de Barreto dá-se com a formação do grupo DWG que realiza instalações e intervenções urbanas, no Brasil e exterior, com forte carga conceitual e crítica. É o caso de Frisbbe, na qual instala espelhos convexos que refletem o interior de várias galerias de arte da cidade de Nova York para os transeuntes. O último trabalho do grupo é a instalação A Caixa Preta em que caixas com objetos do dia a dia (jornais, revistas, trabalho dos artistas do grupo etc.) são enterradas em cidades diferentes, como cápsulas do tempo e caixas pretas de aviões.

Inicia, em 1997, a sua ação em arte e tecnologia. Abandona as performances e pinturas e produz trabalhos voltados para a internet, até criar o File. Atua, então, como curador e pesquisador. Expõe seus trabalhos, que privilegiam a interatividade lúdica com o usuário, abrangendo instalações, performances interativas, videogames e arte para internet. Além disso, faz o painel de luz led na fachada do edifício da Federação de Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), sede do festival, promovido pelo Serviço Social da Indústria (Sesi). 

Exposições 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: