Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Reis Júnior

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.04.2017
05.04.1903 Brasil / Minas Gerais / Uberaba
1985 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Paisagem do Rio, 1931
Reis Júnior
Óleo sobre tela, c.i.e.

José Maria dos Reis Júnior (Uberaba MG 1903 - Rio de Janeiro RJ 1985). Crítico de arte, historiador, escritor, pintor, vitralista, professor, jornalista. Ingressa na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1920, onde estuda desenho com Modesto Brocos (1852 - 1936) e pintura com Rodolfo Amoedo (1857 - 1941). Três anos depois, desliga-se da Enba...

Texto

Abrir módulo

Biografia

José Maria dos Reis Júnior (Uberaba MG 1903 - Rio de Janeiro RJ 1985). Crítico de arte, historiador, escritor, pintor, vitralista, professor, jornalista. Ingressa na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1920, onde estuda desenho com Modesto Brocos (1852 - 1936) e pintura com Rodolfo Amoedo (1857 - 1941). Três anos depois, desliga-se da Enba e realiza sua primeira exposição individual, no Palace Hotel, no Rio de Janeiro. Expõe, entre outras, a obra A Retirada da Laguna, ca.1922, encomendada para a Câmara Municipal de Uberaba. Faz os painéis e cartões para vitrais do teatro do Parque Balneário, em Santos, São Paulo, em 1923. No ano seguinte, aproxima-se dos intelectuais e artistas ligados à Semana de Arte Moderna. Integra, como crítico, a Comissão Nacional de Belas Artes, entre 1925 e 1935, e leciona desenho na Escola Normal de Uberaba, em 1928. Como bolsista do governo de Minas Gerais, viaja para Paris em 1932, e conhece os pintores Suzanne Valadon (1865 - 1938), Albert Marquet (1875 - 1947) e André Dunoyer de Segonzac (1884 - 1974). Retorna ao Brasil em 1935, e se dedica cada vez mais à atividade de crítica e história da arte. Publica o livro História da Pintura no Brasil, em 1944; e, no Rio de Janeiro, atua como professor no Instituto de Belas Artes, em 1945 e nas Faculdades Integradas Bennet de 1975 a 1981. Como crítico se destaca pela publicação dos livros Goeldi, em 1966, e Belmiro de Almeida 1858-1935, em 1984, editados pela Civilização Brasileira e pela Pinakotheke, respectivamente.

Análise

O pintor, crítico e historiador da arte Reis Júnior ingressa em 1920 na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), onde é aluno de Modesto Brocos (1852 - 1936). Como nota o historiador da arte José Roberto Teixeira Leite, o artista, desde seu desligamento da Enba, em 1923, procura seguir um caminho próprio. Nesse período, realiza o painel histórico Retirada da Laguna, encomendado pela Câmara Municipal de Uberaba.

Em suas paisagens, exclui o descritivismo acadêmico, apresenta interpretações da natureza que tendem à simplificação formal e ao uso de cores contrastantes, como em Baía da Guanabara, s.d. Nos retratos, revela também grande liberdade formal e cromática, como em Retrato de Piolim, 1927. Para Teixeira Leite, a produção do artista merece um reexame crítico, que ressalte o valor de suas obras para o modernismo no brasileiro e o papel que teve na difusão de novas tendências artísticas.

Reis Júnior é mais conhecido como crítico e historiador da arte. Parte para Paris em 1932 e, dois anos mais tarde, de volta ao Brasil, passa a dedicar-se ao estudo sobre as artes no país. Em 1944, publica a História da Pintura no Brasil, obra em que reúne amplo material informativo e fontes de pesquisa, desde o período colonial até a década de 1940, apresentando dados biográficos dos artistas e comentários acerca das principais obras. Em 1966, publica outro importante livro sobre a trajetória de Oswaldo Goeldi (1895 - 1961), artista com quem convive por muitos anos. Em 1984, pouco antes de falecer, lança uma publicação sobre Belmiro de Almeida (1858 - 1935), em que apresenta uma criteriosa análise da produção do artista, resgatando o caráter moderno de sua pintura.

Obras 3

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Paisagem do Rio

Óleo sobre tela

Exposições 14

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • BARDI, Pietro Maria. O modernismo no Brasil. São Paulo: Banco Sudameris, 1978. (Arte e Cultura, 1).
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral. Artes plásticas Brasil 1997: seu mercado, seus leilões. São Paulo: Júlio Louzada, 1997. v. 9. R702.9 L895a v.9
  • O MODERNISMO de 1917 a 1930. São Paulo: Museu Lasar Segall, 1975. 43p. il. p.b.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944. 759.981 R375h
  • REIS JÚNIOR. Belmiro de Almeida 1858-1935. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1984. 120 p., il. p&b. color. (Série prata, 10).
  • REIS JÚNIOR. Belmiro de Almeida 1858-1935. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1984. 120 p., il. p&b. color. (Série prata, 10). 759.981034 Ab447r
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: