Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

José dos Reis Carvalho

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.04.2019
1800 Brasil / Ceará
1893 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro

Igreja de Santana em Dia de Festa
José dos Reis Carvalho
Aquarela sobre papel, c.i.d.
Museu Nacional de Belas Artes/Ibram/MinC

José dos Reis Carvalho (Ceará, ca.1800 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, ca.1893). Pintor, ilustrador, professor e fotógrafo. Aluno do pintor Jean-Baptiste Debret (1768 - 1848) desde 1816. Está na primeira turma (1826) da Academia Imperial de Belas Artes (Aiba). É colega de August Muller (1815-c.1883), José Correia de Lima (1814-57), Manuel de A...

Texto

Abrir módulo

Biografia

José dos Reis Carvalho (Ceará, ca.1800 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, ca.1893). Pintor, ilustrador, professor e fotógrafo. Aluno do pintor Jean-Baptiste Debret (1768 - 1848) desde 1816. Está na primeira turma (1826) da Academia Imperial de Belas Artes (Aiba). É colega de August Muller (1815-c.1883), José Correia de Lima (1814-57), Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806-1879) e Francisco Souza Lobo (ca.1800- ca.1855), entre outros.
Em 1828, torna-se professor substituto de desenho na Escola Militar. É titular em 1831, sendo jubilado em 1865. Participa da 1ª Exposição da Classe de Pintura Histórica da Academia de Belas Artes, em 1829, e, no ano seguinte, da 2ª Exposição. Em meados dos anos 1840, auxilia Porto-Alegre na produção de quadro sobre a Independência do Brasil. Nos anos 1850, realiza séries de aquarelas sobre costumes do Rio de Janeiro. Entre 1859 e 1861, é artista membro da seção de botânica e zoologia da Comissão Científica de Exploração, enviada ao Ceará¹.
Está nas Exposições Gerais de Belas Artes de 1843 (medalha de ouro), 1844 (menção de louvor em segundo grau), 1848 (benemérito da Ordem da Rosa), 1849, 1865 (medalha de ouro) e 1872. Nesse ano, já se apresenta como professor honorário da Academia.
Exerce comercialmente a fotografia e a fotopintura entre 1867 e 1870 (pelo menos), sucedendo o estúdio Chaise². Em 1879, juntamente com Zeferino da Costa (1840 - 1915) e Maximiano Mafra (1823 - 1908), estipula o valor de compra da tela A Batalha dos Guararapes, de Victor Meirelles (1832 - 1903). Estudos recentes mostram que continua a trabalhar até fins de 1880 ou início de 1890, data aproximada da sua morte, contrariando dados mais antigos, que apontavam 1872 como o ano de seu falecimento.

Análise

José dos Reis Carvalho desempenha atividade artística e científica (esta por pouco tempo), ambas ligadas ao seu interesse por um elemento comum: a natureza.

Desde cedo, durante os primeiros anos como aluno de Debret, destaca-se como pintor de naturezas-mortas. O êxito que obtém nesse gênero o leva a ser convidado a participar, como desenhista, da Comissão Científica de Exploração: primeiro intento genuinamente brasileiro nesse campo, no século XIX, sucedendo explorações estrangeiras das quais participaram artistas como Thomas Ender (1793 - 1875) e Charles Landseer (1799 - 1879), entre outros. 

A despeito dessa importante, mas rápida produção, e das raras incursões na pintura de retratos, Reis Carvalho consolida-se, de fato, por sua mestria na produção de naturezas-mortas.

Já na década de 1840, seu colega de trabalho e geração, Manuel de Araújo Porto-Alegre, encontra em sua obra um dos caminhos para a fundação de uma verdadeira "escola brasileira" de pintura. Isso parece ser possível pela fusão visual que, nas suas telas, o pintor faz de elementos naturais (flores e frutos), tidos como a grande riqueza do país, com outros derivados da cultura universal e considerados então representantes das nações mais desenvolvidas (objetos manufaturados como estatuetas, vasos, taças etc.). 

Notas

1. Conforme o historiador Cláudio José Alves "é possível que Manoel de Araújo Porto-Alegre tenha influenciado na escolha de Reis Carvalho como 'desenhador' da Comissão Científica, pois era secretário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro quando, na 8ª sessão de 25 de julho de 1856, os chefes das seções foram incumbidos da indicação de um artista para a expedição". Essa hipótese pode ser reforçada quando se considera que, segundo Dirceu Pinho França, José Carvalho dos Reis teria auxiliado Porto-Alegre na produção do seu quadro sobre a Independência do Brasil, produzido na década de 1840. Ambos, Porto-Alegre e Carvalho, também lecionaram na Escola Militar, no mesmo período.
2. Ou Chaix.

Obras 2

Abrir módulo

Exposições 13

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 37

Abrir módulo
  • ADES, Down. Os Artistas Viajantes, a paisagem e representações do Brasil. In: O Brasil redescoberto. Curadoria Anna Maria Fausto Monteiro de Carvalho, Julio Bandeira, Lorelai Kury, Renato Palumbo Dória, Vera Beatriz Siqueira. Rio de Janeiro: BNDES, 1999.
  • ALFONSO-GOLDFARB, Ana Maria; MAIA, Carlos A. (orgs.). História da ciência: o mapa do conhecimento. Rio de Janeiro/São Paulo: Expressão e Cultura/Edusp, 1995.
  • ALMANAK DO MINISTÉRIO DA MARINHA, organizado pelo respectivo quartel general, pelas diversas estações da repartição. Rio de Janeiro, 1865-1866; 1869-1870.
  • ALMANAK LAEMMERT. Rio de Janeiro, 1867-1870.
  • ALVES, Cláudio José. Ciência e arte em José dos Reis Carvalho: A pintura na Comissão Científica de Exploração ao Ceará (1859 - 1861). Dissertação de Mestrado em História da Ciência, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2006.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ASSIS JÚNIOR, H. Ciência e arte nas pinturas de José dos Reis Carvalho. In 1º Simpósio de Pesquisa em Ensino e História de Ciências da Terra, 2007, Campinas. Atas do 1º Simpósio de Pesquisa em Ensino e História de Ciências da Terra, 2007. v. 1, p. 321-325. Disponível em <http://www.ige.unicamp.br/simposioensino/simposioensino2007/artigos/023.pdf>. Acesso em: 05/04/2013.
  • ASSIS JÚNIOR, H. José Reis Carvalho: obras naturalísticas, etnográficas e naturezas-mortas. In 2º Encontro de História da Arte, 2006, Campinas. Atas do II Encontro de História da Arte no IFCH Unicamp. Campinas : Unicamp, 2006. Disponível em: <http://www.unicamp.br/chaa/eha/atas/2006/DE%20ASSIS%20JUNIOR,%20Heitor%20-%20IIEHA.pdf>. Acesso em: 05/04/2013.
  • BRAGA, Renato. História da Comissão Científica de Exploração. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1962.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CARDOSO, Rafael. José dos Reis Carvalho. In ______. A Arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008. 224 p., il.
  • DEBRET, J. B. Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. São Paulo: Livraria Itatiaia Editora e Edusp, 1978.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DUQUE, Gonzaga. A Arte brasileira: pintura e esculptura. Rio de Janeiro: H. Lombaerts & C., 1888. 254 p.
  • FERNANDES, Cibele Vidal N. "Expedição das borboletas. Coleção José dos Reis Carvalho - Museu D. João VI". In SALGUEIRO, Heliana Angotti. Paisagem e Arte: a invenção da natureza, a evolução do olhar. São Paulo: 2000.
  • FERNANDES, Cibele Vidal N. Os caminhos da arte. O ensino artístico na Academia Imperial das Belas Artes - 1850/1890. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2001, p. 177.
  • FERREZ, GILBERTO. Iconografia do Rio de Janeiro: 1530-1890. Rio de Janeiro: Casa Jorge, 2000. 2 v.
  • FRANÇA, Dirceu Pinho. Manuel de Araújo Porto Alegre e o quadro de sua autoria "Coroação de Dom Pedro II", restaurado no Museu Histórico Nacional. In Ministério da Educação e da Cultura. Anais do Museu Histórico Nacional. Volume XXVI. 1975. p. 37 a 48.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GUIMARÃES, Argeu. História das artes plásticas no Brasil. Revista do Instituto Histórico e Geográphico Brasileiro, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, volume IX, p. 401-497, 1930. Número especial.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO. Retrato de um casal não identificado. No verso: Offerecido a minha Madrinha D. Emilião. Photographia e Pintura de reis Carvalho. r. do Ourives, 2. Rio de Janeiro - iconografia.
  • Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 03 de ago. 1984.
  • KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEVY, Carlos Roberto Maciel. Exposições gerais da Academia Imperial e da Escola Nacional de Belas Artes: período monárquico, catálogo de artistas e obras entre 1840 e 1884. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1990. v.1.
  • MINERVA BRASILIENSE. Rio de Janeiro, 15 de janeiro de 1844.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MUSEU D. JOÃO VI, Oficio da academia imperial de belas artes solicitando nomeação de comissão composta por José dos Reis Carvalho para classificar valor de quadro de Victor Meireles. Rio de Janeiro, 09 de maio de 1879. Mss.: 5580.
  • MUSEU D. JOÃO VI. Oficio da academia imperial de belas artes informando que José dos Reis Carvalho é professor de Pintura a ser apresentado para aula de Paisagem, Flores e Animais. Rio de Janeiro, 18 de dezembro de 1879. Mss.: 4708.
  • O MUSEU HISTÓRICO NACIONAL. São Paulo: Banco Safra, 1989.
  • PORTO-ALEGRE, M. A. Exposição de 1843. Minerva Brasiliense. v. 1, n. 5, jan. de 1844, p. 151.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • VIANA, E. C. Araújo. As Artes Plásticas no Brasil. Revista do do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, Tomo LXXVIII, 1915.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: