Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Regina Casé

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
25.02.1954 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Regina Maria Barreto Casé (Rio de Janeiro RJ 1954). Atriz. Surge e destaca-se no Asdrúbal Trouxe o Trombone, grupo carioca que marca o teatro da década de 1970. Seu estilo irreverente de interpretar - o improviso, a naturalidade que confunde personagem e atriz, a caricatura, o humor e o deboche - define o próprio temperamento do Asdrúbal.

Texto

Abrir módulo

Biografia
Regina Maria Barreto Casé (Rio de Janeiro RJ 1954). Atriz. Surge e destaca-se no Asdrúbal Trouxe o Trombone, grupo carioca que marca o teatro da década de 1970. Seu estilo irreverente de interpretar - o improviso, a naturalidade que confunde personagem e atriz, a caricatura, o humor e o deboche - define o próprio temperamento do Asdrúbal.

Filha do ator e diretor Geraldo Casé e neta do radialista Ademar Casé, estuda no colégio de freiras Sacre-Couer de Marie, no Rio de Janeiro, onde tem suas primeiras incursões em teatro. Faz curso com Sergio Britto de 1970 a 1971. Em 1972, conhece Hamilton Vaz Pereira e fundam o Asdrúbal Trouxe o Trombone, do qual Hamilton é o diretor de todas as realizações. Destacam-se, em seu repertório, o espetáculo de estréia do grupo, adaptação de O Inspetor Geral, de Nikolai Gogol, 1974, em que Regina ganha o Prêmio Governador do Estado como atriz revelação, e a primeira peça de criação coletiva, Trate-me Leão, 1977, que lhe vale o Prêmio Molière de melhor atriz.

Atua ainda no Asdrúbal em Aquela Coisa Toda, texto final de Hamilton Vaz Pereira, 1980, e em A Farra da Terra, de Hamilton, 1983. No ano seguinte, o grupo encerra suas atividades.

Em carreira individual, volta aos palcos do Rio de Janeiro e São Paulo em 1988, no monólogo Nardja Zulpério, escrito e dirigido pelo parceiro Hamilton. Gradativamente, vai ganhando espaço na mídia, com participação em filmes, como Eu Te Amo, de Arnaldo Jabor, 1980; Corações a Mil, de Tom Job Azulay, 1982; Cinema Falado, de Caetano Veloso, 1986; e Eu, Tu, Eles, de Andrucha Waddington, 2000, primeiro trabalho no cinema como protagonista. Desenvolve carreira na televisão, atuando em novelas e, posteriormente, encabeçando os programas TV Pirata, 1988, Brasil Legal, 1997, e Muvuca, 1999.

Dona de um histrionismo particular, Regina Casé e Luiz Fernando Guimarães, seu colega do Asdrúbal Trouxe o Trombone, representam uma safra especial de atores, que não são exclusivamente comediantes, mas têm no gênero suas maiores atuações. Sintetizando um estilo de interpretação baseado no improviso e em não temer a exposição ao ridículo, fazem da "espontaneidade" o grande recurso para atingir seu público.

Espetáculos 13

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • 20 PERGUNTAS para Regina Casé. Play Boy, Rio de Janeiro, n. 90, jan. 1983.
  • CALDEIRA, Dulce. O retrato impossível da camaleoa. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 7 maio 1988.
  • CASÉ, Regina. Rio de Janeiro: CEDOC / Funarte. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.
  • LACERDA, Marco Antônio de. Regina Casé, premiada intérprete de si mesma. O Globo, Rio de Janeiro, 10 out. 1978.
  • MAFRA, Antônio. Regina Casé: uma atriz pirata. Visão, São Paulo, 2 nov. 1988.
  • MARINHO, Flávio. Regina Casé, atriz de Trate-me leão: não sou nem quero ser uma estrela. O Globo, Rio de Janeiro, 20 jun. 1977.
  • PACCE, Lilian. Regina Casé: sou uma camaleoa, não tenho personalidade. Desfile, São Paulo, n. 166, jul. 1983.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: