Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Luiz duVa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.08.2018
1965 Brasil / São Paulo / São Paulo
Luiz Duva (São Paulo, São Paulo,1965). Artista experimental em novas mídias, VJ, realizador de vídeos, documentários, videoinstalações e performances. Na adolescência, atua profissionalmente como jogador de vôlei por quase dez anos. A atividade física forma o repertório sensorial e a consciência corpórea para pesquisas futuras em relação à image...

Texto

Abrir módulo

Biografia 

Luiz Duva (São Paulo, São Paulo,1965). Artista experimental em novas mídias, VJ, realizador de vídeos, documentários, videoinstalações e performances. Na adolescência, atua profissionalmente como jogador de vôlei por quase dez anos. A atividade física forma o repertório sensorial e a consciência corpórea para pesquisas futuras em relação à imagem, pelo modo como aborda a questão do corpo e seus limites. Na captura de cenas em vídeo, no início de carreira, utiliza o repertório pessoal para desenvolver sua poética. Forma-se em Rádio e TV pela Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), durante os anos 1980. O interesse por narrativas, constante nas obras iniciais, assume posição periférica nas décadas seguintes: a narrativa passa ser o tema e não o objetivo a ser alcançado. O vídeo The Bodyman Lost in Heaven (1996), apesar do caráter ficcional, é o ponto de partida para projetos de instalação.

A partir dos anos 2000, pesquisa o que chama de “live images”, sua definição da experiência performática imersiva, composta por sons e imagens, gerados, executados e manipulados em tempo real. No contato entre videoarte e música eletrônica, também vincula ato performático à investigação sobre o corpo. Utilizando a dança e a música, Duva amplia definições estéticas: imagens pré-gravadas constroem novos sentidos, sem se ater a percursos narrativos na edição ao vivo.

Duva trabalha com projetos multimídia (videoinstalações, performances, composições audiovisuais) e conquista diversos prêmios nos anos 2000, como diretor artístico e editor, em festivais de arte eletrônica e de artes visuais. Entre as premiações, destacam-se: Prêmio Artes Visuais do 9o Festival Cultura Inglesa (2005); Prêmio Bolsa Fomento de Produção do 6º Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia (2005); Prêmio de Criação Audiovisual Le Fresnoy, França (2006-2007); Prêmio Programa de Ação Cultural de Novas Mídias (PAC), oferecido pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo (2006, 2007, 2008); e, pelo Itaú Cultural, Rumos Cinema e Vídeo (2009/2010), na categoria Eventos Multimídia.

Análise

A pesquisa sobre questões sensoriais leva o artista a se interessar por eventos de música eletrônica, as chamadas raves. A pista de dança passa a ser um laboratório em que composições audiovisuais são exploradas pela capacidade de imersão e improvisação, com incentivo à interação do público.

A videoinstalação INSPIREme (1999) apresenta uma moça respirando, ao emergir e submergir na água, em uma TV de plasma na posição vertical, instalada como uma pintura.

Em sua pesquisa poética, Luiz Duva reorganiza pulsões, e os sentidos orquestram-se com a imprevisibilidade e interatividade das performances. Partindo de experimentações audiovisuais, segue para instalações e performances, baseado no que chama de partituras audiovisuais, ou seja, um guia descritivo dos passos durante a apresentação. A obra em que primeiro utiliza esse recurso é a performance Desconstruindo Letícia Parente (2003). Nela, estabelece diálogo imagético com a obra Marca Registrada, de Letícia Parente (1930-1991), uma das primeiras artistas a produzir videoarte no Brasil. Utiliza uma cópia do vídeo em que a artista borda, na planta de seus pés, a expressão “Made in Brazil”. Duva reforça a ação do tempo, aplicando sobreposições digitais dos defeitos que a cópia apresenta – fragmentos de vídeo que criam riscos horizontais – de modo a desconstruir a narrativa, manipulando, em tempo real, o conteúdo original analógico.

Na exposição coletiva Vorazes, Grotescos e Malvados (2004), realizada no Paço das Artes, em São Paulo, Duva apresenta a obra Grotesco, Sublime Mix, GSMix (2004): projeções em três telas grandes apresentam imagens de atores que realizam o encontro de corpos com intenso apelo emocional, em ações sem início nem conclusão. Nas telas, o movimento, a sonoridade e o tempo são desconstruídos e expandidos ao compor a performance.

Storm (2010) é um espetáculo de improvisação multimídia, com imagens da costa marinha do sul da Inglaterra e da Mata Atlântica brasileira, processadas digitalmente por sobreposição. O compositor Manuel Pessoa é o parceiro que utiliza a música como base para novas montagens musicais geradas ao vivo. O material bruto – sonoro e visual – é reorganizado e sincronizado pelos artistas durante a performance. O público frui a experiência sentado ou deitado, em frente das projeções em que a potência do som amplificado e a luz estroboscópica favorecem o processo de imersão. A obra apresenta a formação de uma tempestade e, após a intempérie, um homem adentra a floresta em direção ao desconhecido. A intensidade sensorial proposta pela obra, com sucessão de imagens oscilantes, sugere instabilidade.

Como diz Christine Mello (1966) sobre Grotesco, Sublime Mix, GSMix: “Por meio dessa vivência experimental, Luiz Duva nos sinaliza que não é nossa subjetividade que explica essas imagens e sons, mas é a partir delas que temos acesso a essa subjetividade”1. Luiz Duva desenvolve percurso confrontando os limites da tecnologia com os limites do corpo, em consonância com a presença dos espectadores em interação catártica, ativada pela música.

Nota

1 MELLO, Christine. Texto no catálogo online da exposição Vorazes Grotescos e Malvados. Paço das Artes, São Paulo, 2004. Disponível  em: < http://mapa.pacodasartes.org.br/page.php?name=curadores&op=detalhe&id=604 >.  Acesso em: 9 set. 2016

Exposições 13

Abrir módulo

Eventos relacionados 9

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: