Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Marques Júnior

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
27.05.1887 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
13.12.1960 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro

Diante do Espelho, 1926
Marques Júnior
Óleo sobre tela, c.i.e.
65,00 cm x 80,00 cm

Augusto José Marques Júnior (Rio de Janeiro RJ 1887 - idem 1960). Pintor e professor. Estuda na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), a partir de 1905, como aluno de Baptista da Costa (1865-1926), Eliseu Visconti (1866-1944), Zeferino da Costa (1840-1915) e Bérard (1846-1910). Recebe o Prêmio Viagem ao Exterior em 1916, com a tela Harmonia em V...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Augusto José Marques Júnior (Rio de Janeiro RJ 1887 - idem 1960). Pintor e professor. Estuda na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), a partir de 1905, como aluno de Baptista da Costa (1865-1926), Eliseu Visconti (1866-1944), Zeferino da Costa (1840-1915) e Bérard (1846-1910). Recebe o Prêmio Viagem ao Exterior em 1916, com a tela Harmonia em Verde, viajando para Paris em 1917, onde permanece até meados de 1922. Frequenta na Académie Julian, o ateliê de Jean-Paul Laurens (1838-1921) e o de Adolphe Dechaenaud (1868-1929) na Académie de la Grande Chaumière, onde estuda os impressionistas, sobretudo Pierre-Auguste Renoir (1841-1919). Perde quase todos os seus trabalhos num incêndio em seu ateliê, em 1921. De volta ao Brasil em 1922, é nomeado docente de pintura da Enba. Rege as cadeiras de desenho figurado (de 1934 a 1937) e de pintura (de 1938 a 1948). Em 1948 torna-se livre-docente da II cadeira de desenho artístico e, em 1950, catedrático de desenho de modelo vivo. Em 1952, é escolhido vice-diretor da Enba. Faz sua primeira exposição individual em 1922, na Galeria Jorge, no Rio de Janeiro. Expõe em São Paulo em 1923, com Hélios Seelinger (1878-1965) e em 1935, com Henrique Cavalleiro (1892-1975). É presidente da Sociedade Brasileira de Belas Artes e membro efetivo do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan). É responsável pela decoração do restaurante da antiga Câmara dos Deputados, no Rio de Janeiro, e pelas ilustrações do livro O Rio de Janeiro no tempo dos vice-reis, de Luiz Edmundo, publicado em 1951.

Comentário Crítico
A bibliografia sobre pintura no Brasil afirma a pouca influência que teve o impressionismo e o divisionismo sobre os artistas brasileiros. Além de Eliseu Visconti (1866-1944), são raros os artistas brasileiros que tenham se interessado e aprofundado o contato com essas vertentes artísticas de fins do século XIX. Ao que parece, apenas nas gerações que dão continuidade à sua formação artística (através das bolsas e prêmios de viagem ao exterior) nos anos 1920 na Europa é que desperta um interesse pela produção impressionista, quando a mesma vive um momento de assimilação pelo gosto dominante e pelo mercado de arte internacional. Marques Júnior é um exemplo de artista que volta seu olhar para essa produção. Estuda sobretudo Pierre-Auguste Renoir (1841-1919), e dele assimila estratégias como a pintura ao ar livre, a representação da luz atmosférica e da cor relativa (o contrário da cor local). Tais recursos demorarão a ser apreciados pelo público brasileiro, que fará notar seu estranhamento diante de cabelos azuis e maçãs do rosto verdes, como os que vemos em seu Auto-Retrato, hoje na Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pesp). Nesse trabalho, a clássica pose do artista que se auto-retrata é composta através de pinceladas curtas e vibráteis, que conseguem, sobretudo na representação da pele, obter aquela variedade de tons característica da percepção atenta da incidência da luz sobre as superfícies. Embora de envergadura modesta, a obra de Marques Júnior é um exemplo a ser melhor estudado para a compreensão do meio artístico brasileiro da primeira metade do século XX, de seus descompassos e caminhos abortados.

Obras 6

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

No Espelho

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini/Itaú Cultural

Sem Título

Óleo sobre tela sobre madeira

Exposições 22

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 20

Abrir módulo
  • ACQUARONE, Francisco; VIEIRA, Adão de Queiroz. Primores da pintura no Brasil. 2.ed. [Rio de Janeiro]: [s.n.], 1942. v. 1. LIV-G 759.981 A186p 2.ed. v.1
  • ARTE BRASILEIRA século XX: Galeria Eliseu Visconti: pinturas e esculturas. Rio de Janeiro: MNBA, 1984.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • MARQUES JÚNIOR, A. J. Plástica das expressões fisionômicas, Seção Textos de Artistas. 19&20 - A revista eletrônica de DezenoveVinte, v. I, p. 3, 2006. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/. Acesso em: jun. 2008.
  • MARQUES JÚNIOR, A. J.: Do desenho de "modelo-vivo" e seus problemas (tese de concurso), Seção Textos de Artistas. 19&20 - A revista eletrônica de DezenoveVinte, v. I, p. 3, 2006. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/. Acesso em: jun. 2008.
  • MUGNAINI, Túlio. Marques Júnior em Paris. A Gazeta, 28 dez. 1963.
  • PEDROSA, Mario. Visconti e as novas gerações. In: ______. Acadêmicos e modernos: textos escolhidos III. Organização Otília Beatriz Fiori Arantes. São Paulo : Edusp, 1998. 429 p.
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998. IC 708 P438
  • PINACOTECA do Estado de São Paulo. A arte e seus processos: o papel como suporte. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1978.
  • REFLEXOS do impressionismo no Museu Nacional de Belas Artes. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1974.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • VALLE, Arthur . Pensionistas da Escola Nacional de Belas Artes na Academia Julian (Paris) durante a 1ª República (1890-1930). 19&20 - A revista eletrônica de DezenoveVinte, v. I, p. 3, 2006. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/. Acesso em: jun. 2008.
  • Valiosa coleção doada á Pinacoteca do Estado. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 6 jul. 1956.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: