Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Maria Vasco

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 11.10.2017
19.02.1879 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
21.11.1965 Suíça / a definir / Lausanne
Maria da Cunha Vasco. (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1879 – Lausanne, Suíça, 1965). Pintora. É aluna do pintor alemão Benno Treidler (1857-1931), no Rio de Janeiro. Entre 1898 e 1908, participa de todas as edições da Exposição Geral de Belas Artes (Egba), na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio, sendo premiada em 1898, 1904 e 1905. Su...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Maria da Cunha Vasco. (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1879 – Lausanne, Suíça, 1965). Pintora. É aluna do pintor alemão Benno Treidler (1857-1931), no Rio de Janeiro. Entre 1898 e 1908, participa de todas as edições da Exposição Geral de Belas Artes (Egba), na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio, sendo premiada em 1898, 1904 e 1905. Sua obra é citada pelo crítico Gonzaga Duque (1863-1911), em Contemporâneos: Pintores e Esculptores (1929), e por Laudelino Freire (1873-1937) em Um Século de Pintura (1916). Em 2004, integra, postumamente, a mostra Mulheres Pintoras, na Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Análise

A pintora Maria Vasco aparece na literatura crítica geralmente associada à irmã, Ana Vasco (1881-1938), também paisagista. Ambas estudam no Rio de Janeiro com o pintor alemão Benno Treidler, com quem têm aulas de pintura ao ar livre e aquarela.

O crítico Gonzaga Duque salienta o talento das irmãs e aponta a influência de Treidler na qualidade de suas produções. Menciona, ainda, a presença de ambas nas Exposições Gerais de Belas Artes de 1904, quando são premiadas, e de 1906.

As paisagens produzidas por Maria e aquelas pintadas por Anna, com frequência fixam bairros e pontos pitorescos da cidade do Rio de Janeiro: Copacabana, Ipanema, Praia do Leme, Lagoa Rodrigo de Freitas, entre outros. Petrópolis, no interior do estado, é outro tema constante.

Na aquarela Cantinho do Leme, 1898, Maria trabalha com manchas e pinceladas impressionistas, rápidas, curtas e justapostas, aliadas a uma paleta na qual predominam rosas, lilases e amarelos. Chama a atenção o detalhe da personagem feminina que pinta uma tela sobre o colo. Protegida do sol por uma sombrinha, a figura à esquerda da composição remete à atividade artística exercida por ela e suas irmãs, e a seu conhecimento da técnica de pintar ao ar livre, associada ao impressionismo. A mata, ao redor da personagem, é banhada por luz e o Pão de Açúcar aparece, imponente, ao fundo. A marinha de 1901, intitulada Paisagem, tem fatura e paleta semelhantes às da tela já citada, confirmando o tratamento plástico característico das aquarelas da artista.

Exposições 12

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BERGER, Paulo (org.). Pinturas e pintores do Rio antigo. Apresentação de Sérgio Sahione Fadel. Textos de Paulo Berger, Herculano Gomes Mathias e Donato Mello Júnior. Rio de Janeiro: Kosmos, 1990.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DUQUE, Gonzaga. Contemporâneos: pintores e esculptores. Rio de Janeiro: Tipografia Benedicto de Souza, 1929.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: