Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Iara Rennó

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.04.2017
04.03.1977 Brasil / São Paulo / Campinas
Iara Espíndola Rennó (Campinas, São Paulo, 1977). Cantora, compositora, instrumentista, arranjadora, produtora. Filha do jornalista e letrista Carlos Rennó e da cantora e compositora Alzira Espíndola, inicia-se profissionalmente em 1996, cantando com a mãe. Dois anos mais tarde, integra os vocais da banda de Itamar Assumpção. Em 2000, vence como...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Iara Espíndola Rennó (Campinas, São Paulo, 1977). Cantora, compositora, instrumentista, arranjadora, produtora. Filha do jornalista e letrista Carlos Rennó e da cantora e compositora Alzira Espíndola, inicia-se profissionalmente em 1996, cantando com a mãe. Dois anos mais tarde, integra os vocais da banda de Itamar Assumpção. Em 2000, vence como compositora a décima edição do Projeto Nascente (Universidade de São Paulo/Editora Abril) com as canções Som Não Cabe em Nenhum Nome (Iara Rennó), Leve (com Alice Ruiz) e Pimenta no Seu Reino (com Anelis Assumpção). No mesmo ano, recebe o prêmio de melhor composição do 4º Festival Universitário de Música da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pela canção Vampiro Tupiniquim (com Andreia Dias). No ano seguinte, é selecionada pelo Projeto Rumos Musicais, do Itaú Cultural. É finalista do Prêmio Visa de Compositores, em 2003.

Nesse ano, a banda que a acompanha desde o Projeto Nascente, batizada com o nome Dona Zica, lança o primeiro CD, Composição, seguido por Filme Brasileiro, em 2005. Em 2008, Iara lança o disco Macunaíma Ópera Tupi, pelo Sesc São Paulo. Concebido sobre trechos do livro Macunaíma, de Mário de Andrade, conta com a participação especial de nomes como Tom Zé, Moreno Veloso e Arrigo Barnabé. A compositora tem canções gravadas por Ney Matogrosso (Leve, no disco Inclassificáveis), Elza Soares (Mandingueira, parceria com BiD e Walmir Gil) e a portuguesa Maria João (Fado Mudo). Em 2010, estreia o show Oriki, baseado nas tradições orais afro-brasileiras.

Análise

Iara Rennó é apontada pela crítica como parte de uma geração que tem renovado a cena musical brasileira, ao lado dos outros integrantes da banda Dona Zica e de artistas como Cidadão Instigado, Céu e +2, que se caracterizam pela fusão de estilos. Inspirada no tropicalismo de Tom Zé e na Vanguarda Paulista dos anos 1980, mas sem restringir-se a essas influências, Iara define seu trabalho como "música popular contemporânea da América Latina", caracterizada mais pela fusão de múltiplas sonoridades do que pela busca de um estilo específico.

A capacidade de se apropriar de diferentes linguagens evidencia-se no disco Macunaíma Ópera Tupi, que também recebe versão cênica com música, intervenções teatrais, dança e videoarte. Nele a compositora extrai a musicalidade latente do texto de Mário de Andrade por meio de diferentes gêneros musicais. A canção Dói Dói Dói, cujo refrão ("Me espanca devagar que isto dói dói dói...") remete imediatamente ao "funk do tapinha", ganha levada de ragga.¹ Já o canto de pedinte Conversa, entoado por Tom Zé, recebe tratamento eletrônico. No disco ainda há coco de zambê, ciranda e canção de ninar.

As letras de Iara são geralmente bem-humoradas, algumas em tom de crítica ("Jabá, jabá/ Já basta de superstar/ Jabá, jabá/ Jabá pra poder entrar") e outras de protesto ("Acorda, tira essa corda do pescoço"; "sempre a mesma conversa de que tá tudo errado/ que a sociedade não presta/ acredite, a sociedade começa na sua testa"). Muitas delas tratam do cotidiano, com suas situações corriqueiras e seus imponderáveis, como Vixe Maria, parceria com Andreia Dias ("Vixe Maria como é fácil se enroscar / perder o rebolado, cair, não se levantar"), e a ácida Até o Dia ("Cada qual com seus parceiros/ periquitos/ cada um com seus problemas/ seus mosquitos/ eles chupam o seu sangue/ sua carne/ e se o espírito está louco/ que se acalme").

Nota

1. Estilo musical jamaicano semelhante ao reggae, mas que privilegia arranjos musicais eletrônicos e temas festivos.

Shows musicais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • COZER, Raquel. Macunaíma musical. Folha de S. Paulo. Caderno Ilustrada, 21/03/2008.
  • EVANGELISTA, Ronaldo. DonaZica consolida vaga na MPB. Folha de S. Paulo. Caderno Acontece, 21/06/2007.
  • RENNÓ, Iara. Entrevista à RUA (Revista Universitária do Audiovisual da UFSCar). Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=7SpE2fbSR0Q&feature=player_embedded#> Acesso em: 21 jan. 2011.
  • RENNÓ, Iara. Macunaíma Ópera Tupi. São Paulo: SESC-SP, 2007. 1 CD.
  • Site oficial do grupo DonaZica. Disponível em: < http://dona.zica.sites.uol.com.br>. Acesso em: 22 jan. 2011.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: