Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Louis Auguste Moreaux

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1818 França / Champagne-Ardenne / Rocroi
1877 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Dom Pedro Visitando os Coléricos, 1863
Louis Auguste Moreaux

Louis Auguste Moreaux (Rocroi, França 1818 - Rio de Janeiro RJ 1877). Vem para o Brasil no fim da década de 1830, juntamente com seu irmão, também pintor, François René Moreaux (1807 - 1860). Permanecem por algum tempo no nordeste e sul do país e, em 1840, fixam residência no Rio de Janeiro. Louis Auguste pinta diversas telas inspiradas em suas ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Louis Auguste Moreaux (Rocroi, França 1818 - Rio de Janeiro RJ 1877). Vem para o Brasil no fim da década de 1830, juntamente com seu irmão, também pintor, François René Moreaux (1807 - 1860). Permanecem por algum tempo no nordeste e sul do país e, em 1840, fixam residência no Rio de Janeiro. Louis Auguste pinta diversas telas inspiradas em suas viagens pelo Brasil, apresentadas nas Exposições Gerais de Belas Artes, e é premiado com medalha de ouro em 1841. Em 1843, é homenageado com o título de Primeiro Cavaleiro da Imperial Ordem da Rosa, pela composição Jesus Cristo e o Anjo. Colabora com Louis Buvelot (1814 - 1883), realizando desenhos em que enfoca aspectos do Rio de Janeiro, reunidos no álbum litográfico Rio de Janeiro Pitoresco, publicado em fascículos entre 1842 e 1845. Faz também retratos de importantes personalidades da época, como o de dom Pedro II (1825 - 1891) e de Alfredo d'Escragnolle Taunay, visconde de Taunay (1843 - 1899).

Comentário Crítico
Nascido na França, vem para o Brasil no final da década de 1830, juntamente com seu irmão, também pintor, François René Moreaux (1807 - 1860). Percorrem o Nordeste e o Sul do país e, em 1840, fixam-se no Rio de Janeiro. O artista realiza pinturas em que representa as regiões visitadas, revelando o interesse pela paisagem e pelos costumes do país, como em Negra Lavadeira do Rio (s.d.), Quatro Assuntos da Flora Brasileira (s.d.) e Gaúcho Tomando Mate (s.d.). Como nota o historiador da arte Quirino Campofiorito (1902 - 1993), Moreaux inova o cenário artístico da época por enfocar temas tidos como não usuais para a grande pintura. Para o crítico de arte Gonzaga Duque (1863 - 1911), em Rancho de Mineiros (s.d.) apresenta figurinhas admiráveis pela naturalidade e graça com que se destacam na cena noturna, iluminadas pelo clarão de uma fogueira. Durante a década de 1840, o artista colabora com Louis Buvelot (1814 - 1883), realizando desenhos em que enfoca aspectos do Rio de Janeiro, posteriormente reunidos no álbum litográfico Rio de Janeiro Pitoresco.

Moreaux pinta retratos de importantes personalidades da época, como o de dom Pedro II (1825 - 1891), de Saldanha Marinho (1816 - 1895) e de Alfredo d'Escragnolle Taunay, visconde de Taunay (1843 - 1899). Para Gonzaga Duque, as pinturas que realiza para o imperador, representando os personagens históricos Pedro Álvares Cabral, Afonso de Albuquerque e Vasco da Gama, foram executadas com singular sutileza e habilidade. Já o retrato da atriz Lagrange, para o crítico, ultrapassa todas as suas obras do gênero, tanto do ponto de vista do colorido como do desenho. Nele, "a tonalidade é fresca e terna, a difusão da luz é doce e como que lentamente espargida, as meias tintas e os reflexos foram jogados com um requinte inimitável. O braço esquerdo, nu, estendido no espaço, em linha horizontal, é de uma carnação perfeita, de um modelado escultural. Toda a figura é imponente, majestosa ".1

 

Notas
1 DUQUE, Gonzaga. A Arte brasileira. Campinas: Mercado de Letras, 1995. 270 p. (Arte: ensaios e documentos). p. 106.

Obras 4

Abrir módulo

Exposições 22

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • BOGHICI, Jean (org.). Missão Artística Francesa e pintores viajantes: França-Brasil no século XIX. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Brasil-França, 1990.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira: pintura e esculptura. Introdução Tadeu Chiarelli. Campinas: Mercado de Letras, 1995. (Arte: ensaios e documentos).
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • TRADIÇÃO e ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1984.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: