Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Ana Teixeira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 11.05.2022
28.07.1957 Brasil / São Paulo / Caçapava
Ana Teixeira (Caçapava, São Paulo, 1957). Artista visual. A pesquisa da artista é um ato coletivo que se cria a partir da troca com o outro. Seus trabalhos têm início a partir de uma ação feita na rua para público amplo nem sempre interessado em arte. A obra é um resultado desse acontecimento, do encontro da arte com as pessoas nesses espaços, s...

Texto

Abrir módulo

Ana Teixeira (Caçapava, São Paulo, 1957). Artista visual. A pesquisa da artista é um ato coletivo que se cria a partir da troca com o outro. Seus trabalhos têm início a partir de uma ação feita na rua para público amplo nem sempre interessado em arte. A obra é um resultado desse acontecimento, do encontro da arte com as pessoas nesses espaços, sendo a palavra um dos recursos mais importantes utilizados.

A primeira faculdade que Ana Teixeira se interessa em cursar é de Serviço Social. Não chega a concluir o curso mas a escolha ainda jovem por essa profissão já denuncia o seu interesse pelas pessoas e por escutar o que elas têm a dizer. Aos 37 anos, entra para Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Minas Gerais, a fim de estudar artes visuais. Ao se fixar em São Paulo, dois anos mais tarde, acaba concluindo a graduação na Universidade de São Paulo (USP), onde na sequência dá início ao mestrado em Poéticas Visuais, que resulta na dissertação Trocas: a arte na rua e a rua na arte (2005), na qual estuda seus trabalhos em que faz intervenções em espaços públicos. 

Troco Sonhos, sua primeira intervenção, é realizada pela primeira vez em 1998 no Viaduto do Chá no centro de São Paulo. O trabalho acontece na rua quando a artista monta uma mesa com a oferta: “Troco sonhos. Aceito todos os tipos: dourados, esquecidos, abandonados, vivos, mortos, presentes ou enterrados”. Em troca, a pessoa que deu o seu sonho recebe um outro - nesse caso, o doce muito conhecido no Brasil. O trabalho de Teixeira ocorre nessa troca direta com o espectador em um ambiente fora dos costumeiramente direcionados à arte e para um público não-especializado. 

Esse trabalho de escuta é recorrente em outros projetos como em Escuto Histórias de Amor (2005-2013), que foi realizado em diversos países. Ao fazer a ação na Alemanha, interessa-se em escutar as histórias mesmo que não entenda uma palavra de alemão. No entanto, ao perceberem que ela não fala o idioma, começam a falar em inglês. Assim, a artista percebe que as pessoas querem ser compreendidas - e não apenas ouvidas. Sobre o registro na memória, contudo, Teixeira afirma não se lembrar de todas as histórias confessadas a elas. A materialização dos casos de amor ouvidos ficam eternizados no tricô vermelho de mais de nove metros, que tece enquanto escuta os relatos.

A relação do trabalho da artista com a rua e com os participantes da sua obra se enquadra dentro do conceito de estética relacional teorizado pelo filósofo francês Jacque Rancière (1949) e sendo Hélio Oiticica (1937-1980) um dos expoentes. Não há  interesse em criar uma obra material com suas ações artísticas mas provocar uma situação em que as pessoas possam observar as possíveis falhas do mundo. Como a própria artista costuma dizer: "O que me interessa mesmo é causar um pequeno curto-circuito na realidade"1. E, a partir da estranheza causada ao passar por uma situação urbana arquitetada pela artista, espera-se como reação que o participante desenvolva algum pensamento, reflexão ou, às vezes, irritação. 

Em Outra Identidade (2003) - em que propõe aos passantes que eles carimbem sua digital em um caderninho em troca de uma identidade nova com dizeres como: "falo mentiras", "não faço sentido" ou "tenho sonhos" - Teixeira foi denunciada à polícia com a suspeita de estar recolhendo digitais para falsificar documentos. Depois de alguns minutos na delegacia, sem precisar dizer que estava fazendo um trabalho de arte, resumindo-se apenas a explicar a sua situação literalmente, a artista foi liberada e a notícia de sua detenção foi parar nos jornais. Não no caderno de cultura, mas no Cotidiano, voltado para notícias da cidade, do jornal Folha de S. Paulo. O fato exemplifica exatamente onde e para quem o trabalho da artista acontece: no território urbano e para os seus habitantes.  

A palavra é outro componente importante da obra de Ana Teixeira. O jogo de significados e de aproximações entre termos compõem o sentido poético e filosófico das ações. Em Nós em mim (2012-2019), a artista estampa adverbios em bóias de piscina que podem ser conectadas por uma corda e formar frases como "agora nunca mais", "sempre não" ou "menos sim" - são centenas de milhares de possibilidades. Os usuários das piscinas onde é instalado o trabalho têm nas bóias um equipamento de segurança para não se afogar na água e nas palavras um salva-vidas da realidade. 

A partir da questão proposta para mulheres “O que você não quer mais calar?” nasce o trabalho Cala Boca Já Morreu (2019-2021). Ao conversar com as participantes, a artista as ajuda a chegar a uma frase que sintetize o que ela não deseja mais esconder.  Ana Teixeira desenha a frase em um cartaz, entrega à participante que depois é fotografada. Essas fotos são referências para desenhos que a artista cria depois. No caso da montagem de 2021, na Biblioteca Mário de Andrade em São Paulo, o trabalho, em vez de desenhos, ganhou uma instalação sonora dessas frases recolhidas nas conversas e gravadas por 101 mulheres cisgêneros, transexuais e travestis. A biblioteca, geralmente um local de recolhimento e silêncio, foi transformada em megafone ressonante para dar voz a esses grupos historicamente silenciados pela violência física e simbólica de uma sociedade patriarcal. 

Ana Teixeira desenvolve um trabalho que se utiliza de diferentes suportes e manifesta particular interesse pelo desenho e a palavra. O seu principal foco é a arte participativa e ações artísticas em espaços públicos.

Notas

1. TEIXEIRA, Ana. Cortocircuitos urbanos: Ana Teixeira in TEDxJardins (18 min). 24 de out. de 2013. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=n0K1EUOey1A Acesso em: 17 set 2021.

Exposições 32

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: