Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Frei Nazareno Confaloni

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.09.2014
27.01.1917 Itália / Lazio / Viterbo
04.06.1977 Brasil / Goiás / Goiânia
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título
Frei Nazareno Confaloni
Óleo sobre tela, c.i.d.

Giuseppe Confaloni (Viterbo Itália 1917 - Goiânia GO 1977). Pintor, muralista, desenhista e professor. Estuda com Felice Carena Baccio, Maria Bacci e Primo Conti, quando entra para o apostolado, ordenando-se frei dominicano em Florença (Itália). Em 1950, a convite do bispo Cândido Penzo, vai à cidade de Vila Boa (atual Goiás) para pintar 15 afre...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Giuseppe Confaloni (Viterbo Itália 1917 - Goiânia GO 1977). Pintor, muralista, desenhista e professor. Estuda com Felice Carena Baccio, Maria Bacci e Primo Conti, quando entra para o apostolado, ordenando-se frei dominicano em Florença (Itália). Em 1950, a convite do bispo Cândido Penzo, vai à cidade de Vila Boa (atual Goiás) para pintar 15 afrescos na Igreja do Rosário, denominados Mistérios de Rosário. Permanece na cidade como pároco e introduz a técnica do afresco. Muda-se para Goiânia em 1952, onde paralelamente à atividade religiosa, dedica-se à pintura de temática religiosa utilizando-se da figura humana. Nomeado primeiro vigário da paróquia de São Judas Tadeu, na Vila Coimbra, em Goiânia, projeta e trabalha  na construção da igreja São Judas Tadeu, que dirige entre 1959 e 1965. Para cada fiel que contribui com donativos, doa um de seus quadros.  É o idealizador, juntamente com Luiz Curado, da Escola Goiana de Belas Artes, EGBA, em Goiânia, onde leciona pintura e desenho. Professor fundador da Faculdade de Arquitetura da Universidade Católica de Goiás (UCG), leciona desenho e plástica. Ajuda a construir o convento e o santuário de São Judas Tadeu. Conhece Siron Franco, e passa a emprestar-lhe um estúdio para pintar, além de todo o material necessário. Pinta madonas, com o artista, no atelier do convento São Judas de Goiânia, em 1977, ano em que falece inesperadamente de enfisema pulmonar. Diversos artistas reinvindicam a construção de um museu com suas obras. No 10º aniversário de sua morte, há várias homenagens, como uma exposição retrospectiva na Galeria Frei Nazareno Confaloni e mesa redonda com artistas e críticos de arte, na UCG. Em 1991 ocorre a Semana Frei Nazareno Confaloni, onde é assinado o decreto para a construção do Museu Frei Nazareno Confaloni. Nesse ano começa o processo de restauração dos painéis Bandeirantes: Antigos e Modernos, realizados em 1953 e que retratam a construção das estradas de ferro em Goiás. É lançado o livro Conhecer Confaloni de PX Silveira no Instituto Histórico e Geográfico de Goiás. Há também a exibição do vídeo de Antonio Segatti e PX Silveira, O Bandeirante da Arte Moderna. É considerado um dos pioneiros da arte moderna em Goiás.

Obras 4

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Descida da Cruz

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título

Óleo sobre tela

Exposições 6

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • FIGUEIREDO, Aline. Artes plásticas no Centro-Oeste. Cuiabá: UFMT/MACP, 1979.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • SILVEIRA, Px; MACHADO, Betúlia. Arte hoje - o processo em Goiás visto por dentro. Px Silveira e Betúlia Machado. Maria José Silveira; Filipe José Lindoso e Marcio Souza. Rio de Janeiro, Marco Zero. (Coleção Multiarte).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: