Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Frei Jesuino do Monte Carmelo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.01.2021
25.03.1764 Brasil / São Paulo / Santos
02.06.1819 Brasil / São Paulo / Itu
Reprodução Fotográfica Romulo Fialdini

São Marcos, 0019
Frei Jesuino do Monte Carmelo
Óleo sobre tela
113,00 cm x 140,00 cm

Jesuíno Francisco de Paula Gusmão (Santos, São Paulo, 1764 - Itu, São Paulo, 1819). Pintor, arquiteto, escultor, encarnador, dourador, entalhador, mestre em torêutica, músico, poeta. Negro, filho de Antônio Gueraldo Jácome e Domingas Inácia de Gusmão, sobrinha do padre jesuíta brasileiro Bartolomeu Lourenço de Gusmão, conhecido como Padre Voador...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Jesuíno Francisco de Paula Gusmão (Santos, São Paulo, 1764 - Itu, São Paulo, 1819). Pintor, arquiteto, escultor, encarnador, dourador, entalhador, mestre em torêutica, músico, poeta. Negro, filho de Antônio Gueraldo Jácome e Domingas Inácia de Gusmão, sobrinha do padre jesuíta brasileiro Bartolomeu Lourenço de Gusmão, conhecido como Padre Voador. Em 1781 transfere-se para Itu e vive entre religiosos locais. Na construção da Igreja Matriz Nossa Senhora da Candelária, trabalha como ajudante do pintor José Patrício da Silva Manso (ca.1753-1801), de quem se torna auxiliar e discípulo. Na cidade de São Paulo, em 1796, pinta o forro da nave da Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo e os painéis do antigo Convento de Santa Teresa, que atualmente compõem o acervo do Museu de Arte Sacra de São Paulo (MAS). Ao enviuvar, após breve vida matrimonial, que lhe gerou cinco filhos, ingressa na vida religiosa. É ordenado padre carmelita em 1797, e adota o nome de Frei Jesuíno do Monte Carmelo. Reza sua primeira missa no ano seguinte. Em Itu, realiza os forros da capela-mor e da nave da Igreja e Convento de Nossa Senhora do Carmo, por volta de 1784, e os painéis laterais da capela-mor da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Candelária, datados do fim do século XVIII. Entre 1815 e 1819, dirige a construção da Igreja e Convento de Nossa Senhora do Patrocínio, desempenhando simultaneamente as tarefas de arquiteto, mestre-de-obras, pintor e escultor. Realiza ainda oito quadros para a igreja e compõe músicas sacras para sua inauguração. Falece antes de terminar a obra, que é concluída por seus filhos e inaugurada em 1820. Em 1945, é publicado pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), em São Paulo, o livro de Padre Jesuíno do Monte Carmelo de Mário de Andrade (1893-1945).

Análise da trajetória
Frei Jesuíno do Monte Carmelo é reconhecido como um dos principais artistas do período colonial em São Paulo. De sua obra de compositor de músicas sacras, construtor de órgãos, entalhador e arquiteto, restam apenas os trabalhos de pintura realizados nas cidades de São Paulo e Itu. Negro e de origem humilde, Jesuíno tem duas inclinações quando criança: o sacerdócio e a pintura. Não sendo possível aprender o latim necessário para se ordenar padre, e diante da necessidade de trabalhar desde cedo, volta-se para o ofício de pintor. Sua formação dá-se pela observação das poucas decorações de igrejas existentes na época em sua cidade natal, principalmente o templo do convento carmelita de Santos. Devoto de Nossa Senhora do Carmo desde menino, os frades carmelitas exercem papel fundamental em sua vida. O padre-mestre o inicia na música e na técnica do órgão. Também provém dos carmelitas sua primeira encomenda importante: estofar e encarnar as imagens esculpidas em madeira de Nossa Senhora da Conceição, de Sant'Ana e de São Joaquim. Apesar da má qualidade do trabalho, devido à inexperiência do artista, os religiosos decidem levar o jovem de 17 anos para auxiliar nos serviços da nova igreja da ordem em Itu, em 1781.

Enquanto trabalha na igreja carmelita em vários serviços - como sacristão, tocando órgão nas missas, enfeitando os altares para festas -, é contratado pelo artista José Patrício da Silva Manso para ajudar na decoração da recém-construída Matriz de Nossa Senhora da Candelária de Itu. Não se sabe ao certo quais das obras devem-se exclusivamente ao mestre e quais são as do ajudante. Em todo caso, nota-se que mesmo nos trabalhos cuja autoria é atribuída a Jesuíno - como os 12 painéis da capela-mor -, a orientação de José Patrício, artista mais experiente, é indiscutível. Como observa Mário de Andrade, único estudioso da obra do pintor colonial, os painéis apresentam uma "paleta emprestada", tradicional e bastante acadêmica, em vermelhos e azuis intensos e sombrios. São também muito irregulares como conjunto, principalmente no que diz respeito à unidade de composição das cenas narradas.1 Esta coleção de 12 telas apresenta a primeira obra de Jesuíno pintor, embora como pintor aprendiz.

É com a decoração da Igreja do Carmo de Itu (ca.1784) que Jesuíno alcança um primeiro momento de independência artística. Do conjunto realizado resta o forro da capela-mor. Se ainda tem em mente a tradição que conhecia, mistura-a com intervenções do próprio temperamento. Assim como no teto da matriz, pintado por ele e concebido por Silva Manso, não trabalha o assunto em perspectiva de fuga, optando por colocar as figuras bem de frente, achatando a curva natural do teto. Para reuni-las, dando unidade à cena representada,2 utiliza uma grinalda de folhas e flores3 carregadas por querubins e serafins, de modo a agrupar as seis figuras veneráveis e os santos carmelitas num único espaço, com a Visão da Virgem do Carmo ao centro. O artista liberta-se aqui das tonalidades escuras e tons terrosos. Ocorre o clareamento de sua paleta. O conjunto cromático formado pelo resplendor da luz amarela que parte da coroa da virgem, o forro azul-celeste, os brancos, os tons de vermelho, azul, laranja e verde presentes tanto nas vestes dos papas quanto nas dos anjos e flores lançadas por eles, sugerem uma atmosfera quente e luminosa. De modo curioso,  Jesuíno insere, no lado direito inferior da composição, um único anjo de pele parda, mas com traços semelhantes aos dos anjos brancos.

Após a morte da esposa, o artista vai para São Paulo, em 1795, com a tarefa de decorar as igrejas carmelitas da capital. Dos trabalhos realizados, pode ser apreciada apenas a pintura do teto da Igreja da Ordem Terceira do Carmo, obra de maior vulto. Volta ao cromatismo austero nas 24 figuras do teto da nave. Não cede nunca à movimentação barroca; suas figuras são hieráticas e seus gestos sugerem um ritmo contido.

Inicia estudos de latim, recebe a ordenação em 1797 (porém, por ser negro, com a ressalva do ex defectu natalium), é chamado a partir de então de Frei Jesuíno do Monte Carmelo. Sua produção artística diminui após o recebimento das ordens.

Retorna a Itu em 1797. Fica abalado pela tentativa frustrada de ingressar na Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte Carmelo. Começa a idealizar a congregação dos padres do Patrocínio por volta de 1800. Consegue o apoio local e até mesmo de Dom João VI (1767 - 1826) para construir a Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio, em Itu. Improvisa-se arquiteto e desenha seu risco (a fachada original é remodelada ao gosto eclético em 1894). É assessorado pelos filhos, todos religiosos. Seus últimos trabalhos, os mais dramáticos de sua produção artística, são as oito telas de santos carmelitas em tamanho natural para a decoração dos corredores laterais da igreja. Compõe músicas para sua inauguração, mas morre em 1819 antes de vê-la pronta, o que acontece um ano depois. Segundo Mário de Andrade, Frei Jesuíno do Monte Carmelo é o protótipo do artista do Brasil colônia, muito mais intuitivo do que culto, localizado no "entremeio entre a arte folclórica legítima e a arte erudita legítima".

Notas
1 Para Mário de Andrade pode-se dividir os painéis em duas séries, levando-se em consideração sua qualidade artística e os temas: seis telas altas sobre a vida de Maria e seis telas largas contando a vida de Jesus.  - A primeira teria sido desenhada por José Patrício da Silva Manso e a segunda por Jesuíno. Contudo, ambas teriam sido coloridas pelo discípulo e retocadas posteriormente pelo mestre.
2 Como observa Mário de Andrade, - "Jesuíno não sabe contar, ou não gosta dessa possibilidade literária, mais própria do desenho do que da pintura. O dramático de Jesuíno não residirá nunca, quando bem expressado, no entrecho da cena, mas na psicologia das figuras". Disso decorre uma galeria de figuras-retrato (por vezes dos próprios filhos) conjugadas com figuras-padrão (principalmente as femininas) na obra do artista.
3 Sobre o festão de folhagens e flores, Mário de Andrade, afirmará: "Na verdade, Jesuíno está utilizando, senão criando, um 'brasileirismo' de decoração. Esse é um jeito de enfeitar muito brasileiro, muito tradicional entre nós, aproveitando verdes e as flores com prodigalidade esbanjadora, tangente da ingenuidade e do mau gosto. É uma gostosura que só dá para esse teto uma aparência inusitada, como um sabor alegremente festa-de-arraial".

Obras 11

Abrir módulo

Exposições 5

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • ANDRADE, Mário de. A arte religiosa no Brasil: crônicas publicadas na Revista do Brasil em 1920. Organização Cláudio Giordano; comentário Claudete Kronbauer. São Paulo: Experimento : Giordano, 1993. 99 p., il. p&b.
  • ANDRADE, Mário de. Padre Jesuíno do Monte Carmelo. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1963. 273 p. (Obras completas de Mário de Andrade, 16).
  • ARAÚJO, Emanoel (org.). A Mão afro-brasileira: significado da contribuição artística e histórica. São Paulo, SP: Tenenge, 1988.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • O UNIVERSO mágico do barroco brasileiro. Curadoria Emanoel Araújo. São Paulo: Sesi, 1998. Exposição realizada no período de 30 mar. a 03 ago. 1998.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • TIRAPELI, Percival (org.). Arte sacra colonial: barroco memória viva. Apresentação Antonio Manoel dos Santos Silva; introdução Percival Tirapeli. São Paulo: Unesp : Imprensa Oficial do Estado, 2001. 288 p.
  • TIRAPELI, Percival. Igrejas paulistas: barroco e rococó. Fotografia Manoel Nunes da Silva. São Paulo: Unesp : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2003. 372 p., il. color.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: