Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Francisco Pedro do Amaral

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.03.2021
1790 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
10.11.1830 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução Fotográfica Abril Press

Retrato da Marquesa de Santos, 1826
Francisco Pedro do Amaral
Óleo sobre tela
87,00 cm x 114,00 cm

Francisco Pedro do Amaral (Rio de Janeiro RJ ca.1780 - idem 1830). Pintor, desenhista, decorador, cenógrafo, dourador, estucador. Estuda inicialmente com José Leandro de Carvalho (17-- - 1834), e depois se matricula na aula régia de desenho e pintura, criada na cidade do Rio de Janeiro pelo vice-rei dom Fernando e ministrada pelo pintor Manuel D...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Francisco Pedro do Amaral (Rio de Janeiro RJ ca.1780 - idem 1830). Pintor, desenhista, decorador, cenógrafo, dourador, estucador. Estuda inicialmente com José Leandro de Carvalho (17-- - 1834), e depois se matricula na aula régia de desenho e pintura, criada na cidade do Rio de Janeiro pelo vice-rei dom Fernando e ministrada pelo pintor Manuel Dias de Oliveira (1764 - 1837). Estuda cenografia com Manuel da Costa e trabalha como ajudante de José Leandro no Teatro São João. Em 1823, é um dos cinco alunos do curso de pintura ministrado pelo Debret (1768 - 1848). Participa da fundação da Sociedade de São Lucas, entidade só para pintores, em 1827. Como chefe da decoração da casa Imperial, trabalha no Palácio da Quinta da Boa Vista e no Paço da Cidade. Decora residências particulares, como o palacete da marquesa de Santos, no Rio de Janeiro. Em 1829, restaura velhos coches, por ocasião do casamento de dom Pedro I (1798 - 1834), e publica o folheto Explicação Allegorica da Decoração dos Coches de Estado de S.M.I. O Senhor D. Pedro I, em que descreve seu trabalho de ornamentação.

Análise

Francisco Pedro do Amaral torna-se um retratista destacado na corte do Rio de Janeiro, tendo realizado inclusive o retrato (ca.1826) de dona Domitila de Castro Canto e Melo, a marquesa de Santos. Nessa obra, o artista já busca o tratamento neoclássico da figura. Realiza também diversas pinturas decorativas para a Biblioteca Pública, Palácio da Quinta da Boa Vista, Paço Imperial e ainda para o palácio da marquesa de Santos. O pintor e historiador Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806 - 1879) informa que o artista teria se dedicado também à realização de caricaturas.

Para o historiador da arte Quirino Campofiorito (1902 - 1993), Francisco Pedro do Amaral, vindo da tradição colonial brasileira, é o artista que melhor evidencia a transição que ocorre no campo artístico nesse período, motivada pela presença dos artistas franceses no país.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 22

Abrir módulo
  • ARAÚJO, Emanoel (coord.). Reflexões iconográficas: memória. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1994.
  • ARAÚJO, Emanoel (coord.). Reflexões iconográficas: memória. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1994. 709.034 R332
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942. R703.0981 B813a
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 759.981034 C198hi
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.1 pt. 1
  • DUQUE, Gonzaga. A Arte brasileira: pintura e esculptura. Rio de Janeiro: H. Lombaerts & C., 1888. 254 p. Não catalogado
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 759.981034 F866u
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • História da pintura brasileira no século XX. São Paulo, Paço das Artes, 1983. Não catalogado
  • MORALES DE LOS RIOS FILHO, Adolfo. Grandjean de Montigny e a evolução da arte brasileira. Rio de Janeiro: Noite, 1941.
  • MORALES DE LOS RIOS FILHO, Adolfo. Grandjean de Montigny e a evolução da arte brasileira. Rio de Janeiro: Noite, 1941. 720.944 M792m
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. 709.034 M9161a
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198). 709.81 R895p Ed. ilust.
  • TAUNAY, Afonso de E. A Missão Artística de 1816. Rio de Janeiro: Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 1956. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: