Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Fleiuss

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.03.2017
28.08.1823 Alemanha / Nordrhein-Westfalen / Colônia
15.11.1882 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Henrique Fleiuss (Colônia, Alemanha 1823 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1882). Litógrafo, pintor, gravador e desenhista. Inicia os estudos artísticos em sua cidade natal, concluindo-os em Düsseldorf. Posteriormente termina o curso de ciências naturais na Universidade de Munique. Muda-se em 1858 para o Brasil e, depois de percorrer a Região No...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Henrique Fleiuss (Colônia, Alemanha 1823 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1882). Litógrafo, pintor, gravador e desenhista. Inicia os estudos artísticos em sua cidade natal, concluindo-os em Düsseldorf. Posteriormente termina o curso de ciências naturais na Universidade de Munique. Muda-se em 1858 para o Brasil e, depois de percorrer a Região Norte, instala-se definitivamente no Rio de Janeiro, em 1859. Funda, com seu irmão Karl Fleiuss e o pintor alemão Karl Linde (ca.1830 - 1873), uma empresa lito-tipográfica chamada Fleiuss, Irmãos e Linde, que logo recebe o nome de Instituto Artístico. Em 1860, inicia a publicação da revista Semana Ilustrada, sendo ele o único responsável pelas ilustrações litografadas nos dez primeiros números deste periódico, para o qual cria os personagens Dr. Semana, Negrinha e Moleque. Em 1863, funda a primeira escola de xilogravura do país nas dependências do Instituto Artístico, que passa a chamar-se Imperial Instituto Artístico. Nas páginas da Semana Ilustrada, começa a publicação de suplementos sobre a Guerra do Paraguai, em 1864. Em 1876 suspende a publicação da revista e lança outro periódico, Ilustração Brasileira, editado até 1878, data em que, por motivos financeiros e de saúde, abandona a direção do Imperial Instituto Artístico. Dois anos depois lança a revista Nova Semana Ilustrada.

Análise

Artista de origem alemã, Fleiuss freqüenta curso de belas-artes, em Colônia e em Düsseldorf, e de ciências naturais, em Munique. Vem para o Brasil em 1858, por sugestão do naturalista Carl Friedrich Phillipp von Martius (1794 - 1868), acompanhado por seu irmão, o pintor e litógrafo Carlos Fleiuss, e pelo pintor e gravador Karl Linde. Em 1860, no Rio de Janeiro, eles fundam uma oficina de artes denominada Instituto Artístico, com a proposta de realizar pinturas, aquarelas, daguerreótipos e fotografias. O Instituto Artístico, em 1863, passa a se chamar Imperial Instituto Artístico, em decorrência do título honorífico concedido pelo imperador Dom Pedro II (1825 - 1891). Com a aquisição de uma tipografia, começa a imprimir mapas e catálogos de exposição.

Os artistas iniciam em 1860 a publicação da Semana Ilustrada, que alcança em pouco tempo imensa popularidade. É o primeiro periódico ilustrado humorístico que tem uma existência duradoura no país, até fins de 1876, quando Fleiuss o substitui pela revista Ilustração Brasileira, veiculada até 1878. Quase todas as ilustrações são realizadas por ele, mas conta com a participação de outros artistas, como Flumen Junius (19-? - 1905) e Aurélio de Figueiredo (1854 - 1916) e, por algum tempo, com a de Angelo Agostini (1843 - 1910). Os textos são escritos por Castro Alves (1847 - 1871) e Quintino Bocaiúva (1836 - 1912), entre outros.

Vários personagens são criados por Fleiuss, como o Dr. Semana, a Negrinha e o Moleque. O Dr. Semana, um tipo atarracado, com a cabeça grande e quase sempre de lápis em riste, comenta os assuntos correntes. No frontispício da revista, há uma lanterna mágica onde se estampa a divisa: Ridendo castigat mores (Rindo castigam-se os costumes). Na Semana Ilustrada, de forma bem-humorada, encontra-se uma sátira à sociedade, à moda, a cenas domésticas e de rua, aos acontecimentos políticos e à administração da cidade. Durante a Guerra do Paraguai, são apresentados retratos dos heróis do combate e diversas ilustrações do conflito, realizadas mediante croquis remetidos do campo de combate por Von Hoonholtz, o barão de Tefé (1837 - 1931), e outros. O periódico posiciona-se a favor da abolição da escravidão, principalmente fazendo a divulgação da Lei do Ventre Livre, de 1871.

Fleiuss realiza diversas aquarelas de valor histórico e artístico, como o esboço do Encerramento da Assembléia Geral (1859) e um quadro em que mostra um amplo panorama do Rio de Janeiro. O artista destaca-se por sua importante atuação no desenvolvimento da sátira e da caricatura e no aperfeiçoamento das artes gráficas no país.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 17

Abrir módulo
  • ANDRADE, Joaquim Marçal Ferreira de. História da fotorreportagem no Brasil: a fotografia na imprensa do Rio de Janeiro de 1839 a 1900. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. 281p. il. p&b.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • FLEIUSS, Max. Centenário de Henrique Fleiuss. Rio de Janeiro : Imprensa nacional, 1923. 21 p.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LAGO, Pedro Corrêa do. Caricaturistas brasileiros: 1836-1999. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LIMA, Herman. História da caricatura no Brasil I. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1963.
  • MORALES DE LOS RIOS, adolfo. O ensino artístico: subsídio para a sua história. Rio de Janeiro [s.n], [1938?]. 492p.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1966. 583p.
  • TAUNAY, Visconde de. Estrangeiros illustres e prestimosos. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brasileiro, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, v. 58, p. 225-248, 1895.
  • VIANA, Ernesto da Cunha de Araujo. Das artes plásticas no Brasil em geral e na cidade do Rio de Janeiro em particular: curso, em cinco licções, professado no Instituto Histórico e Geographico Brasileiro. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brasileiro, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, v. 78, p. 507-608, 1916.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: