Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Félix-Émile Taunay

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.01.2018
01.03.1795 França / Ile de France / Montmorency
14.04.1881 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Rua Direita, Rio de Janeiro, 1823
Félix-Émile Taunay
Aquarela sobre papel
23,60 cm x 17,70 cm

Félix-Émile Taunay (Montmorency, França 1795 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1881). Pintor, professor, escritor, poeta e tradutor. Vem ao Rio de Janeiro em 1816, acompanhando seu pai, integrante da Missão Artística Francesa, o pintor Nicolas Antoine Taunay (1755 - 1830), que orienta sua formação artística. Por volta de 1821, faz desenhos e aqu...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Félix-Émile Taunay (Montmorency, França 1795 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1881). Pintor, professor, escritor, poeta e tradutor. Vem ao Rio de Janeiro em 1816, acompanhando seu pai, integrante da Missão Artística Francesa, o pintor Nicolas Antoine Taunay (1755 - 1830), que orienta sua formação artística. Por volta de 1821, faz desenhos e aquarelas que constituem o primeiro Panorama do Rio de Janeiro, pintado em tela, em 1824, por Fréderic Guillaume Ronmy e exposto em Paris. Sucede ao pai na cadeira de pintura de paisagem da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba. Em 1834, após a morte do português Henrique José da Silva (1772 - 1834), diretor da Aiba, assume seu posto e é responsável pelo início da consolidação do ensino artístico no Brasil, segundo as normas idealizadas pelos artistas da Missão Francesa. Em sua gestão, são criadas as Exposições Gerais de Belas Artes, em 1840; organizada a pinacoteca, em 1843; e instituídos os prêmios de viagem ao exterior, em 1845. Em 1851, aposenta-se da cadeira de pintura de paisagem e, em 1854, é substituído na direção da Aiba por Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806 - 1879). Participa, com o arquiteto Grandjean de Montigny (1776 - 1850), dos projetos de saneamento e urbanização da cidade do Rio de Janeiro.

Análise

Entre as realizações iniciais de Félix Taunay, destacam-se os desenhos e aquarelas para o Panorama do Rio de Janeiro, 1824, executado por Fréderic Guillaume Romy. Em Paisagem Histórica de um Desembarque no Lago do Paço, ca.1829, o artista apresenta uma vista do porto, com os personagens imersos na penumbra, obra que revela afinidades com o romantismo. Taunay pinta ainda duas paisagens do porto, observadas das ilhas: Baía de Guanabara Vista da Ilha das Cobras e Conserto de um Barco, Ilha de Villeganon - Baía de Guanabara (ambas de 1828), nas quais explora com habilidade os efeitos da luminosidade e da sombra. Enfocando a relação do homem com a natureza, produz dois de seus principais quadros: Mata Reduzida a Carvão, ca.1830 e Vista da Mãe d'Água, ca.1850.

Félix Taunay colabora ainda com o arquiteto Grandjean de Montigny (1776 - 1850) no programa de embelezamento das ruas e urbanização da cidade do Rio de Janeiro.

Obras 12

Abrir módulo

Exposições 39

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos viajantes: A construção da paisagem. São Paulo: Metalivros; Salvador: Fundação Emílio Odebrecht, 1994. v.3.
  • BOGHICI, Jean (org.). Missão Artística Francesa e pintores viajantes: França-Brasil no século XIX. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Brasil-França, 1990.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • PINACOTECA do Estado de São Paulo. A arte e seus processos: o papel como suporte. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1978.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: