Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Cecília Conde

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.09.2019
26.01.1934 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Cecília Fernandez Conde (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro , 1934). Compositora e diretora musical.  Realiza trabalhos de "ambientação musical" para os principais grupos cariocas dos anos 70, especialmente o Teatro Ipanema, que fazem parte de um conjunto de inovações cênicas que forjam a estética praticada nas encenações teatrais do período.

Texto

Abrir módulo

Cecília Fernandez Conde (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro , 1934). Compositora e diretora musical.  Realiza trabalhos de "ambientação musical" para os principais grupos cariocas dos anos 70, especialmente o Teatro Ipanema, que fazem parte de um conjunto de inovações cênicas que forjam a estética praticada nas encenações teatrais do período.

Diploma-se em canto e piano pelo Conservatório Brasileiro de Música, em 1953. Com extensa carreira docente, inicia suas atividades no campo teatral em 1963, compondo para a cena no grupo de Teatro de Bonecos de Ilo Krugli (1930-2019) e Pedro Touron, onde atua até 1970. Assina, em 1967, a música de O Barbeiro de Sevilha, de Beaumarchais, direção de Paulo Afonso Grisolli. Volta a trabalhar com o diretor em A Parábola da Megera Indomável, autoria do próprio Grisolli, em 1968, espetáculo inaugural do grupo experimental A Comunidade. Colabora com o Teatro Ipanema na sua fase áurea, em Como se Livrar da Coisa, de Eugène Ionesco, direção de Rubens Corrêa, 1969; O Arquiteto e o Imperador da Assíria, de Fernando Arrabal, dirigido por Ivan de Albuquerque,1970; Hoje É Dia de Rock, de José Vicente, 1971, e A China É Azul, de José Wilker, 1972, e Ensaio Selvagem, de José Vicente, todos direção de Rubens, 1974. Nos então chamados "laboratórios", o trabalho de preparação vocal dos atores é desenvolvido com uma pesquisa de sonorização do ambiente dramático. Com Amir Haddad, novamente com A Comunidade, em Agamêmnon, de Ésquilo, 1970 - que juntamente com o já citado O Arquiteto e o Imperador da Assíria, confere-lhe o Prêmio Molière de melhor música para teatro - ; com Tite de Lemos em Hipólito, de Eurípides, 1968; com Luiz Carlos Ripper, em Avatar, de Paulo Afonso Grisolli, 1974; com quem trabalha mais uma vez em Não Me Maltrate, Robinson, 1977; e Extra-Vagância, de Dacia Maraini, 1988.

Trabalha também no teatro infantil, merecendo destaque suas músicas para Pluft, o Fantasminha, de Maria Clara Machado, 1969, Concerto para os mais Pequenos, de Pedro Dominguez, 1970, e O Barquinho, de Ilo Krugli, 1972, ganhando prêmio da Secretaria de Educação do Estado da Guanabara de melhor música para teatro infantil. 

A partir da metade dos anos 80, a participação na vida teatral tornou-se mais esporádica, em função de outros compromissos com a administração cultural do Estado e com o Conservatório Brasileiro de Música, onde como diretora funda e orienta o Curso de Musicoterapia.

Suas composições para teatro - entre as quais as de O Arquiteto e o Imperador da Assíria e de Hoje É Dia de Rock - caracterizam-se pelo envolvimento integral na proposta dos grupos, no caso o Teatro Ipanema, em que todos os elementos da encenação são trabalhados em conjunto. Nos então chamados "laboratórios", o trabalho de preparação vocal dos atores é desenvolvido com uma pesquisa de sonorização do ambiente dramático.

A fusão orgânica com a teatralidade proposta pelos encenadores é a singularidade do trabalho de Cecília Conde, redimensionando o papel da música no teatro. O conjunto dos seus trabalhos de 1970 é distinguido com o Prêmio Molière.

Analisando o trabalho de Cecília Conde, o crítico Yan Michalski comenta: "Suas composições para teatro - entre as quais as de O Arquiteto e o Imperador da Assíria e de Hoje é Dia de Rock destacam-se como verdadeiros marcos - caracterizam-se pela sua consistência musical, decorrente dos seus profundos conhecimentos como musicista, e pela sua fusão orgânica com a teatralidade proposta pelos respectivos encenadores".1

Notas

1. MICHALSKI. Cecília Conde. In: PEQUENA Enciclopédia do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq. Rio de Janeiro, 1989.

Espetáculos 25

Abrir módulo

Seminários 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CONDE, Cecília. Rio de Janeiro: CEDOC / Funarte. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: Ensaio Selvagem - 1974. Não catalogado
  • MICHALSKI, Yan. Cecília Conde. In: ______. Pequena enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.
  • ONDE tem bruxa tem fada, 1980. Programa do Espetáculo. Disponível em: http://www.klaussvianna.art.br/Arquivos/396/800500-BH-ILU-PRO1-8.pdf.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Rosyane Trotta. Não Catalogado
  • TEATRO IPANEMA. O Beijo da Mulher Aranha: 1981, Rio de Janeiro, RJ, [1981]. Programa do Espetáculo. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: