Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Eugênio Latour

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
15.03.1874 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
02.10.1942 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Senhorinha E. C., 1915
Eugênio Latour
Óleo sobre tela, c.i.d.
40,00 cm x 50,00 cm

Eugênio Latour (Rio de Janeiro RJ 1874 - idem 1942). Pintor, gravador e decorador. Estuda com Zeferino da Costa (1840-1915), Henrique Bernardelli (1858-1936) e Rodolfo Amoedo (1857-1941) na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro. Recebe o Prêmio Viagem ao Exterior da Enba em 1902, com a pintura de gênero Escolha Difícil, 1901. ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Eugênio Latour (Rio de Janeiro RJ 1874 - idem 1942). Pintor, gravador e decorador. Estuda com Zeferino da Costa (1840-1915), Henrique Bernardelli (1858-1936) e Rodolfo Amoedo (1857-1941) na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro. Recebe o Prêmio Viagem ao Exterior da Enba em 1902, com a pintura de gênero Escolha Difícil, 1901. Como pensionista, estuda na França e Itália, até 1908. Retorna à Itália em 1910 para trabalhar como decorador da cúpula do pavilhão brasileiro na Exposição Internacional de Turim, em 1911. Em Florença, monta um ateliê e se radica como cidadão italiano entre ca.1911 e ca.1941. Participa de várias edições do Salão Nacional de Belas (SNBA) entre 1899 e 1908. É membro do júri do 23º Salão Nacional de Belas Artes de Porto Alegre, em 1919. Participa do 1º Salão Paulista de Belas Artes, em 1934. O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) faz uma retrospectiva de seus trabalhos em 1944, expondo seus auto-retratos. No mesmo museu, suas obras participam da exposição Um Século de Pintura Brasileira, em 1952. Explora em sua pintura temáticas de cunho social e moral, além de paisagens e figuras femininas. Realiza trabalhos no campo da gravura em metal e em madeira.

Comentário Crítico
Como aluno e discípulo de Henrique Bernardelli (1858-1936), Eugênio Latour recebe influência do contato de seu professor com o impressionismo e neo-impressionismo franceses e o divisionismo italiano, escolhendo visitar os países de origem dessas correntes quando recebe o prêmio viagem ao exterior da Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1902, fato que contribui para confirmar a predileção dos artistas nacionais por esses dois destinos. Sua obra oscila entre temáticas edificantes, como as apresentadas em telas como Praga Social - O Álcool, 1905, e aquelas que atestam influências do clima art-nouveau europeu, como Nelinha, 1912. Duramente analisado pelos críticos Francisco Acquarone e A. de Queiroz Vieira no livro Primores da Pintura Brasileira, a tela demonstra a tentativa do artista de incorporar alguns procedimentos que, mesmo nos anos 1940, ainda eram recusados por alguns críticos brasileiros, como o tratamento planar do fundo da tela, que reforça seu caráter decorativo. A composição é sintética, articulada pelo cruzamento da figura feminina, uma vertical forte, com a frisa de arabescos florais. Ela parece repercutir a importância da pintura da Secessão vienense, sobretudo as obras de Gustav Klimt (1862-1918), para os artistas italianos, especialmente após a Exposição Internacional de Roma, em 1911. Observa-se também o parentesco com soluções encontradas nas artes gráficas do período, que pode ser imputada à familiaridade do artista com a gravura em metal e madeira. Pouco se conhece da produção gráfica de Latour, mas o contato com esse meio dá pistas da diversidade de linguagens e técnicas artísticas experimentadas no primeiro modernismo brasileiro, do qual, infelizmente, poucos testemunhos restam para que se possa ter um quadro mais preciso de sua dimensão e características.

Obras 10

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Rômulo Fialdini

Ansiedade

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Bianca

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica Rômulo Fialdini

Desilusão

Óleo sobre tela

Exposições 37

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • PINACOTECA do Estado de São Paulo. A arte e seus processos: o papel como suporte. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1978.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: