Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Ernani Vasconcellos

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.10.2022
04.04.1912 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
15.01.1989
Ernani Mendes de Vasconcelos (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1912 – Idem, 1989). Arquiteto, urbanista, pintor, muralista, professor. Um dos protagonistas da consagração da arquitetura moderna brasileira, projeta obras célebres e colabora com o desenho do Ministério de Educação e Saúde (atual Palácio Gustavo Capanema) no Rio de Janeiro, um dos m...

Texto

Abrir módulo

Ernani Mendes de Vasconcelos (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1912 – Idem, 1989). Arquiteto, urbanista, pintor, muralista, professor. Um dos protagonistas da consagração da arquitetura moderna brasileira, projeta obras célebres e colabora com o desenho do Ministério de Educação e Saúde (atual Palácio Gustavo Capanema) no Rio de Janeiro, um dos marcos inaugurais do Modernismo no país. 

Gradua-se como arquiteto pela Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, em 1933. No ano seguinte, recebe o prêmio Caminhoá de Arquitetura, que lhe gratifica com uma viagem à Europa. Quando retorna, passa a fazer parte da equipe docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 1935, ao lado do arquiteto franco-brasileiro Jorge Machado Moreira (1904-1992), participa do concurso para a construção do edifício do Ministério de Educação e Saúde (MES). Os dois arquitetos apresentam um anteprojeto modernista, que é desqualificado pelo júri, conhecido por sua inclinação historicista e, portanto, conservadora. Ao final, o projeto premiado não é executado e o ministro Gustavo Capanema (1900-1985) convoca o arquiteto Lucio Costa (1902-1998) para formular outro projeto. 

Em 1936, tanto Vasconcelos quanto Moreira são convidados por Costa para participar da equipe de projeto do MES, ao lado de Affonso Eduardo Reidy (1909-1964), Carlos Leão (1906-1983) e Oscar Niemeyer (1907-2012). Sob tutela intelectual do arquiteto franco-suíço Le Corbusier (1887-1965), a equipe aplica os preceitos racionais da arquitetura corbusiana, como o térreo livre e pilotis, além de compor com um léxico essencialmente brasileiro, evidenciado pelo uso de azulejos desenhados pelo pintor Candido Portinari (1903-1962). Por essa estética passam a ser reconhecidos como representantes da escola carioca de arquitetura modernista brasileira. 

Desenvolve suas primeiras pinturas no início da década de 1940 e, em 1947, realiza sua primeira exposição individual na Tetos do Brasil, reconhecido centro de artes plásticas do Rio de Janeiro. Suas obras seguem a linguagem modernista, com variação da técnica e predominância de motivos abstratos ou geométricos. Por meio da atividade como pintor, o artista revela habilidade na composição da paleta de cores. 

Em 1950, retorna à Europa, onde permanece por um ano, dividindo suas atividades entre trabalhos e pesquisas. Cinco anos depois, realiza o projeto da casa José Barbosa, em Curitiba. No projeto da fachada, composto por pastilhas azuis e vermelhas, é possível identificar o estilo modernista carioca. O arquiteto se utiliza também dos pilotis, da fachada envidraçada e do térreo livre integrado ao paisagismo, cujo desenho teve colaborações do paisagista Burle Marx (1909-1994). A cozinha é o ambiente central da casa, que se conecta com quase todos os outros cômodos e apresenta móveis de concreto revestidos de azulejo. Nota-se o desenho dos mínimos detalhes: o arquiteto desenha pequenos murais para o closet, além de outro grande mural para o hall. 

Em 1958, torna-se um dos membros fundadores da Associação dos Artistas Plásticos Contemporâneos. No mesmo ano, pinta um mural para o edifício-sede do Banco do Brasil, em Santos, cidade do litoral paulista. A obra está localizada na parte externa do prédio e apresenta formas abstratas combinadas em uma paleta em que prevalecem os tons de azul. A técnica é mesclada entre a pintura e a aplicação de pequenos azulejos. 

Além da contribuição como arquiteto, pintor e muralista, atua como diretor de planejamento da Companhia de Habitação Popular (Cohab) e diretor de arquitetura e urbanismo da Companhia do Metropolitano do Rio de Janeiro. Como sócio do arquiteto Álvaro Vital Brazil (1909-1997), projeta diversas sedes estaduais do Banco da Lavoura de Minas Gerais. 

Os críticos ressaltam ainda a plasticidade de suas obras e a coerência na renovação de sua linguagem ao longo dos anos1. Como artista, recebe diversos prêmios: I Prêmio no IX Salão Paulista de Arte Moderna em 1960; I Prêmio em Pintura do XX Salão Paranaense em 1963; e o Grande Prêmio de Pintura no IV Centenário do Rio de Janeiro em 1964. 

Ernani Vasconcelos se consagra como um vanguardista do estilo moderno carioca. Para além disso, a combinação entre o projeto de arquitetura e a pintura de seus painéis e murais atribuem autenticidade à sua trajetória. 

Notas

1.ERNANI VASCONCELOS expõe no Rio. Jornal da Tarde, Salvador, 12 out. 1974. Disponível em: http://reynivaldobritoartesvisuais.blogspot.com/2013/07/ernani-vasconcellos-expoe-no-rio.html. Acesso em: 25 jun. 2021. 

Espetáculos 3

Abrir módulo

Exposições 19

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • ERNANI VASCONCELOS expõe no Rio. Jornal da Tarde, Salvador, 12 out. 1974. Disponível em: http://reynivaldobritoartesvisuais.blogspot.com/2013/07/ernani-vasconcellos-expoe-no-rio.html. Acesso em: 25 jun. 2021.
  • EXPOSIÇÃO de Artistas Brasileiros. Rio de Janeiro: MAM, 1952.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • NOGUEIRA, Daliane. Casa modernista dos anos 1950 traz estilo carioca para Curitiba. Gazeta do Povo, Curitiba, 2 ago. 2016. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/haus/arquitetura/casa-modernista-dos-anos-1950-traz-estilo-carioca-para-curitiba/. Acesso em: 25 jun. 2021.
  • RETROSPECTIVA da Galeria de Arte da Folha para o Prêmio Leirner de Arte Contemporânea: 36 artistas. São Paulo: Galeria de Arte da Folha, 1962.
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 10. , 1961, São Paulo. 10º Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1961.
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 7. , 1958, São Paulo. 7º Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1958.
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 9., 1960, São Paulo. 9º Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1960.
  • TAKEUCHI, Washington Cesar. A Casa José Barbosa e Ernani Vasconcelos. Circulando por Curitiba, Curitiba, 12 maio 2015. Disponível em: http://www.circulandoporcuritiba.com.br/2015/05/a-casa-jose-barbosa-e-ernani-vasconcelos.html. Acesso em: 25 jun. 2021.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: