Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Enrico Vio

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
06.02.1874 Itália / Vêneto / Veneza
22.11.1960 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Velhice Tranquila
Enrico Vio
Óleo sobre tela, c.i.d.
83,00 cm x 103,00 cm
Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo/Brasil

Enrico Vio (Veneza, Itália 1874 - São Paulo SP 1960). Pintor, professor. Em 1909, estuda no Reggio Istituto di Belle Arti, em Veneza. É aluno de Ettore Tito (1859 - 1941) e Guglielmo Ciardi (1842 - 1917). Participa de exposições em Milão, Turim e da Grande Mostra de Artes de Veneza, em 1909. Em 1910, expõe no Salon d'Automne, em Paris, o quadro ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Enrico Vio (Veneza, Itália 1874 - São Paulo SP 1960). Pintor, professor. Em 1909, estuda no Reggio Istituto di Belle Arti, em Veneza. É aluno de Ettore Tito (1859 - 1941) e Guglielmo Ciardi (1842 - 1917). Participa de exposições em Milão, Turim e da Grande Mostra de Artes de Veneza, em 1909. Em 1910, expõe no Salon d'Automne, em Paris, o quadro Velhice Tranquila, s.d., que traz para o Brasil em 1911. Reside em São Paulo, e leciona desenho no Liceu de Artes e Ofícios e posteriormente na Escola Politécnica. Produz retratos, paisagens paulistanas e pinturas de gênero, utilizando tinta a óleo, pastel e carvão. Realiza, entre outras obras, retratos de artistas como Tarsila do Amaral (1886 - 1973) e Pedro Alexandrino (1856 - 1942). Viaja várias vezes à Itália e pinta telas com temas e paisagens desse país. Em seus quadros, apresenta vistas da cidade de São Paulo, de seus arredores e do litoral paulista. O artista mantém-se à margem das inovações artísticas relacionadas ao movimento modernista durante toda a sua carreira.

Comentário crítico
Enrico Vio produz principalmente retratos, pintura de paisagens e pinturas de gênero. Entre os retratos, destaca-se Velhice Tranquila, s.d. - exposta no Salon d'Automne de Paris, em 1910 -, pelo tratamento sutil conferido ao tema e pelo uso cuidadoso da luz e da gama cromática. Nessa obra evoca a produção de pintores holandeses do século XVII. Em 1922 expõe, entre outras obras, retratos de artistas como Tarsila do Amaral (1886 - 1973) e Pedro Alexandrino (1856 - 1942).

Realiza vistas da cidade de São Paulo, de seus arredores e também do litoral paulista. Em Parque da Estação da Luz, s.d., e em No Jardim, 1923, apresenta um enquadramento fotográfico, aproximando um detalhe da cena aos olhos do observador. Esses quadros destacam-se pelas pinceladas livres e amplas, carregadas de tinta, e apresentam uma síntese formal e uma gama cromática muito controlada.

Como nota o historiador da arte Tadeu Chiarelli, o escritor e crítico Monteiro Lobato (1882 - 1948), em artigo de 1918, destaca o naturalismo sensível da produção do artista, a "verdade" com que trata seus temas e sua habilidade técnica. Enrico Vio manteve-se, durante toda a carreira, à margem das inovações artísticas relacionadas ao movimento modernista, e sua obra permanece ainda pouco conhecida e estudada.

Obras 2

Abrir módulo

Exposições 29

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. xxxxxx
  • CHIARELLI, Tadeu. Um jeca nos vernissages. São Paulo: Edusp, 1995. (Texto e arte, 11).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. xxxxxx
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. xxxxxx
  • MARINHAS e ribeirinhas. São Paulo: Museu Lasar Segall, 1982. (Ciclo de Exposições Momentos da Pintura Paulista).
  • PINACOTECA do Estado - São Paulo. Apresentação de Fábio Magalhães. Texto de Aracy Amaral. Rio de Janeiro: FUNARTE; São Paulo: Secretaria Estadual de Cultura, 1982. (Museus brasileiros, 6).
  • SÃO PAULO (ESTADO). SECRETARIA DA CULTURA. Pintores Italianos no Brasil. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Cultura/Sociarte, 1982.
  • TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores Paisagistas: São Paulo 1890 a 1920. São Paulo: Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002.
  • TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores paisagistas em São Paulo (1890-1920).1986. 303 f. Tese (Doutorado) - Escola da Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, São Paulo, 1986. p.477. T759.09281 T177p v.2

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: