Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Cicarelli

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 11.09.2019
1811 Itália / Campânia / Nápoles
1879 Itália / Campânia / Nápoles
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Retrato da Condessa de Algezur, 1847
Cicarelli
Óleo sobre tela
73,00 cm x 91,00 cm

Alessandro Cicarelli (Nápoles, Itália 1811 - idem 1879) Pintor e professor. Conclui sua formação artística em Nápoles. Transfere-se para o Rio de Janeiro em 1840, onde participa ativamente da vida artística, expondo e lecionando. Na Exposição Geral de Belas Artes de 1843, da Academia Imperial das Belas Artes - Aiba, apresenta dois retratos e dua...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Alessandro Cicarelli (Nápoles, Itália 1811 - idem 1879) Pintor e professor. Conclui sua formação artística em Nápoles. Transfere-se para o Rio de Janeiro em 1840, onde participa ativamente da vida artística, expondo e lecionando. Na Exposição Geral de Belas Artes de 1843, da Academia Imperial das Belas Artes - Aiba, apresenta dois retratos e duas telas que mostram, respectivamente, uma formação de tropas em Nápoles e uma cena ao luar. No ano seguinte, recebe de Dom Pedro II a comenda Cavaleiro da Ordem de Cristo. É designado professor de desenho da imperatriz Dona Teresa Cristina. Em 1846, é incumbido pelo imperador de representar seu casamento com a imperatriz em uma imponente tela, destinada à Sala Encarnada do Paço da Cidade e cuja moldura é encomendada a José Ruqué, mestre dourador da Casa Imperial. Em 1881, a obra é apresentada na exposição de História do Brasil, de 1881, e, posteriormente, é levada para a Europa por Dom Pedro. Cicarelli muda-se para o Chile em 1848 e torna-se diretor da escola de pintura de Santiago a partir de sua criação, em 1849, até cerca de 1871. Três de suas pinturas pertencem à coleção do Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, no Rio de Janeiro: o retrato do desembargador Rodrigo de Souza da Silva Pontes e os retratos do conde e da condessa de Aljezur.

Comentário crítico
Cicarelli forma-se nos moldes do ensino acadêmico Italiano. Especializa-se em retratos e cenas históricas, o gênero então mais valorizado de pintura. Em sua cidade natal, é reconhecido como retratista de estilo severo. No Rio de Janeiro do período, esse tipo de artista é muito apreciado. São retratos e a pintura histórica que Cicarelli expõe na 4ª Exposição Geral, 1843, que lhe valem a comenda de Cavaleiro da Ordem de Cristo, a designação como professor de desenho da Imperatriz e também o elogio do pintor e crítico Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806-1879).

Segundo o pintor e historiador Quirino Campofiorito (1902-1993), a atenção que o imperador Dom Pedro II dá aos artistas dispostos a retratar a família imperial e contribuir para o ensino no país atrai artistas como Cicarelli. O espírito aventureiro desses artistas aportados no Brasil nos anos 1840 e 1850 é o que explicaria a subsquente ida do pintor ao Chile.¹

O crítico Gonzaga-Duque (1863-1911), a respeito do quadro Uma revista no Campo de Marte em Nápoles, apresentado em 1843, o julga bem desenhado, colorido com simplicidade e de proporções regulares. Já o Casamento de S. M. D. Thereza Christina, de 1846, parece ao crítico uma obra fraca em composição e colorido, de aspecto geral duro e desagradável.²

Em texto citado pelo crítico e historiador Roberto Pontual (1939 - 1994), afirma-se que  os retratos e as paisagens - a que hoje não se tem acesso -, são considerados o melhor de sua obra e que, ainda assim, ele é mais conhecido por sua atividade pedagógica no Chile.³

Notas
¹ CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
² DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira. Rio de Janeiro: H. Lombaerts & C., 1888, p. 63.

³ PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1969, p. 135. 

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 14

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 23

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. Introdução de Pietro M. Bardi e Oscar Niemeyer. Textos de Carlos A. C. Lemos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1982. AULLER, Guilherme. O imperador e os artistas. Petrópolis: Tribuna de Petrópolis, 1955. 46 p.BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • AULLER, Guilherme. O imperador e os artistas. Petrópolis: Tribuna de Petrópolis, 1955. 46 p. Não catalogado
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942. R703.0981 B813a
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 759.981034 C198hi
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.1 pt. 1
  • EXPOSIÇÃO de Retratos Femininos. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1954. Não catalogado
  • EXPOSIÇÃO de Retratos Femininos. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1954. Não paginado.FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil: de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 759.981034 F866u
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • MARTINS, Carlos (org.). Revelando um acervo: coleção brasiliana. São Paulo: BEI Comunicação, 2000. (Brasiliana). 759.981 R449
  • MORALES DE LOS RIOS FILHO, Adolfo. Grandjean de Montigny e a evolução da arte brasileira. Rio de Janeiro: Noite, 1941. 720.944 M792m
  • MORALES DE LOS RIOS FILHO, Adolfo. O ensino artístico: subsídio para a sua história. Rio de Janeiro: [s.n.], [1938?]. 492 p. 709.81034 M828e
  • Os Pintores Viajantes: Acervo Museu Nacional de Belas-Artes. Rio de Janeiro: MNBA, 1994. Não catalogado
  • PEDERNEIRAS, Raul. O irredentismo em arte. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 de set. 1924, p. 6. Não catalogado
  • PEDERNEIRAS, Raul. O irredentismo em arte. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 de set. 1924, p. 6. PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. RIOS FILHO, Adolfo Morales de los. O ensino artístico: subsídios para sua história, um capítulo, 1816 - 1889. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1942.. RIOS FILHO, Adolfo Morales de los. Grandjean de Montigny e a evolução da arte brasileira. Rio de Janeiro: Noite, 1941.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • SÃO PAULO (ESTADO). SECRETARIA DA CULTURA. Pintores Italianos no Brasil. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Cultura/Sociarte, 1982.
  • SÃO PAULO (ESTADO). SECRETARIA DA CULTURA. Pintores Italianos no Brasil. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Cultura/Sociarte, 1982. SPsociarte 1982

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: