Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Caron

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
27.03.1862 Brasil / Rio de Janeiro / Resende
15.05.1892 Brasil / Minas Gerais / Juiz de Fora
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Arredores de Paris, 1887
Caron
Óleo sobre tela
59,00 cm x 45,00 cm
Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo

Hipólito Boaventura Caron (Resende RJ 1862 - Juiz de Fora MG 1892). Pintor, decorador. Aos 18 anos, ingressa na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba. Dois anos depois, é admitido como professor de desenho elementar no curso profissional do Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Realiza sua primeira individual em 1883, no Salão da Câmara ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Hipólito Boaventura Caron (Resende RJ 1862 - Juiz de Fora MG 1892). Pintor, decorador. Aos 18 anos, ingressa na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba. Dois anos depois, é admitido como professor de desenho elementar no curso profissional do Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Realiza sua primeira individual em 1883, no Salão da Câmara Municipal de Juiz de Fora, Minas Gerais, e, no ano seguinte, deixa a Aiba para ligar-se ao Grupo Grimm, liderado pelo pintor Georg Grimm (1846 - 1887), que conhece em 1882. Participa da 26ª Exposição Geral de Belas Artes com obras como Praia da Boa Viagem, 1884, pela qual recebe medalha de ouro. Em 1885, viaja à França para estudar, e conhece vários outros países. Retorna ao Rio de Janeiro em 1888. Em 1890, muda-se definitivamente para Minas Gerais. No mesmo ano, expõe na sede do jornal O Pharol, de Juiz de Fora, com Castagneto (1851 - 1900), que ele traz à cidade. Decora o antigo Teatro de Juiz de Fora.

Comentário Crítico
Com intensa atividade artística desde seu ingresso na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, Caron realiza retratos, decorações, mas destaca-se como pintor de paisagens, tendo aperfeiçoado seu talento no Grupo Grimm. As paisagens pintadas por Caron no início de sua trajetória assemelham-se às de Georg Grimm (1846 - 1887). Segundo o historiador Carlos Roberto Maciel Levy, do Grupo Grimm "foi Caron o artista que mais de perto cultivou alguns problemas estéticos análogos àqueles que transformariam a arte internacional na virada do século XIX".1

A pintura de Caron é marcada por planos definidos, pelo naturalismo da imagem, refinamento técnico no uso da cor e pela extrapolação do caráter documental da pintura de paisagens oitocentista, como nas obras Praia da Boa Viagem, 1884, e Praia Formosa, 1888. A primeira pintada por Caron aos 22 anos, apresenta as principais características de sua obra, como a delimitação dos planos e o tratamento dado aos céus "(..) amplos, movimentados, cheios de uma infinidade de planos".2 A segunda apresenta o amadurecimento da poética do artista.

Notas
1 LEVY, Carlos Roberto Maciel. O Grupo Grimm: paisagismo brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1980.
2 Ver trecho de depoimento de Antônio Parreiras (1860 - 1937), também integrante do Grupo Grimm, citado em: LEVY, Carlos Roberto Maciel. O Grupo Grimm: paisagismo brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1980. p. 45.

Obras 6

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Poço Rico

Óleo sobre tela

Exposições 26

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 33

Abrir módulo
  • 150 Anos de História no Museu de Belas-Artes. Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, 26 de out. 1982. Não catalogado
  • ASPECTOS da Paisagem Brasileira: 1816- 1916. Introdução Pedro Martins Caldas Xexéo; fotografia Raul Lima; prefácio Onofre Penteado. Rio de Janeiro: Funarte, 1977. 30 p. 759.981 M986a
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • BERGER, Paulo (org.). Pinturas e pintores do Rio antigo. Apresentação de Sérgio Sahione Fadel. Textos de Paulo Berger, Herculano Gomes Mathias e Donato Mello Júnior. Rio de Janeiro: Kosmos, 1990.
  • BERGER, Paulo (org.). Pinturas e pintores do Rio antigo. Apresentação de Sérgio Sahione Fadel. Textos de Paulo Berger, Herculano Gomes Mathias e Donato Mello Júnior. Rio de Janeiro: Kosmos, 1990. 759.98105 B496p
  • BUENO, Alexei. O Brasil do século XIX na Coleção Fadel. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Sergio Fadel, 2004.
  • BUENO, Alexei. O Brasil do século XIX na Coleção Fadel. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Sergio Fadel, 2004. 709.81034 B823
  • BUNHEIRÃO, Tay (Coord.). O Rio de Janeiro de Machado de Assis . Curadoria Geraldo Edson de Andrade; apresentação Geraldo Edson de Andrade. Rio de Janeiro, 1989. [40] p., il. color. RJccbb 1989/r
  • CAMARGO, Armando de Arruda; LÔBO, Hélio de Sá; AZEVEDO, João da Cruz Vicente de (Orgs.). A paisagem brasileira: 1650-1976. São Paulo: Sociarte: Paço das Artes, 1980. 759.981 C172p
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 759.981034 C198hi
  • CHRISTO, Maraliz de Castro Vieira. AIBA e Arte Mineira: Entre a afirmação e a dissidência (1880-1944), 1986, 12 p. Comunicação apresentada no "Seminário 180 Anos da Criação da Escola de Belas Artes/UFRJ", Rio de Janeiro, EBA-UFRJ, 1996. Não catalogado
  • DE FRANS Post a Eliseu Visconti: acervo Museu Nacional de Belas Artes. Porto Alegre: Margs, 2000. RSmargs 2000/f
  • DEZENOVEVINTE: uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986.
  • DEZENOVEVINTE: uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986. 709.81034 P645d
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.1 pt. 1
  • EXPOSIÇÃO Artistas de Juiz de Fora. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1978. RJmnba 1978
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 759.981034 F866u
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. 759.98105 F144c
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • KLINTOWITZ, Jacob. Coleção Aldo Franco. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 2000. 302 p., il. color. (Coleções). ISBN 85-7191-009-X. 708.981 K65c
  • KLINTOWITZ, Jacob. Coleção Aldo Franco. Versão em inglês Carolyn Brisset. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 2000. 302 p., il. color. (Coleções).
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LEVY, Carlos Roberto Maciel. O Grupo Grimm: paisagismo brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1980.
  • LEVY, Carlos Roberto Maciel. O Grupo Grimm: paisagismo brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1980. 759.98105 L668g
  • MUSEU Nacional de Belas Artes. Rio de Janeiro: Funarte. Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1979. 196 p., il. color. (Museus Brasileiros, 1). 708.98153 M986mnba FUNARTE
  • MUSEU Nacional de Belas Artes. Texto Edson Motta. Rio de Janeiro: Funarte. Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1979. 196 p., il. color. (Museus Brasileiros, 1).
  • SOUZA, Wladimir Alves de. Aspectos da arte brasileira. Rio de Janeiro: Funarte, 1981.
  • SOUZA, Wladimir Alves de. Aspectos da arte brasileira. Rio de Janeiro: Funarte, 1981. 709.81 S729a

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: