Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Bertha Worms

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
26.02.1868 França / Lorena / Uckange
27.06.1937 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Saudades de Nápoles, 1895
Bertha Worms
Óleo sobre tela, c.i.d.
66,00 cm x 82,00 cm
Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo/Brasil

Anna Clémence Berthe Abraham Worms (Uckange, França 1868 - São Paulo SP 1937). Pintora, desenhista, professora. Em 1881, em Paris, ingressa na Escola de Belas Artes e, quatro anos depois, na Académie Julien, onde estuda com Jules Joseph Lefèbvre (1836-1912), Gustave Boulanger (1824-1888) e Jean Joseph Benjamin Constant (1845-1902) e torna-se pro...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Anna Clémence Berthe Abraham Worms (Uckange, França 1868 - São Paulo SP 1937). Pintora, desenhista, professora. Em 1881, em Paris, ingressa na Escola de Belas Artes e, quatro anos depois, na Académie Julien, onde estuda com Jules Joseph Lefèbvre (1836-1912), Gustave Boulanger (1824-1888) e Jean Joseph Benjamin Constant (1845-1902) e torna-se professora de desenho. Expõe os primeiros trabalhos na 2ème Exposition de Blanc et Noir, 1888, e na Exposition des Beaux-Arts de la Société des Artistes Français, 1890. Casa-se, em 1892, com o cirurgião-dentista brasileiro Fernando Worms e transfere-se para o Brasil. Fixa residência em São Paulo, em 1894, e nesse mesmo ano expõe seis telas na casa Fotografia Alemã. Em 1895, participa da 2ª Exposição Geral de Belas Artes, com os trabalhos Lição Difícil, Júlia Lopes de Almeida e Cabeça de Cardeal e obtém medalha de ouro. Com três telas expostas na vitrine da Casa Garraux e 21 obras no salão do Banco União, em São Paulo, a artista dá início às mostras individuais. Em 1896, toma parte da 3ª Exposição Geral de Belas Artes e passa a ensinar desenho em seu ateliê na rua da Glória. Depois de uma estada na França, volta à capital paulista em 1903, e passa a expor regularmente: em 1904, na Faculdade de Direito; em 1907, na Casa Garraux; em 1908, na Escola Nacional de Belas Artes (Enba) (a tela Invocação recebe medalha de ouro); em 1910, no Cercle Français (cenas de gênero, paisagens, retratos e naturezas-mortas). Em 1911 e 1912, participa da Primeira e da Segunda Exposição Brasileira de Belas Artes, respectivamente. Entre 1919 e 1928, apresenta-se em coletivas e organiza mostras individuais. Expõe pela primeira vez com o filho Gastão Worms (1905-1967), em 1923. Integra em 1934 o 1º Salão Paulista de Belas Artes.

Comentário Crítico
A pintura de feições realistas e de caráter quase documental de Bertha Worms volta-se para a vida cotidiana: a carta recebida, as saudades do migrante, um canto do ateliê. Nas composições de interiores e de figuras destaca-se a atenção aos detalhes, seja da indumentária, seja do ambiente, o que faz com que essas obras permitam o acesso a uma época, seus costumes e modos de vida. Nas cores, a preferência pelos tons ocres, amarelos e castanhos. Nas pinceladas, sobressaem os traços largos submetidos à precisão do desenho e à clareza expressiva. A formação obtida nas academias de arte transparece na fidelidade às convenções formais e temáticas. A valorização do desenho no ensino acadêmico conduz a uma pintura afinada com a precisão descritiva, marcada por um compromisso com medidas e proporções de corpos e ambiências, o que a pintora segue com afinco.

Ainda que tenha realizado cenas de gênero, naturezas-mortas (Maçãs e Uvas, 1922, e Camarões, ca.1923) e algumas paisagens (Rua Tabatingüera, 1862), Worms mostra clara preferência pelo retrato, opção, aliás, de parte considerável das mulheres artistas de seu tempo. As pequenas dimensões do retrato aliadas à dimensão psicológica, imprescindível para a definição expressiva do retratado, parecem adequadas à "sensibilidade feminina". No Brasil, torna-se retratista concorrida, uma das poucas a se sustentar com o ofício. A nota sentimental de sua pintura pode ser percebida em temas e expressões (Notícia Triste, 1921), assim como no recurso do diminutivo, freqüente nos títulos: O Amiguinho, O Beijinho, Carta do Netinho.

Obras 2

Abrir módulo

Exposições 34

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 18

Abrir módulo
  • A PINACOTECA do Estado. Texto Carlos Alberto Cerqueira Lemos, Paulo Mendes da Rocha, Maria Cecília França Lourenço; apresentação Ricardo Ohtake, Emanoel Araújo; pesquisa Malú Grima, Sandra Regina Gonçalves, Lucila de Sá Carneiro, Carlos Dal Rovere Júnior, Carmem Correa, José de Oliveira Júnior, Paulo de Tarso. São Paulo: Banco Safra, 1994. 319 p., il. color.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BAECHLER, Dominique-Edouard. Pintura acadêmica: Pintura de gênero: obras primas de uma coleção paulista : 1860-1920. Apresentação José Maria Marin. São Paulo: Imprensa Oficial, 1982. 15 pranchas, il. p&b. color.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • DEZENOVEVINTE: uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. xxxxxx
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. xxxxxx
  • MULHERES pintoras: a casa e o mundo. Apresentação Marcelo Mattos Araújo, Elio Sacco; texto Ruth Sprung Tarasantchi, Maria Lúcia Montes; curadoria Ruth Sprung Tarasantchi. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 2004. 100 p., il. p&b color.
  • OS WORMS: Bertha e Gastão. Curadoria Ruth Sprung Tarasantchi; texto Emanoel Araújo; apresentação Marcos Mendonça; texto Ruth Sprung Tarasantchi. São Paulo: Pinacoteca, 1996. [45] p., il. p&b color.
  • PINACOTECA do Estado de São Paulo: catálogo geral de obras. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1988.
  • RAMPAZZO, Loris Graldi. Algumas Pintoras Paulistas na Virada do Século XIX-XX. São Paulo, 1989.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. A viagem a Paris de artistas brasileiros no final do século XIX, Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 17, n.1, jun. 2005, p. 343-366.
  • TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores Paisagistas: São Paulo 1890 a 1920. São Paulo: Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: