Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Barrica

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.04.2017
1913 Brasil / Ceará / Juazeiro do Norte
04.1993
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Casario
Barrica
Óleo sobre tela, c.i.d.
57,00 cm x 41,00 cm

Guilherme Clidenor de Moura Capibaribe (Cariri CE 1913 - Fortaleza CE 1993). Pintor, ceramista, restaurador e desenhista. Filho do fotógrafo Moura Quineau. Conhecido como Barrica, estuda em Fortaleza com o pintor, e mais tarde crítico de arte, Carlos Cavalcanti, em 1923. Entre as décadas de 1920 ou 1930, pinta retratos fotográficos, técnica que ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Guilherme Clidenor de Moura Capibaribe (Cariri CE 1913 - Fortaleza CE 1993). Pintor, ceramista, restaurador e desenhista. Filho do fotógrafo Moura Quineau. Conhecido como Barrica, estuda em Fortaleza com o pintor, e mais tarde crítico de arte, Carlos Cavalcanti, em 1923. Entre as décadas de 1920 ou 1930, pinta retratos fotográficos, técnica que aprende com o fotógrafo Valter Feliciano. Na mesma época, convive com os pintores Gerson Faria (1889 - 1943), Pretextato de Bezerra e Otacílio Azevedo (1896 - 1969).

Em 1941, participa da fundação do Centro Cultural de Belas Artes (CCBA), que é transformado na Sociedade Cearense de Artes Plásticas (Scap) em 1944, junto com Antonio Bandeira (1922 - 1967), Aldemir Martins (1922 - 2006), Jean-Pierre Chabloz (1910 - 1984) e Estrigas (1919), entre outros.

Sua primeira individual ocorre em 1947, no Instituto Histórico do Ceará, em Fortaleza. Na mesma cidade, realiza exposições individuais no Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (Mauc) em 1961, 1971 e 1982. Em 1959, viaja para o Rio de Janeiro, onde vive até o fim da década de 1980. Nesse período, expõe em galerias de Brasília, Fortaleza, Salvador e São Paulo.

Análise

Grande parte das pinturas de Barrica é composta de paisagens, cenas rurais, urbanas ou marinhas. Figuras humanas delineadas por um contorno escuro, sobreposto às camadas inferiores de cor, emergem no centro iluminado das telas, desde um fundo indefinido, cujo aspecto nebuloso, elaborado por meio de manchas, permeia a composição como um todo, como em Casario. O mesmo contorno define banhistas nus na marinha Sem Título, que, cercados por barcos, desenvolvem alguma atividade artesanal ligada à pesca. Nesse trabalho, o azul do céu rebate no azul da figura central que, por sua vez, lança o olhar do espectador ao canto direito da tela, em que ecoa o azul de um dos barcos que se prolonga no mar tranquilo.

A deformação das figuras e da paisagem dá um tom expressionista às imagens. Às vezes, tons rebaixados produzem uma atmosfera densa e introspectiva, envolta por uma luz crepuscular gerada por pinceladas amarelas. Outras vezes, uma palheta matissiana cria um ambiente leve e iluminado, porém igualmente indefinido e, por isso, vago e misterioso.

Na cerâmica, em princípio, Barrica trabalha com objetos utilitários, como pratos e vasos. Em fins dos anos 1950, entretanto, passa a criar peças antropomórficas ou de formas abstratas orgânicas, policromadas e de acabamento irregular. Essa deformação proposital das peças cria um aspecto de algo inútil, de objeto deteriorado, sem função, que contrasta com o brilho acabado da policromia.

Obras 3

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Casario

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título

Óleo sobre tela

Exposições 73

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • BRASIL: arte do Nordeste. Rio de Janeiro: Spala, 1986.
  • BRASIL: arte do Nordeste. Rio de Janeiro: Spala, 1986. 709.81 L992b
  • COLEÇÃO Oboé Financeira : artes plásticas. Fortaleza: Oboé Financeira, 2000.
  • COLEÇÃO Oboé Financeira: artes plásticas. Apresentação Newton Freitas. Fortaleza: Oboé Financeira, 2000. CEof 2000/c
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.2 pt. 2
  • DICIONÁRIO das artes plásticas do Ceará. Fortaleza: Oboé Financeira, [2000]. R700.98131 D546
  • DICIONÁRIO das artes plásticas do Ceará. Fotografia Ricardo Schmitt; apresentação Newton Freitas, Nilton Melo Almeida, Barros Pinho. Fortaleza : Oboé Financeira, [2000]. 38 p.
  • ESTRIGAS. Barrica: o alquimista da arte. Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 1993. 759.98106 B243e
  • ESTRIGAS. Barrica: o alquimista da arte. Fortaleza: Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 1993. 78 p., il. p&b. (Perfis, 1).
  • GALVÃO, Roberto. Uma visão da arte no Ceará. Fortaleza: Galeria Ignez Fiuza: GRAFISA, 1987.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • Museu de Arte da UFC. Disponível em: http://www.mauc.ufc.br/mauc1.htm. Acesso em: 8 ago. 2011.
  • SCAP : 50 anos. Fortaleza: Sociedade Cearense de Artes Plásticas (Fortaleza, CE). 1991.
  • SOCIEDADE CEARENSE DE ARTES PLÁSTICAS (FORTALEZA, CE). Scap: 50 anos. Fortaleza, 1991. 30p. CEscap 1991/s
  • UMA VISÃO da arte no Ceará. Prefácio Eduardo Campos; comentário Roberto Galvão; apresentação Ignes Fiuza. Fortaleza: Grafisa, 1987. 709.8131 G213u

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: